Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Mercado deve operar nesta 4ª feira absorvendo sinais do BC em carta enviada ao ministro da Economia sobre inflação

Autoridade monetária mantém tom firme de política monetária para conter a inflação

Data de publicação:12/01/2022 às 00:30 -
Atualizado 4 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Não deixa de ser curioso o fato de a inflação de dezembro ter ficado acima das expectativas do mercado, ter estourado a meta de 2021 e isso sinalizar a necessidade de alta mais acentuada e por mais tempo dos juros, e a Bolsa de Valores, a B3, ter fechado esta terça-feira, 11, com alta de 1,80%, retomando o nível de 103 mil pontos (103.778).

No pregão desta quarta-feira, os investidores devem analisar com mais calma a carta aberta do Banco Central ao ministro da Economia, depois do encerramento dos negócios de ontem, para justificar o estouro da meta inflacionária em 2021, onde há indicações de manutenção de uma política monetária contracionista em 2022, de juros altos, que tendem a afetar a Bolsa.

mercado
Mercado deve ser impacto por política monetária mais contracionista - Foto: Envato

Ao que tudo indica, a reação positiva da Bolsa teve mais a ver com a reação positiva dos mercados globais e com uma recuperação dos preços, após a desandada da B3 na semana passada com a divulgação da ata do Fed, o banco central dos EUA, em tom mais duro, indicando a retirada de estímulos monetários da economia americana, e a elevação dos juros americanos mais próxima, com início já em março, e não mais no segundo semestre como esperava o mercado.

Em audiência no Senado, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, adotou uma fala mais moderada e otimista, ressaltando que mesmo com a perspectiva de elevação da taxa básica de juros americana nos próximos meses, os Estados Unidos devem continuar em uma era de juros extremamente baixos.

Para ele, a recente escalada da inflação é reflexo de desequilíbrios entre oferta e procura, que tendem a ser normalizados ao longo de 2022, o que vai contribuir para segurar a inflação e os juros. Isso foi o suficiente para as bolsas internacionais reagirem e fecharem em terreno positivo, estimulando também a Bolsa doméstica. O dólar caiu frente às moedas dos emergentes. Aqui, a queda foi de 1,66%, cotado a R$ 5,58.

Cenário interno deve impactar o mercado

No entanto, o quadro interno ainda inspira muita cautela. A inflação de dezembro de 0,73% levou a um acumulado de 10,06% em 2021, muito acima do centro da meta de 3,75%, traçada pelo Banco Central para o ano. O principal desafio agora é tentar trazer o IPCA anual para dentro da meta em 2022, o centro é de 3,5%, podendo chegar ao teto de 5,00%.

Em carta aberta para justificar o estouro da meta ao ministro da Economia Paulo Guedes, e ao Conselho Monetário Nacional (CMN), o presidente do Banco Central afirmou que a inflação deve cair este ano, não ao nível dos 3,5%, mas deve situar-se abaixo do teto. Nesse momento, as expectativas do mercado são de uma inflação mais próxima de 5% em 2022.

Para conseguir isso, no entanto, o BC terá de manter, ou até intensificar, a política monetária contracionista, de elevação dos juros. O mercado projeta a alta da Selic para algo entre 11,50% a 12,00% ao ano. O primeiro ajuste, na faixa de 1,5 ponto porcentual, deve acontecer na primeira semana de fevereiro, na primeira reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), elevando a Selic para 10,75% ao ano.

Mais cedo ou mais tarde, a Bolsa deverá reagir negativamente a esses fatores que estão escancarados para 2022. O tamanho e a intensidade da alta dos juros vão depender, de um lado, do avanço da inflação, mas, de outro, de como a já frágil atividade econômica deverá se comportar diante disso.

Paralisação de funcionários do BC

Outro fator que pode impactar os negócios no mercado brasileiro neste pregão é a paralisação dos funcionários do BC, marcada para o próximo dia 18, mesmo após uma reunião com o presidente da autoridade monetária, que foi classificada como "amistosa e propositiva", porém sem nenhuma proposta de reajuste salarial, informou o Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal).

Desde a última semana, o funcionalismo público vem se mostrando insatisfeito com o fato de Jair Bolsonaro ter prometido um reajuste salarial apenas aos policias com o espaço liberado no Orçamento após a aprovação da PEC dos Precatórios. A paralisação no BC deve acontecer entre as 10h e 12h do dia 18 e, segundo o Sinal, ainda em janeiro haverá outra reunião com o presidente da instituição.

"Esperamos que, ainda em janeiro, haja nova reunião com o Presidente do BC e que nela haja uma proposta concreta. Caso contrário, passaremos a debater a proposta de greve por tempo indeterminado, em fevereiro de 2022".

Fábio Faiad, presidente do Sinal

Bolsas da Ásia fecham em alta após falas de Powell e queda na inflação chinesa

As bolsas asiáticas fecharam em alta nesta quarta-feira, 12, seguindo o tom positivo de Wall Street, após comentários do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) terem aparentemente agradado investidores e dados da inflação chinesa abrirem caminho para relaxamento monetário.

Na China, a inflação desacelerou em dezembro, tanto para consumidores quanto para produtores, segundo números oficiais publicados ontem, ajudando a preparar o terreno para que Pequim relaxe sua política monetária.

  • Xangai Composto (China continental): alta de 0,84%
  • Shenzhen Composto (China continental): subiu 1,42%
  • Hang Seng (Hong Kong): subiu 2,79%
  • Nikkei (Japão): subiu 1,92%
  • Taiex (Tawian): subiu 0,48%
  • Kospi (Coréia do Sul: subiu 1,54%

Com Agência Estado

Sobre o autor
Regina Pitoscia
Editora do Portal Mais Retorno.