Logo Mais Retorno
Economia

PIB da China deve passar por uma desaceleração em 2022, segundo a Moody’s

Covid-19, baixa no setor imobiliário e riscos geopolíticos elevados são os principais fatores que contribuem para desaceleração

Data de publicação:30/05/2022 às 09:53 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A Moody's cortou sua projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da China em 2022, de 5,2% a 4,5%, informou a agência de classificação de risco, em nota nesta segunda-feira, 30.

De acordo com a instituição, desequilíbrios por conta da covid-19, baixa no setor imobiliário e riscos geopolíticos elevados desacelerarão o crescimento da potência asiática. Para 2023, a agência espera crescimento de 5,3% do PIB chinês.

China
Vista de cidade chinesa | Foto: Reprodução

O que esperar?

"Esperamos uma recuperação do investimento em ativos fixos no segundo semestre, enquanto a normalização da demanda por bens e a desvalorização da moeda devem sustentar o crescimento das exportações. Mas o consumo só se fortalecerá se as preocupações com o coronavírus e as restrições diminuírem", diz a vice-presidente e diretora de crédito sênior da Moody's, Lillian Li.

Ainda que haja suporte monetário e fiscal este ano, ele será modesto e seu impacto apenas gradual, enquanto o cenário de incerteza reduzirá os incentivos para que empresas invistam e aumentem sua dívida, avalia a Moody's.

A agência também cita que mantém sua previsão pessimista para o mercado imobiliário da China. "A maior aversão ao risco provavelmente levará a condições de financiamento apertadas e qualidade de crédito mais fraca no segundo semestre, principalmente para empresas mais fracas do setor privado, promotores imobiliários e emissores de alto rendimento", projeta. / Com Agência Estado

Leia mais sobre China

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!