Logo Mais Retorno
Economia

Ata da última reunião do Copom reforça atenção do BC para conter a inflação

Autoridade monetária enfatizou um novo ajuste de 1,5 ponto porcentual na Selic na próxima reunião do colegiado, em fevereiro de 2022

Data de publicação:14/12/2021 às 09:56 -
Atualizado 5 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O Banco Central divulgou nesta terça-feira, 14, a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), ocorrida na semana passada e que resultou no aumento de 1,5 ponto porcentual na Selic - a sétima elevação consecutiva - a 9,25% ao ano.

Sem grandes novidades e em linha com o comunicado que anunciou a nova taxa de juros do País, o documento seguiu com um tom mais duro, enfatizando o ciclo de aperto monetário mais contracionista para conter a inflação e sinalizou um novo aumento de mesma magnitude nos juros na próxima reunião, que ocorrerá em fevereiro de 2022.

Ata da última reunião do Copom reforça atenção do BC para conter o avanço da inflação
BC reforça adoção de política monetária contracionista para frear o avanço da inflação na ata da última reunião do Copom divulgada nesta terça-feira, 14 - Foto: Reprodução

Segundo o colegiado, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2021 está em 10,2% no cenário básico, considerando o dólar a R$ 5,65, conforme dados do último boletim Focus. Para os anos seguintes – 2022 e 2023 – os técnicos do BC reconhecem que as projeções estão acima da meta: 4,7% e 3,2%, respectivamente.

Em resposta à alta constante de aumento da inflação, inclusive em horizontes mais distantes, o BC foi incisivo sobre a continuidade de "sua estratégia" até que se consolide o processo de desinflação e a ancoragem das expectativas em torno de suas metas, como no comunicado.

"O Copom considera que, diante do aumento de suas projeções e do risco de desancoragem das expectativas para prazos mais longos, é apropriado que o ciclo de aperto monetário avance significativamente em território contracionista."

Ata da última reunião do colegiado, divulgada nesta terça-feira, 14

No entanto, o BC deixou a porta aberta para mudanças, indicando que os "passos futuros" poderão ser ajustados de modo a garantir a convergência da inflação para "as suas metas".

Como de costume, a autoridade monetária também disse que as próximas decisões vão depender da "evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação para o horizonte relevante".

No último boletim Focus, após 35 revisões positivas, os economistas do mercado baixaram as projeções para a inflação em 2021 de 10,18% para 10,05%.

Inflação, segundo o BC (considerando o cenário básico)

  • 2021: 10,2%
  • 2022: 4,7%
  • 2023: 3,2%

Alta de 1,5 ponto porcentual na Selic

O Comitê reafirma na ata que a alta de 1,50 ponto porcentual da taxa Selic anunciada na semana passada é uma decisão que "reflete seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva".

Além disso, o BC voltou a pontuar que o aumento do juro a 9,25% "também implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego" - duas metas acessórias que a autarquia passou a perseguir após a lei de autonomia formal do órgão.

Balanço de riscos e política fiscal

Com o encaminhamento - quase final - da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, a autarquia ainda manteve a assimetria de alta em seu balanço de riscos, mesmo pontuando desempenho positivo de dados fiscais. A PEC é considerada uma manobra, patrocinada pelo governo, para abrir espaço extra no teto de gastos em 2022, ano eleitoral.

O Copom repetiu que novos prolongamentos das políticas fiscais de resposta à pandemia, que pressionem a demanda agregada e piorem a trajetória fiscal, podem elevar os prêmios de risco do País.

"O Comitê avalia que questionamentos em relação ao arcabouço fiscal elevam o risco de desancoragem das expectativas de inflação, mantendo a assimetria altista no balanço de riscos. Isso implica maior probabilidade de trajetórias para inflação acima do projetado de acordo com o cenário básico", destacou o BC na ata, assim como no comunicado.

Mesmo assim, o Banco Central manteve seu balanço de riscos com fatores em ambas as direções. Pelo lado da inflação menor, o Copom voltou a citar uma possível reversão, ainda que parcial, do aumento recente nos preços das commodities internacionais em moeda local.

O que pensa o mercado

O documento foi recebido pelo mercado sem grandes surpresas. Para o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, a ata foi “marginalmente mais dura” do que o comunicado que anunciou a nova Selic de 9,25% ao ano.

Segundo Sanchez, sua avaliação está ligada ao fato de que o comitê sinalizou, no documento, que chegou a avaliar a possibilidade de aplicar um ajuste maior do que 1,5 ponto porcentual.

“Apesar de a opção do comitê tenha sido a mais branda (ajuste de 1,5 p.p), a autoridade não trouxe à mesa o debate sobre a desancoragem para baixo caso o cenário escolhido fosse ainda mais austero”, enfatizou.

Com isso, a casa manteve sua perspectiva de novos ajustes de 1,5 pontos-base nas próximas reuniões de fevereiro e março de 2022, “interrompendo o ciclo de alta abruptamente no final do primeiro trimestre, com a Selic a 12,25%”. / com Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!