Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta terça-feira, 31 de maio

No exterior, as atenções se voltam para a inflação na zona do euro de maio, que veio bem acima do esperado

Data de publicação:31/05/2022 às 11:09 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Após fechar a sessão anterior em baixa, a Bolsa opera em alta nesta quarta-feira, 31, com os investidores digerindo novos dados de emprego no País, o que aponta um aquecimento da economia.

Descolado do ambiente negativo dos mercados internacionais, o Ibovespa subia 0,50%, aos 111.591 pontos, às 15h16, enquanto o dólar recuava 0,11%, cotado a R$ 4,748, em dia de formação de Ptax.

Bolsa
Taxa de desemprego no País ficou em 10,5% no trimestre encerrado em abril, menor taxa para o período desde 2015 - Foto: Agência Brasil

O avanço de quase 1% das ações da Petrobras, que refletem a alta do petróleo no exterior, também contribuem para o bom humor da Bolsa, assim como o dia positivo para os bancos no pregão.

Na véspera, o Ministério de Minas e Energia formalizou um pedido ao Ministério da Economia para incluir a petroleira no Programa de Parceiras e Investimentos (PPI), movimento considerado um dos primeiros passos para conseguir privatizar a companhia.

Taxa de desemprego, inflação e ICMS

Segundo dados do IBGE, divulgados durante a manhã, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) reportou uma taxa de desemprego no País de 10,5% no trimestre encerrado em abril.

O número é a menor taxa para esse período desde 2015, quando atingiu 8,1%. Sobre o trimestre anterior, a queda foi de 0,7% ponto porcentual e de 4,3% na comparação anual, quando o País estava vivenciando a segunda onda de covid-19.

Ainda no ambiente interno, a inflação segue no radar, assim como nos mercados internacionais. Por aqui, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, participa de audiência pública na Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara, a partir das 14h, e pode trazer algumas pistas sobre o ciclo monetário do País.

Na véspera, o diretor de política monetária do BC, Bruno Serra, em live promovida pela gestora Kinea, disse que os juros próximos de 13% são uma resposta para o momento específico vivido atualmente pelo País e que voltarão a convergir para território neutro.

A expectativa do mercado é de que o Copom faça um ajuste de 0,50 ponto porcentual na Selic na próxima reunião do colegiado, que ocorrerá em junho.

Outro tema relevante para o mercado, o projeto de lei que limita o ICMS em combustíveis e energia elétrica deve ser votado nos próximos dias no Senado, segundo o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco.

Sobe e desce da Bolsa

Maiores altas

Irb Brasil (IRBR3) +6,41%
Marfrig (MRFG3)+6,28%
Cemig (CMIG4)+3,30%
BRF (BRFS3)+3,26%
Lojas Renner (LREN3)+2,94%

Maiores baixas

Banco Inter (BIDI11)-3,57%
Vibra (VBBR3) -2,82%
CPFL (CPFE3) -3,21%
Magazine Luiza (MGLU3)-2,08%
Eztec (EZTC3)-1,91%
Fonte: B3 (dados atualizados às 15h20)

Juros futuros

Os juros futuros operam mistos nesta terça-feira. Por volta das 15h10, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2027 estava em 12,20%, de 12,27% na abertura do dia.

O DI para janeiro de 2025 recuava a 12,35%, de 12,44%, e o para janeiro de 2023 estava em 13,48%, de 13,47%.

Mercado internacional: inflação avança mais do que o esperado

De acordo com a Destatis, agência oficial de estatísticas da União Europeia (UE), o Índice de Preço ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro subiu 8,1% em maio ante alta de 7,4% em abril. A notícia deprimiu os mercados locais, com os principais índices operando em queda.

O indicador veio bem acima da projeção do mercado de 7,6% e reforçou ainda mais as perspectivas de que o Banco Central Europeu (BCE) deve subir a taxa básica de juros do bloco em julho.

“Eleva-se a especulação de que a autoridade pode começar a subir os juros ao passod e 50 pontos-base, com uma conjuntura que não será suficientemente desestimulada ainda nesse ano se a autoridade confirmar as falas de que elevará o indicador ao ritmo de apenas 25 pontos-base”.

Étore Sanches, economista-chefe da Ativa Investimentos

A alta do petróleo também é destaque nesta terça-feira, após a União Europeia chegar na véspera a um acordo de embargo ao petróleo russo.

O movimento, na visão dos analistas, pode reforçar ainda mais a alta da inflação e ciclos de aperto monetários mais fortes por parte dos BCs mundiais. Às 10h10, o preço do barril da commodity tipo Brent subia 1,57%, cotado a US$ 119,53.

Bolsas europeias/fechamento

  • Stoxx 600 (Europa): -0,72% (443,36 pontos)
  • DAX (Frankfurt): -1,29% (14.388 pontos)
  • FTSE (Londres): +0,10% (7.607 pontos)
  • CAC 40 (Paris): -1,43% (6.468 pontos)

A alta da inflação europeia soma-se ao cenário de Wall Street – que retoma suas atividades nesta terça-feira após feriado do Memorial Day – de enfrentamento de uma inflação no maior patamar dos últimos 40 anos e com o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) apertando o passo para combater o seu avanço por meio de um ciclo monetário austero.

Nos Estados Unidos, o mercado também acompanha a reunião entre o presidente americano Joe Biden e o presidente do Fed, Jerome Powell, para discutir o cenário econômico do país.

Bolsas americanas/principais índices

  • S&P 500: -0,52%
  • Dow Jones: -0,51%
  • Nasdaq 100: -0,36% (dados atualizados às 15h53)

Bolsas asiáticas fecham sem direção única

As bolsas asiáticas concluíram a sessão desta terça-feira sem direção única. Os negócios na China, porém, tiveram tom positivo após as altas dos índices de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) de indústria e serviços em maio indicarem que o desempenho da atividade chinesa está melhorando, em meio aos processos de reabertura de Pequim e Xangai, após um extenso período de lockdowns para conter a covid-19.

O índice acionário Xangai Composto subiu 1,19%, a 3.186 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto teve alta de 1,57%, a 2.006 pontos.

Em outras praças asiáticas, o Hang Seng, de Hong Kong, avançou 1,38%, aos 21.415 pontos, enquanto o Taiex subiu 1,19% em Taiwan, aos 16.807 pontos. Na Coreia do Sul, o índice Kospi terminou o dia com ganho de 0,61%, aos 2.685 pontos.

Segundo informou o Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês) da China, o PMI industrial do país avançou a 49,6 em maio, enquanto o de serviços subiu a 47,8.

Embora abaixo da marca de 50 pontos, que indica expansão da atividade, os resultados deram fôlego à perspectiva de melhora da principal economia asiática.

A expectativa é corroborada ainda pelos planos anunciados nos últimos dias de reabrir algumas das principais metrópoles chinesas, como Pequim e Xangai.

"Os PMIs oficiais adicionam evidências mais amplas de que a atividade começou a se recuperar à medida que as medidas de contenção foram revertidas".

Capital Economics

A casa, porém, alerta que "é provável que a recuperação permaneça morna em meio à fraca demanda externa e tensões no mercado de trabalho".

Em uma nota menos positiva, a Pantheon Macroeconomics avalia que o PMI chinês não teria como vir pior que em abril, e os níveis abaixo de 50 pontos mostram uma atividade ainda em queda, ainda que menos pronunciada.

A casa argumenta que a política do governo da China, incluindo os estímulos ao setor de infraestrutura, parecem "insuficientes".

Contrariando o movimento da maioria dos índices asiáticos, o japonês Nikkei fechou em baixa de 0,33%, aos 27.279 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana também recuou, em baixa de 1,03% do S&P/ASX 200 em Sydney, a 7.211 pontos. / com Agência Estado

Leia mais

IR2022: termina hoje, 31, o prazo para a entrega da declaração (maisretorno.com)
Mudanças climáticas têm poder desestabilizador nas economias (maisretorno.com)
Serra, do BC: Brasil segue na contramão do mundo, em alta em 2022 (maisretorno.com)
Privatização da Petrobras: MME formaliza pedido de inclusão no PPI (maisretorno.com)
Bolsa fecha em baixa, com investidores atentos à Petrobras; dólar sobe (maisretorno.com)

Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.