Logo Mais Retorno
Renda Variável

O que esperar do pagamento de dividendos em 2022? Analistas estão otimistas, saiba por quê

Entre as apostas para o período estão ações defensivas do setor de energia elétrica e commodities

Data de publicação:03/01/2022 às 00:56 -
Atualizado 5 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Os investidores com carteira de investimentos focada em dividendos não tiveram o que reclamar sobre o que embolsaram em 2021. Melhor ainda é a expectativa para 2022, com uma nova boa safra de remunerações em curso, segundo analistas.

Embora os prognósticos sejam bons, as empresas terão um cenário desafiador pela frente, com algumas “heranças” trazidas de 2021, como taxa de juros em alta, inflação em patamar elevado, PIB com expectativa de crescimento próximo de zero e o avanço da variante ômicron. Soma-se a isso ainda a realização de eleições presidenciais - tudo isso pode trazer volatilidade para o mercado financeiro.

O que esperar dos dividendos em 2022? Analistas fazem suas recomendações
Flávio de Oliveira, head de renda variável da Zahl Investimentos, os bancos e as empresas de commodities são grandes apostas na distribuição de dividendos para 2022 - Foto: Divulgação

Segundo Lucas Carvalho, analista da Toro Investimentos, para garantir o recebimento de proventos em 2022 é importante priorizar ações defensivas, de setores clássicos da Bolsa, como o mercado de energia elétrica, que já é um tradicional conhecido bom pagador.

“As transmissoras de energia são opções interessantes para quem quer blindar o patrimônio. São empresas com um risco hidrológico baixo e têm seus contratos reajustados pela inflação”, destaca Carvalho.

Além disso, buscam na conquista de novas linhas de transmissão um caminho para crescer. Recentemente, a Taesa arrematou por R$ 129,9 milhões, com um deságio de 47,76% do valor de referência, um trecho que suprirá a região metropolitana de Curitiba (PR), o que vai proporcionar aumento da capacidade de interligação elétrica das regiões Sul e Sudeste.

O especialista reforça ainda que grande parte dessas empresas apresentou um dividend yield em 2021 bastante atrativo, como é o caso da Taesa e da Isa Cteep. Além disso, o payout dessas companhias supera os 80%.

A Neoenergia e a Energisa também ficaram com alguns lotes. A primeira venceu o leilão do quarto lote com um lance de R$ 37,1 milhões, um desafio de 58,6% de valor de referência. A licitação prevê a construção, em 48 meses, da subestação Estreito, em Ibiraci (MG).

Outro ponto a favor da Neoenergia, segundo Guilherme Tiglia, sócio e analistas de ações da Nord Investimentos, é o fato de a empresa estar investindo fortemente em energia renovável – como eólica e solar – o que reduz sua dependência das hidrelétricas e reduz o risco a novas crises hídricas.

Como calcular o dividend yield de uma ação

Dividend Yield = Dividendos pagos por ação / valor unitário da ação X 100
Fonte: Toro Investimentos

Bancos: dividendos mais atrativos

Em relação ao setor financeiro, outro tradicional distribuidor de dividendos e Juros sobre Capital Próprio (JCP), para 2022 a aposta é de uma temporada mais gorda para os gigantes financeiros, de acordo com Flávio Oliveira, head de renda variável da Zahl Investimentos.

“Os grandes bancos estão se estruturando cada vez mais para competir com as fintechs, o que reforça sua capacidade de distribuir bons proventos. Outro ponto que atua a favor é a redução das provisões, que foram bastante significativas em 2020 por conta da pandemia”, analisa Oliveira.

Commodities: Petrobras e Vale

A forte presença das empresas de commodities no montante total pago aos acionistas, tanto em levantamentos mensais quanto anuais, deve continuar em curso em 2022. Para o head da Zahl, tanto a Vale quanto a Petrobras poderão prosseguir distribuindo proventos parrudos.

Segundo um levantamento feito pela Valor Investimentos, as 10 maiores pagadoras de dividendos do País em 2021 remuneraram seus investidores em R$ 259,9 bilhões. Desse total, R$ 222,46 bilhões vieram das duas companhias.

Essa previsão está ligada ao fato de que o preço do petróleo deve viver uma fase de alta, assim como ocorreu com o minério de ferro, e também pela agenda ESG (ambiental, social e governança, em português) da petroleira.

Recentemente, a Petrobras divulgou seu plano estratégico e nele a remuneração aos seus acionistas ganha um espaço privilegiado. Segundo comunicado, a empresa pretende distribuir entre US$ 60 bilhões e US$ 70 bilhões em dividendos entre os anos de 2022 e 2026.

Apesar de não ser uma pagadora constante de dividendos, a Vale tem a seu favor a forte geração de caixa, assim com a receita em dólar – com a moeda americana em trajetória de valorização - que devem continuar favorecendo a distribuição de proventos bem atrativos pela companhia em 2022. Em 2021, a mineradora chegou a pagar R$ 8,10 por ação.

Além disso, segundo Carvalho, a produção de minério de ferro deve se intensificar na indústria chinesa após a realização das Olimpíadas de Inverno do país. A previsão é de um dividend yield para a mineradora na faixa entre 8% e 9%, ante 14% em 2021.

“Não acredito que a Vale distribuirá proventos na casa dos R$ 8 por ação novamente. Porém, sua capacidade de encher o bolso do acionista segue firme”, enfatizou o analista da Toro.

Frigoríficos ganharam destaque

A indústria de proteínas normalmente não se destaca entre as companhias que mais pagam proventos aos seus investidores. Porém, no último ano os frigoríficos ganharam força na Bolsa, como é o caso da Marfrig e JBS.

As duas empresas têm mais de 50% de seu faturamento proveniente de sua atividade no exterior, o que ajudou a engordar os lucros em 2021. “Lá fora tem disponibilidade de gado, o que reduz a pressão de custo. Fora isso, o coronavoucher (auxílio pago à população) provocou um aumento da demanda de carne nos EUA”, enfatiza Carvalho.

As apostas dos especialistas em ações focadas em dividendos para 2022

Energia

Empresa/tickerDividend yield projetado/2022
Engie Br (EGIE3)9,5%
Isa Cteep (TRPL4)8,5%
Taesa (TAEE3)7,9%
Neoenergia (NEOE3)4,0%

Bancos

Empresa/ticker Dividend yield projetado/2022
Banco do Brasil (BBSA3)11%
Bradesco (BBDC4)8,1%
Santander (SANB4)7,4%
Itaú (ITUB4)6,9%

Commodities

Empresa/ticker Dividend yield projetado/2022
Petrobras (PETR4)24%
Vale (VALE3)8,6%
Fontes: Toro Investimentos e Valor Investimentos

Dicas para compor a carteira de dividendos em 2022

Para Oliveira, da Zahl, apostar em uma carteira focada em dividendos pode ser uma estratégia interessante para o investidor. Segundo ele, por 2022 ser um ano eleitoral, é possível que a tributação dos dividendos nem saia do papel.

"Normalmente, em ano eleitoral não há grandes avanços em reformas importantes no País, por isso, essa tributação ainda vai ficar longe da realidade dos investidores", enfatizou.

Mas para compor uma carteira de dividendos assertiva é preciso ter cautela na hora de mover as posições. “Por conta do período que será de grande volatilidade, o ideal é olhar para o longo prazo e dar prioridade para empresas sólidas que estão descontadas. A tendência é que, após as eleições, o mercado financeiro volte à normalidade”, ponderou o especialista da Zahl.

Lucas Carvalho, da Toro, complementa ainda com a importância de olhar para o payout da companha antes de alocar os ativos com foco nos proventos. “Olhar o histórico de lucro da empresa é um ponto que deve ser levado em conta. Quanto maior o lucro, maior o payout”.

O que você precisa saber sobre dividendos

O que são?
Dividendos são uma parte do lucro de uma determinada empresa que é distribuído aos seus acionistas. De acordo com a Lei das S.A, as empresas de capital aberto têm que pagar, no mínimo, 25% de seus lucros aos acionistas.

Diferença entre dividendos e Juros sobre Capital Próprio (JCP)
JCP é tributado em 15% pela Receita Federal na data do depósito, enquanto dividendos são isentos de tributação. Na reforma tributária, uma das questões em discussão é a possibilidade de mudar esse critério, com a cobrança de um imposto na casa dos 20%.

Prazo para pagamento
A periodicidade varia de empresa para empresa, podendo ser mensal, trimestral ou anual.

Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.