Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Bolsa cai 2% e dólar sobe 1% em semana agitada pela ata do Fed

No pregão desta sexta-feira, papeis de Vale e Petrobras deram sustentação ao IBovespa

Data de publicação:07/01/2022 às 19:21 -
Atualizado 4 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O mercado financeiro teve mais um dia positivo nesta sexta-feira, que fechou a primeira semana do ano. A sessão de negócios teve avanço da bolsa de valores e recuo do dólar. A Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, encerrou o pregão com alta de 1,14%, em 102.719 pontos, a segunda consecutiva.

A valorização acumulada nos últimos dois dias, de 1,68%, não foi suficiente, porém, para anular a desvalorização total da semana que ficou em 2%, que também é a do mês e do ano. Apenas na quarta, quando o Fed (Federal Reserve, banco central americano) alertou para uma política monetária mais dura nos EUA, a B3 recuou 2,42%. O dólar caiu 0,85% no dia, para R$ 5,63, mas acumula ainda valorização de 1,08%, na semana, no mês e ano.

bolsa
Bolsa fecha em alta nesta 6ª feira, mas sem conseguir compensar perdas na semana

Em dia sem novidades que animassem os investidores, os fatores de estímulo ao mercado de ações, vieram do exterior, com nova rodada de valorização das commodities. A alta nos preços do minério de ferro e petróleo deu suporte ao avanço das ações de Vale e Petrobras, companhias exportadoras de commodities que têm peso significativo na composição da carteira do Ibovespa. Vale (VALE3) valorizou-se 5,82%, cotada por R$ 84,00, e Petrobras (PETR4), 0,46%, cotada por R$ 28,18.

Paulo Luives, especialista da Valor Investimentos, diz que o mercado permanece cauteloso e ajustando as expectativas à sinalização dada pela ata do Fed, de aperto monetário nos EUA, e “à mesma temática de cenário fiscal preocupante”, no cenário doméstico, diante de ideias e propostas que podem pôr em risco o equilíbrio das contas públicas, em ano de eleições gerais no País.

Posições em defesa de revisão de tetos de gastos, de flexibilização da lei de responsabilidade fiscal, de alteração em pontos da reforma trabalhista, por parte de aliados aos dois candidatos mais bem colocados em pesquisas sobre a corrida presidencial, trouxeram desconforto e certa instabilidade aos mercados ao longo da semana.

Em Nova York, as bolsas fecharam com os índices em trajetórias distintas. O Dow Jones avançou 0,23%, para 36.321 pontos; o S&P 500 recuou 0,15%, para 4.688 pontos, e o índice Nasdaq, da bolsa eletrônica, caiu 0,6%, para 14.990 pontos.

Destaque no pregão da bolsa

Os holofotes no pregão de hoje na B3 estiveram apontados para as ações do Banco Modal que, após o anúncio de compra de 100% do banco pela XP, dispararam. Em menos de uma hora de negociação, os papéis da Modal registravam valorização superior a 40%, refletindo a avaliação positiva do mercado para a fusão das duas instituições financeiras. Em movimento consistente, as ações sustentaram a alta dessa magnitude até o fim do dia e fecharam com avanço de 44,91%, cotadas a R$12,10.

Sobre o autor
Tom Morooka
Colaborador do Portal Mais Retorno.