Fundos de Investimentos

Conheça 10 fundos de ações que duram décadas, e estão entre os mais rentáveis

Todos estão no mercado há mais de 10 anos e nunca trocaram de comando

Data de publicação:02/12/2021 às 05:00 - Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Em um mercado de concorrência cada vez mais acirrada, como é o da indústria de fundos de investimento, alguns produtos resistem à passagem de anos e décadas, em trajetória vitoriosa, sem perder a competitividade. Conheça 10 fundos de ações, que demonstram a solidez pelo tempo de existência, todos com mais de 10 anos, e boa gestão pela rentabilidade atraente (nunca trocaram de comando), em levantamento feito por analista da XP e com base no banco de dados da Mais Retorno.

O estudo mostra que os fundos longevos estão bem performados também neste ano. O campeão em rentabilidade de janeiro a outubro é o Guepardo FIC FIA, com valorização de 12,68% no ano, e seu histórico o classifica como um fundo bem performado em relação ao Ibovespa no longo prazo. Em 215 meses de existência desde sua criação, em 30 de maio de 2007, o fundo acumulou 136 meses positivos e 79 negativos, enquanto o Ibovespa teve variação positiva em 121 e negativa em 94. No balanço geral, nesse período, o resultado do fundo superou 118 vezes o Ibovespa, que ficou acima 97.

Entre os 10 fundos de ações perene e de maior rentabilidade no ano, o segundo colocado da lista foi o Bogari Value FIC FIM, que rendeu 11,07% em 10 meses do ano, até outubro. Um desempenho que ganha brilho também porque foi colhido em um período que o Índice Bovespa (Ibovespa) amargou queda de 13,03%. 

O Bogari Value FIC FIA, que teve início em 8 de julho de 2008, acumulou, em 161 meses de existência, 104 meses de rentabilidade positiva e 57 de queda, período em que o Ibovespa registrou variação positiva em 86 meses e negativa em 75.  Nesse período também, o rendimento do fundo ficou acima do Ibovespa em 100 vezes e abaixo dele em 61 vezes.

O Atmos Ações FIC FIA, o terceiro com melhor desempenho no ranking, rendeu 9,29% no ano e desde sua criação, em 15 de outubro de 2009, ficou positivo em 106 meses e negativo em 40, período que o Ibovespa teve variação positiva em 77 meses e negativa em 69.  Na comparação do período, o fundo superou o Ibovespa 92 vezes; em outras 54, o desempenho do Atmos ficou abaixo do benchmark.

Mas, para deixar claro que não basta ser bem-sucedido em um ano e que carregam uma história de rentabilidade forjada no longo currículo, esses fundos levam vantagem também, ao longo do tempo, na comparação com o Índice Bovespa (Ibovespa), principal índice da B3 e referência (benchmark) para os fundos de ações.

Conheça melhor os fundos perenes

Acompanhe os 10 fundos de ações que mais tempo estão no mercado e apresentam retorno interessante em 2021.

Guepardo FIC FIA – Iniciado em 30 de maio de 2007, o fundo investe em empresas com alto potencial de retorno. As alocações tomam por base a melhor relação risco x retorno entre a diferença do valor de mercado na bolsa e o valor patrimonial.  Valor mínimo de aplicação: R$ 5.000; movimentação mínima: R$ 1.000; valor mínimo de permanência: R$ 5.000; taxa de administração de 1,90% ao ano a 2,05% ao ano (máxima); taxa de performance de 20% sobre o que exceder o Ibovespa.

Bogari Value FIC FIA – Fundo, iniciado em 8 de julho de 2008, investe no mínimo 95% de seu patrimônio no Bogari Value Master FIA. Sua estratégia consiste em aplicar os recursos em ativos com elevado potencial de valorização, como ações de empresas que estão sendo negociadas abaixo de seu valor patrimonial. Valor mínimo de aplicação: R$ 150.000 (o fundo está fechado para novas captações); valor de resgate: R$ 10.000; movimentação mínima: R$ 150.000; saldo mínimo: R$ 150.000, taxa de administração: 2,00% a 2,20% ao ano (máxima); taxa de performance: 20% do que exceder o Ibovespa.

Atmos Ações FIC FIA – Fundo, que teve início em 15 de outubro de 2009, investe em cotas do Atmos Master Fundo de Investimento em Ações. Os recursos são direcionados para empresas com potencial de crescimento, vantagens competitivas sustentáveis a longo prazo e administradas de forma a gerar valor para os acionistas. Valor de aplicação inicial: R$ 50.000; valor mínimo de resgate: R$ 10.000; saldo de permanência: R$ 20.000; taxa de administração: 1,85% ao ano sobre o patrimônio líquido do fundo e 0,15% sobre o patrimônio líquido do fundo master; taxa de performance: 10% sobre o que exceder o IPCA + IMA-B Yield.

Squadra Long Biased Advisory – Iniciado em 31 de março de 2008, esse fundo para investidores qualificados exige aplicação inicial de R$ 100.000; valor de movimentação mínima: R$ 5.000; saldo mínimo de permanência: R$ 100.000; taxa de administração mínima de 1,8% ao ano sobre o patrimônio líquido do fundo, acrescido de 0,20% sobre o patrimônio líquido do fundo master, e máxima de 2,3% ao ano sobre o patrimônio do fundo; taxa de performance: 20% sobre o que exceder o IPCA + IMA-B.

Squadra Long Only FIC FIA – Fundo iniciado em 31 de março de 2008  investe no mínimo 95% de seu patrimônio líquido em cotas do Squadra Master Long-Only FIA, que direciona os recursos para ações selecionadas com base em análises fundamentalistas. O objetivo é identificar ações cujo preço possa apresentar distorção entre seu valor patrimonial e o de mercado. Valor de aplicação mínima: R$ 5.000; movimentação mínima:  R$ 5.000; saldo de permanência: R$ 5.000; taxa de administração: 2,80% ao ano (mínima) e 3,30% ao ano (máxima); taxa de performance: não há.

AZ Quest Small Mid Caps FIC FIA – Iniciado em 30 de dezembro de 2009, fundo de ações small caps tem o objetivo de proporcionar retorno consistente acima do SMLL (índice BM&FBovespa Small Caps) no longo prazo. Tem em carteira empresas de média e baixa capitalizações com boas perspectivas de crescimento que estejam sendo negociadas abaixo do valor patrimonial. Valor mínimo de aplicação: R$ 1.000; movimentação mínima:  R$ 500; saldo de permanência: R$ 500; taxa de administração: 2% ao ano (mínima) e 2,50% ao ano (máxima); taxa de performance: 20% do que exceder 100% da variação do índice Small Caps no ano.

Dynamo Cougar FIA – Fundo destinado a investidores qualificados, com aplicação financeira acima de R$ 1 milhão, o fundo iniciado em 1º de setembro de 1996 investe no mínimo 95% de seu patrimônio em cotas do Dynamo Cougar Master Fundo de Investimento em Ações (fundo master). A seleção de ações pelo fundo master segue análise fundamentalista. Valor de aplicação inicial: R$ 300.000; movimentação mínima: R$ 30.000; taxa de administração: 1,90% ao ano no fundo + 0,10% ao ano no fundo master; taxa de performance: 15% do que exceder IPCA + IMA-B.

Tempo Capital Manacá FIC FIA – Iniciado em 22 de novembro de 1995 e destinado a investidor qualificado, o fundo exige aplicação mínima inicial de R$ 300.000; aplicação mínima adicional de R$ 15.000; resgate mínimo de R$ 15.000; saldo mínimo de permanência de R$ 150.000; taxa de administração: 2% ao ano.

Brasil Capital FIC FIA – Iniciado em 13 de outubro de 2008, o fundo destinado a investidores qualificados exige aplicação mínima inicial de R$ 100.000; valor de permanência: R$ 100.000; valor de movimentação mínima: R$ 10.000; taxa de administração de 1,50% sobre o patrimônio líquido ao ano; taxa de performance de 20% do que exceder o IGP-M + 6% por semestre.

Bahia Smid Caps Valor – Iniciado em 30 de maio de 2008, o fundo investe, por meio do Bahia AM Smid Caps Valor Master FIA, em ações de empresas de pequena e média capitalização que tenham bons fundamentos e grande potencial de valorização no longo prazo. A seleção de ações segue estudo fundamentalista complementado com análise dos fluxos e eventos de mercado.  Valor inicial de aplicação: R$ 20.000; movimentação mínima: R$ 1.000; saldo mínimo de permanência: R$ 20.000; taxa de administração: 2,00% ao ano (mínima) e 2,20% ao ano (máxima); taxa de performance: 20% do que exceder o SMLL (índice Small Caps BM&FBovespa). O fundo está fechado para captação.

Os 10 fundos de ações na visão de um analista

O analista de fundos de investimento Davi Fontenele, da XP, debruçou-se sobre os dados de rentabilidade anualizada dos 10 fundos de ações mais longevos que não tiveram nenhuma troca de gestão desde o início.

O retorno anualizado dos fundos de ações desde seu início comparado com o desempenho do Índice Bovespa (Ibovespa) no período “dá uma ideia de como performaram esses fundos até agora”, diz Fontenele. Os fundos analisados são os com gestão ativa e mais de dez anos de histórico.

O fundo com melhor desempenho desde seu início é o Atmos Ações, que acumula rentabilidade equivalente ao Ibovespa mais 16,3% ao ano, seguido pelo Brasil Capital FIC FIA que rende Ibovespa mais 15,1% ao ano. O fundo que ocupa a décima posição na lista, o Guepardo Ações, entregou rendimento de 11,7% acima do Ibovespa.

Unir performance com longevidade é grande desafio, sobretudo diante das numerosas crises do País e aumento de competitividade da indústria, mas o fator relevante é a qualidade do time à frente do fundo.? Fontenele destaca o trabalho de gestores empreendedores que construíram “uma equipe competente e de qualidade”, formada por “profissionais muito experientes no mercado de ações e em evolução contínua na atividade”.

Outro ponto destacado por Fontenele nos fundos longevos é a construção de portfólios consistentes por meio de um trabalho em conjunto que se “aprofunda em estudos de fundamento micro”, com foco em empresas com viés vencedora no longo prazo, sem relação com o cenário macro.

Uma das características que explicam também o histórico de performance é a “preocupação com a consistência e a obsessão de gerar retornos para os cotistas”, procurando sempre melhorar os resultados. Um esforço que fica cristalizado no mérito de “construir e perenizar uma base de investidores que garante a estabilidade dos passivos” das empresas, que costumam ter muita volatilidade.

O analista de fundos de investimento da XP afirma que, fora todos esses atributos positivos, os fundos longevos “tiveram ainda o mérito de permanecer em contínua evolução no processo”, com a adoção e ampliação de novos métodos de análise de informações para tomada de decisões e criação de mais ferramentas de gestão.

Sobre o autor
Tom Morooka
Colaborador do Portal Mais Retorno.
Método Asset-Liability

Método Asset-Liability

O que é Método Asset-Liability? O método Asset-Liability (ALM) é um tipo de gestão de riscos, para determinado investimento, que consiste em um monitoramento coordenado entre...

  CONTINUAR LENDO