Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Variante ômicron segue no radar do mercado na última semana do ano

No ambiente local, as atenções se voltam para a inflação

Data de publicação:27/12/2021 às 08:18 -
Atualizado 5 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O mercado financeiro inicia nesta segunda-feira, 27, os negócios da última semana do ano, que também será mais curta, por conta do feriado do Ano Novo. No mercado internacional, os futuros em Nova York operam no positivo, assim como as bolsas europeias, tendo o avanço da variante ômicron no radar, principalmente nos Estados Unidos e Europa.

No fim de semana, milhares de voos foram cancelados em todo o mundo devido ao recrudescimento da pandemia. No domingo, 26, o principal conselheiro médico da Casa Branca, Anthony Fauci, alertou para o risco de que a nova cepa do vírus sobrecarregue os hospitais, mesmo que cause casos mais leves da doença.

Mercado internacional abre a última semana do ano em alta; ômicron segue no radar e inflação no Brasil
Notícias sobre o avanço da variante ômicron devem continuar no radar do mercado global na última semana do ano - Foto: Pixabay

Em um ambiente de negócios esvaziado pelas festas de fim de ano, esse tema deve continuar no centro das atenções do mercado financeiro global e doméstico ao longo da semana.

Futuros/principais índices das bolsas americanas

  • S&P 500: + 0,19%
  • Dow Jones: + 0,07%
  • Nasdaq 100: + 0,25% (dados atualizados às 8h50)

Últimos dados da economia brasileira em 2021

No cenário local, a divulgação de alguns números econômicos ainda está na pauta de monitoramento dos investidores, como as expectativas dos economistas para os principais indicadores do mercado no Boletim Focus desta segunda-feira e o IGP-M – considerado a inflação do aluguel – de dezembro.

Os dados mais recentes de prévias de inflação, incluindo o IGP-M, apontam para uma desaceleração da alta de preços, que, para alguns especialistas, já teria alcançado o pico neste fim de ano. O comportamento do indicador atrai interesse porque é visto como o índice que mede a variação de preços no atacado que podem chegar aos preços ao consumidor. 

São os preços ao consumidor que importam, porque compõem o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que serve de referência a ser perseguida pelo Banco Central na política de metas inflacionárias.

Embora o Banco Central já tenha adiantado que calibrará mais um aumento de 1,50 ponto porcentual na Selic, que está em 9,25% ao ano, na primeira reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) de 2022, em fevereiro, especialistas torcem por uma posição mais branda da autoridade monetária na avaliação do cenário de inflação no novo ano.

Ômicron e commodities

Além das preocupações com a propagação da nova variante, os mercados estarão atentos a eventuais dados ou declarações nos EUA que possam criar novas expectativas em relação à gestão da política monetária americana e às oscilações de preços de commodities no mercado internacional, que afetam empresas exportadoras, como a Vale e a Petrobras, cuja influência no Ibovespa é determinante para o rumo da B3.

Mercados asiáticos fecham sem direção única

As bolsas da Ásia fecharam majoritariamente em baixa nesta segunda-feira, em meio às persistentes incertezas em relação à disseminação da variante ômicron. Os mercados em Hong Kong e na Austrália ficaram fechados por conta do feriado de Natal, o que reduziu a liquidez na região e da Oceania.

Em meio a esse cenário, o índice Nikkei, referência em Tóquio, encerrou a sessão em queda. Segundo a emissora NHK, o Japão já registrou casos da nova cepa.

Na Coreia do Sul, a ação da aérea Korean Airlines cedeu 1,37%, depois que o governo de Hong Kong ordenou a suspensão de voos vindos de cidades sul-coreanas por duas semanas, para conter a covid-19.

Na China, o Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês) chinês informou que o lucro industrial das empresas do país subiu 9% em novembro ante igual mês de 2020, desacelerando em relação ao salto de 24,6% em outubro.

No sábado, o Banco do Povo da China (PBoC) concluiu reunião trimestral na qual se comprometeu a aumentar o apoio à economia real e afirmou que planeja promover o desenvolvimento "saudável" do mercado imobiliário local, que enfrenta grave crise de liquidez. / com Júlia Zillig e Agência Estado

Bolsas asiáticas/fechamento (27.12)

  • Nikkei (Tóquio): - 0,73% (28.676 pontos)
  • Kospi (Coreia do Sul): - 0,43% (2.999 pontos)
  • Xangai (China continental): - 0,06% (3.615 pontos)
  • Taiex (Taiwan): + 0,49% (18.048 pontos)
Sobre o autor
Tom Morooka
Colaborador do Portal Mais Retorno.