Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta sexta-feira, 11 de fevereiro

Investidores repercutem o balanço do maior banco da América Latina e os dados de prévia do PIB do País

Data de publicação:11/02/2022 às 11:22 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A Bolsa iniciou os negócios desta sexta-feira, 11, em alta, puxada pela forte valorização dos papéis dos grandes bancos, que seguem na esteira de valorização do Itaú de mais de 7%, após reportar lucro trimestral acima do esperado. Santander subia mais de 3%, e Bradesco, mais de1%.

Além disso, os investidores repercutem os dados do Ibc-Br, considerado uma prévia do PIB do País, que reportou alta de 0,33% em dezembro, porém abaixo das estimativas dos analistas. Às 13h49, o Ibovespa subia 1,27% aos 114.805 pontos. Já o dólar recuava 0,95%, cotado a R$ 5,192.

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta sexta-feira, 11 de fevereiro
Prévia do PIB, Ibc-Br sobe 0,33% em dezembro, mas resultado vem abaixo do esperado - Imagem: Reprodução

A moeda americana opera em baixa ante o real e outros pares emergentes exportadores de matérias-primas no exterior, em manhã de ganhos do petróleo e recuo dos rendimentos dos Treasuries nos Estados Unidos.

Um fluxo de investidores estrangeiros pode estar ajudando a derrubar o dólar ante o real, peso chileno, peso mexicano, lira turca e rand sul africano.

Ibc-Br de dezembro em alta, mas abaixo do esperado

Durante a manhã o Banco Central divulgou o Índice de Atividade Econômica da autoridade monetária (Ibc-Br) de dezembro, que registrou alta de 0,33% no período ante o mês anterior. No acumulado de 12 meses, o indicador reportou avanço de 4,5%.

O número mensal frustrou a expectativa dos analistas, que esperavam expansão de 0,5%. O indicador de dezembro levou em conta os dados mais fracos dos principais setores que compõem a economia no terceiro trimestre de 2021.

Com o desempenho da indústria, varejo e serviços fechando o período com desempenhos favoráveis, os especialistas começaram a revisar suas projeções para o PIB, de 4,5% para 4,6% para o ano.

Porém, o foco desta sexta-feira está no presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que participa do evento Esfera Brasil, a partir das 12h30, e pode trazer algumas pistas, após os dados do Ibc-Br, a ata mais conservadora da última reunião do Copom e, especialmente, as declarações do diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, defendendo “ajustes adicionais” na Selic além de março.

Juros futuros

Os juros futuros longos recuam levemente junto com o dólar e a fraqueza dos juros dos Treasuries na manhã desta sexta-feira, enquanto os demais rondam estabilidade, num movimento de ajuste após as taxas terem subido por três sessões seguidas.

Segundo um trader do mercado, o fluxo de entrada no País ajuda a tirar pressão da curva. Às 9h48 desta sexta-feira, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2027 marcava 11,29%, de 11,30% no ajuste de quinta-feira, dia 10.

Sobe e desce da Bolsa

Maiores altas

IRB Brasil (IRBR3)+7,62%
Itaú (ITUB4)+5,39%
Itausa (ITSA4)+3,17%
Banco do Brasil (BBSA3)+2,88%
Santander (SANB11)+0,03%
Fonte: B3

Maiores baixas

Usiminas (USIM5)-3,46%
Magazine Luiza (MGLU3)-3,03%
CSN Mineração (CMIN3)-3,20%
Americanas S.A (AMER3)-2,44%
Gol (GOLL4)-2,20%
Fonte: B3 (dados atualizados às 11h38)

Mercado internacional

Petróleo: preços podem subir ainda mais

Questões crônicas de oferta entre grandes produtores de petróleo podem ampliar a volatilidade nos mercados de energia e impulsionar ainda mais os preços da commodity, segundo relatório divulgado nesta sexta-feira pela Agência Internacional de Energia (AIE). Às 10h26, o preço do barril tipo Brent subia 1,23%, cotado a US$ 92,51.

No documento, a AIE ressalta que a falha por integrantes da Opep+ - formada pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados - de cumprir promessas de ampliar a oferta ajudou a impulsionar os preços da commodity aos maiores níveis desde 2014.

Em janeiro, a produção da Opep+ ficou 900 mil barris por dia (bpd) abaixo de sua meta, e há sinais de que o déficit está se agravando, o que provavelmente intensificará o aperto no mercado, alerta a AIE.

No documento, a agência prevê que a oferta global de petróleo crescerá 6,3 milhões de barris em 2022 se a Opep+ reverter totalmente os cortes que implementou anos atrás em sua produção. Em sua última reunião, na semana passada, a Opep+ manteve a estratégia de aumentar sua oferta em 400 mil bpd em março.

No mês passado, a oferta global de petróleo teve expansão de 560 mil bpd, a 98,7 milhões de bpd, conforme estimativa da AIE.

Ainda no relatório, a AIE cortou sua previsão de alta na demanda global por petróleo em 2022 em 100 mil bpd, a 3,2 milhões de bpd.

Lembrando que os movimentos nos preços do petróleo impactam diretamente as ações das gigantes brasileiras exportadoras da commodities, como a Petrobras.

Wall Street: bolsas mistas

Os principais índices americanos operam mistos, após os futuros trafegarem no vermelho boa parte da manhã. Por lá, as preocupações sobre os reflexos do avanço da inflação dos EUA acima do esperado se mantêm entre os investidores. Os especialistas passaram a dobrar as apostas sobre um aperto monetário mais contundente a partir da próxima reunião do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) em março.

Os dados de inflação foram a 7,5% nos 12 meses concluídos em janeiro, renovando o maior patamar em quatro décadas. A notícia alimentou a especulação de que o Fed aumentará as taxas de juros em 50 pontos-base em março, ao invés de 0,25% previstos anteriormente.

Para piorar a situação, o presidente da distrital do BC americano em St. Louis, James Bullard, defendeu que os juros sejam elevados em 100 pontos-base até julho.

Principais índices/bolsas americanas

  • S&P 500: -0,04%
  • Dow Jones: +0,18%
  • Nasdaq 100: -0,36% (dados atualizados às 11h59)

Europa: mercados em queda

No continente, a cautela domina os mercados. Por lá, novos números econômicos foram divulgados e os investidores seguem repercutindo esses dados.

A Destatis, agência de estatísticas da Alemanha, informou que a taxa anual de inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) caiu para 4,9% em janeiro, ante 5,3% em dezembro. Na comparação mensal, o CPI da maior economia da Europa subiu 0,4%. Os números vieram em linha com a expectativa do mercado.

Segundo o Escritório de Estatísticas do Reino Unido (ONS, na sigla em inglês), o Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido subiu 1% no quarto trimestre de 2021 ante o anterior. O resultado ficou um pouco abaixo da expectativa dos analistas, que previam alta de 1,1% no período.

O escritório reportou também que a produção industrial do Reino Unido cresceu 0,3% em dezembro ante novembro de 2021. O indicador superou a projeção dos analistas, que esperavam avanço de 0,2% na produção. Já na comparação anual, a produção geral da indústria do Reino Unido teve alta de 0,4% em dezembro, menor do que o avanço projetado de 0,6%.

Bolsas europeias/principais praças

  • Stoxx 600 (Europa): -0,46%
  • FTSE 100 (Londres): -0,57%
  • DAX (Frankfurt): -0,13%
  • CAC 40 (Paris): -0,84% (dados atualizados às 11h11)

Bolsas asiáticas fecham em queda com perspectiva de alta nos juros dos EUA

Os mercados asiáticos fecharam em baixa generalizada nesta sexta-feira, após a divulgação dos dados da inflação americana, que reforçaram expectativas de uma agressiva trajetória de alta dos juros na maior economia do mundo. / com Tom Morooka e Agência Estado

Fechamento/principais índices asiáticos

  • Xangai Composto (China continental): -0,66% (3.462 pontos)
  • Shenzhen Composto (China continental): -1,72% (2.262 pontos)
  • Hang Seng (Hong Kong): -0,07% (24.906 pontos)
  • Taiex (Taiwan): -0,15% (18.310 pontos)
  • Nikkei (Tóquio): bolsa fechada/feriado nacional no Japão
  • S&P/ASX 200 (Sydney): -0,98% (7.217 pontos)
Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.