Mercado Financeiro

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta quinta-feira, 23 de dezembro

Investidores estão às voltas com preocupações com o cenário fiscal, com o avanço de preços e acompanhando a nova cepa do coronavírus

Data de publicação:23/12/2021 às 11:21 - Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

No último pregão da semana, a Bolsa opera em queda nesta quinta-feira, 23, descolada do ambiente internacional. Em dia de volume de negócios reduzido por conta do Natal, os investidores estão repercutindo novos dados sobre a inflação, tanto aqui como nos Estados Unidos. Localmente, a prévia da inflação de dezembro (IPCA-15) veio abaixo do esperado, porém acumula a maior alta do ano desde 2015. Lá fora, as notícias também são de alta do indicador.

Soma-se a isso ainda as preocupações com o cenário fiscal do País, que voltou à pauta com a aprovação do Orçamento 2022, cujo arranjo de números feitos para conseguir o sinal verde para o texto pode pesar nas contas públicas. Às 14h41, o Ibovespa registrava queda de 0,41% e perdia os 105 mil pontos - 104.812. O dólar apontava alta residual de 0,02%, cotado a R$ 5,669.

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta quinta-feira, 23 de dezembro
Mercado repercute os últimos dados da inflação tanto lá fora quanto aqui, que mostram avanço dos preços - Foto: Pinterest

Na ponta positiva, pesquisas e estudos científicos feitos a redor do mundo sobre a variante ômicron trouxeram boas notícias sobre o impacto do novo surto na retomada econômica global, trazendo um pouco mais de tranquilidade para os mercados lá fora.

Inflação aqui e nos Estados Unidos

Durante a manhã, o IBGE divulgou que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) de dezembro, considerado uma prévia da inflação do mês, subiu 0,78%. O indicador veio abaixo do esperado pelos analistas, que apostavam em uma mediana de 0,82%, porém acumulou a maior alta anual desde 2015 – 10,42%.

Apesar da desaceleração mensal, o índice de difusão subiu de 65,7% em novembro para 69,2% em dezembro, num sinal de que os aumentos de preços estão mais disseminados entre os setores.

Segundo Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, itens que sofreram influência da Black Friday, como lanche e perfumes, trouxeram informações relevantes em relação ao seu comportamento.

“A variação destes no IPCA-15, que praticamente repetiu o observado no IPCA de novembro, sugere que o pulso foi revertido, o que pode gerar pressão altista no fechamento de dezembro”, avaliou Sanchez.

Nos Estados Unidos, o índice de preços dos gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) avançou 0,6% em novembro e em 5,7% na comparação anual, de acordo com dados publicados pelo Departamento do Comércio do país.

Os números vieram acima da expectativa dos especialistas, que esperavam uma alta mensal de 0,4% na base mensal e de 4,5% na anual. Por ser o indicador preferido do indicador preferido do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), segundo analistas, pode influenciar em novos rumos para a política monetária americana.

Bolsa americanas/ principais índices

  • S&P 500: + 0,72%
  • Dow Jones: + 0,61%
  • Nasdaq 100: + 0,92% (dados atualizados às 14h44)

Geração de empregos no País

Ainda na seara de novos dados econômicos divulgados nesta quinta-feira, o Ministério do Trabalho e Previdência divulgou que o País criou 324.112 novas vagas de trabalho com carteira assinada em novembro, conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). No mês anterior, o volume foi de 241.766.

O mercado financeiro já esperava um novo avanço no emprego no mês, mas o resultado veio bem acima do teto das estimativas dos analistas. As projeções eram de abertura líquida de 130.429 a 268.315 vagas em novembro, com mediana positiva de 216.500 postos de trabalho.

Juros futuros

As taxas de juros negociadas no mercado futuro seguem com viés de alta nesta quinta-feira. Em um ambiente de liquidez reduzida, os investidores seguem analisando os resultados do IPCA-15 de dezembro.

Por volta das 14h35, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2023 tinha taxa de 11,63%, ante 11,35% da abertura.

O DI para janeiro de 2025 projetava 10,59%, contra 10,35%. Na ponta longa, o DI para janeiro de 2027 tinha taxa de 10,50%, contra 10,33% do ajuste anterior.

Sobe e desce da Bolsa

As maiores altas

Marfrig (MRFG3) + 3,44%
BRF (BRFS3)+ 3,47%
Embraer (EMBR3)+ 2,16%
Minerva (BEEF3)+ 1,64%
Braskem (BRKM5)+ 1,64%

As maiores baixas

Méliuz (CASH3)- 5,14%
Petz (PETZ3) - 3,06%
Sulamerica (SULA11)- 3,13%
Alpargatas (ALPA4)- 2,58%
Dexco (RENT3)- 2,67%
Fonte: B3 (dados atualizados às 14h50)

Mercado internacional

Bolsas europeias fecharam em alta

As bolsas na Europa fecharam em alta nesta quinta-feira. O motivo está ligado à divulgação dos últimos estudos sobre o coronavírus, que criaram esperanças nos investidores de que a recuperação global possa resistir ao novo surto da variante ômicron pelo mundo.

Pesquisadores na Escócia e no Imperial College London disseram que no Reino Unidos as taxas de hospitalização estão mais baixas entre pessoas com a ômicron. Os novos dados somam-se a um estudo que mostra que os sul-africanos tem 70% menos probabilidade de desenvolver uma versão mais grave da doença e 80% menos probabilidade de serem hospitalizados se contraírem a doença.

Em paralelo, um novo medicamento anti-covid-19 desenvolvido pela Pfizer ganhou liberação para uso de emergência nos Estados Unidos.

Ainda no noticiário da pandemia, a AstraZeneca divulgou nesta quinta-feira que uma análise laboratorial conduzida pela Universidade de Oxford mostrou que sua vacina contra a doença foi eficaz na prevenção a infecções pela Ômicron após uma terceira dose, mostrando resultados similares aos observados contra a delta após um regime regular de duas doses.

Bolsas europeias/principais praças financeiras

  • Stoxx 600 (Europa): + 0.97%
  • FTSE 100 (Londres): + 1,04%
  • DAX (Frankfurt): + 0,43%
  • CAC 40 (Paris): + 0,77%
  • PSI 20 (Lisboa): + 0,98%
  • Ibex 35 (Madrid): +1,24%

Ásia: fechamento em alta

As bolsas asiáticas registraram ganhos no pregão desta quinta-feira, 23. O apetite por risco de investidores seguiu os avanços do mercado acionário em Nova York, e foi impulsionado pelo noticiário da pandemia de covid-19.

Com as reavaliações em torno do impacto da Ômicron sobre a atividade global, companhias aéreas japonesas como a ANA Holdings (+2,33%) estiveram entre as ganhadoras do dia em Tóquio.

Nesta quinta-feira, o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) divulgou discurso do seu presidente Haruhiko Kuroda, no qual o dirigente reafirmou o compromisso do BC japonês em manter as condições financeiras acomodatícias até que a meta de inflação de 2% ao ano seja atingida de forma sustentável.

Em Hong Kong, o fechamento positivo foi apoiado por ações de companhias de tecnologia, como LG Innotek (+7,75%) e Samsung (+5,79%). / com Tom Morooka e Agência Estado

Fechamento/bolsas asiáticas

  • Nikkei (Tóquio): + 0,83% (28.798 pontos)
  • Hang Seng (Hong Kong): + 0,40% (23.193 pontos)
  • Kospi (Seul): + 0,46% (2.998 pontos)
  • Xangai Composto (China continental): 0,57% (3.643 pontos)
  • S&P/ASX 200 (Sydnei): + 0,31% (7.387 pontos)
Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.
Câmbio Fixo

Câmbio Fixo

O que é o câmbio fixo? Câmbio fixo é o nome dado ao regime cambial adotado pelos países que, utilizando uma moeda estrangeira como referência, mantêm...

  CONTINUAR LENDO