Logo Mais Retorno
Fundos de Investimentos

Conheça os 10 fundos de ações campeões de rentabilidade em 2021; o primeiro rendeu 61%

Também em dezembro, os 10 fundos mais rentáveis fizeram bonito e superaram a inflação

Data de publicação:06/01/2022 às 02:40 -
Atualizado 6 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O resultado exibido pelos fundos de ações mais rentáveis em 2021 destoa do desempenho do Ibovespa. Os números são contundentes. Em um ano que o Ibovespa recuou 11,93%, o campeão, o RBR Reits UD Dolar BDR, apresentou valorização de 61,33%. Mas o mar não esteve para muitos peixes.

Do universo de 488 fundos pesquisados pelo levantamento exclusivo da Mais Retorno, 366 deles, ou 75%, fecharam o ano com variação negativa da cota. Em contrapartida, 76 apresentam claras condições de superar a inflação do período, projetada em 10% pelo mercado financeiro, com o seu rendimento líquido, depois do desconto do Imposto de Renda. Isso porque todos eles tiveram valorização acima de 12% em 2021.

fundos de ações
Foto: Reprodução CM Capital

Desempenho dos fundos de ações mais rentáveis de 2021

FundoRendimento 2021Rendimento dez/2021
RBR Reits US Dolar FIC FIA61,33%6,94%
Organon FIC FIA53,82%7,62%
Trígono Delphos Income49,65%9,14%
Trígono Flagship Small Caps43,60%9,68%
Trígono Flagship 60 Small Caps42,87%9,74%
Trígono Verbier FIC FIA40,11%6,63%
Trend Bolsa Americana Dolar FIA38,74%4,32%
Vitreo Franklin W ESG FIA BDR37,94%3,54%
CSHG SP500 USD FIA IE36,42%3,21%
Bradesco Institucional FIA BDR35,38%2,90%
Fonte: Mais Retorno

Estratégias mais bem-sucedidas

A Bolsa de Valores, a B3, sucumbiu ao cenário de turbulências e incertezas políticas, econômicas e fiscais. Foram bem-sucedidas, com entrega de bons resultados aos cotistas, estratégias de gestores que investiram os recursos da carteira em ativos no exterior, evitando a exposição somente ao ambiente de risco País, tanto político quanto econômico.

Saíram-se bem os fundos que ancoraram os recursos em ativos internacionais, como o índice S&P 500, os BDRs (Brazilian Depositary Receipts), papeis representativos de ações de empresas internacionais negociados na B3. Só para ter uma ideia, o S&P 500 acumulou uma valorização de 27% no ano passado.

Os fundos campeões em 2021 também fizeram bonito em dezembro, com rendimento que deve superar com folga a inflação de dezembro, a que foi medida pelo IGPM ficou em 0,87%. A que é calculada pelo IPCA será conhecida nesses próximos dias.

Small Caps: estratégia dos fundos de ações da Trígono

O brilho não ficou restrito apenas à estratégia de gestores que foram atrás de oportunidades no exterior. Contemplou também o trabalho de quem fez a garimpagem de empresas com boas perspectivas de resultados no mercado local. Como os gestores da Trígono Capital, cujos fundos aparecem sistematicamente na lista dos fundos de ações mais rentáveis.

Uma característica de gestão é a busca de ações small caps, fora das que compõem a carteira o Ibovespa, formada por empresas de primeira linha e líderes do setor. Uma estratégia para lá de vitoriosa:

  • o Trígono Delphos Income FIC FIA foi o terceiro fundo de ações mais rentável do ano, com rendimento acumulado de 49,65%;
  • O Trígono Flagship Small Caps FIC FIA, rendeu 43,60%;
  • O fundo Trígono Flagship 60 Small Caps FIC FIA, 42,87%;
  • O Trígono Verbier FIC FIA, 40,11%.

Análise fundamentalista

Werner Roger, gestor e sócio-cofundador da Trígono Capital, dá a receita do sucesso dos fundos da gestora.  Ele atribui a performance diferenciada a uma “gestão de análise fundamentalista, que acredita no potencial das small caps”, sem se guiar pelos índices de mercado ou apenas por indicadores macroeconômicos.

Roger explica que a escolha de empresas que compõem o portfólio dos fundos é feita por uma análise criteriosa de fundamentos, “com prioridade para os critérios que permeiam a agenda ESG (Environmental, social and corporate governance ou governança ambiental, social e corporativa)". O resultado do rigor da análise de cada setor na seleção de empresas é que “60% da nossa carteira se mantém intacta desde o início da gestora, há quatro anos”, explica o gestor.

As carteiras da Trígono concentram suas posições em poucos setores e empresas, com destaque para as commodities químicas e minerais, agronegócio e indústria automotiva pesada. Os fundos se beneficiam com a desvalorização do real e têm pouca exposição às taxas de juro, afirma Werner, “já que não investem em setores como o imobiliário, shopping centers e varejo, que perfazem grande parte do índice small caps”.

Fundos monoação se destacam em dezembro

Os produtos dessa classe de ativos que dominaram a rentabilidade em dezembro, mês que o Ibovespa se valorizou 2,85%, foram os fundos monoação (formados apenas por uma ação). Da lista de 10 mais rentáveis do mês, todos são monoação, com os recursos da carteira ancorados basicamente em ações da Petrobras

O mais rentável foi o BB Ações Cielo FI, com 13,91% e apenas esse formado por ações emitidas pela Cielo.

Os nove fundos mais rentáveis em dezembro são fundo monoação ancorados em papéis da Petrobras nessa ordem: Bradesco H FIA Petrobras, 12,30%; Itaú Ações Petrobras, 12,26%; Itaú Index Petrobras, 12,18%; FIA Caixa Petrobras, 12,18%; Santander FIC FI Petrobras, 12,14%; Safra Petrobras FIC FIA, 12,00%; Bradesco FIA Petrobras, 11,95%; MB FIA Instituições Financeiras, 11,67%; Santander FI Petrobras 11,33%.

LEIA MAIS

Sobre o autor
Tom Morooka
Colaborador do Portal Mais Retorno.