Logo Mais Retorno
Economia

Blinken: na disputa com a China, EUA fortalecerão investimentos e alianças com parceiros

Para o secretário, os EUA devem liderar as inovações tecnológicas para que elas sejam usadas globalmente sob um pretexto democrático, e não autocrático

Data de publicação:26/05/2022 às 17:39 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A política dos EUA para lidar com a China sob o governo do presidente Joe Biden se resume a três palavras: "investir, aliar e competir", segundo afirmou o secretário de Estado americano, Antony Blinken, durante discurso nesta quinta-feira, 26, na Universidade de Washington.

De acordo com o secretário, o país vai investir nas suas cadeias produtivas e em pesquisa e desenvolvimento interno, aliando suas políticas com parceiros globais, para "competir com a China", de forma a "defender os seus interesses e construir sua visão de futuro".

EUA
Antony Blinken afirma que os EUA pretendem reforçar sua aliança com países parceiros para 'competir com a China - Foto: Creative Commons

Para o secretário, os EUA devem liderar as inovações tecnológicas para que elas sejam usadas globalmente sob um pretexto democrático, e não autocrático.

Blinken acusou o governo do presidente da China, Xi Jinping, de ter tornado a liderança do Partido Comunista Chinês "mais opressora internamente e agressiva externamente".

"Não podemos confiar na China para alterar sua trajetória, então vamos construir um ambiente estratégico ao redor de Pequim", disse.

Antony Blinken

Apesar das críticas, o secretário negou que os EUA queiram conflito com os chineses, e tampouco pretendem impedir que o gigante asiático seja uma potência global. Ainda assim, prometeu "defender as leis internacionais".

Para Blinken, a China é o único país que tem tanto a "intenção" quanto a capacidade de alterar as regras que regem a ordem internacional, atualmente "sob ameaça" pela Rússia, após a invasão à Ucrânia.

Economia em desaceleração

A disputa entre China e Estados Unidos acontecem em um momento no qual o país do dragão vermelho está sentindo fortemente os reflexos da guerra na Ucrânia, mas principalmente pela nova onda de covid-19 que está gerando lockdowns em várias cidades importantes do país.

Os analistas já revisaram o crescimento da segunda maior potência do mundo para baixo. A meta do governo chinês - de um crescimento de 5,5% para este ano - já está sendo considerada improvável causa do PIB negativo projetado para o segundo trimestre. 

A previsão do mercado é que a China feche o ano com crescimento em torno de 2%, porcentual bem menor do que a média de 8% obtida nos últimos anos. / com Agência Estado

Leia mais

Bancos têm lucro consolidado recorde no 1° trimestre de 2022 (maisretorno.com)
Oportunidades que a China oferece com desaceleração econômica; veja (maisretorno.com)
ETC Group lança no Brasil ETF de bitcoin que faz sucesso na Europa (maisretorno.com)
Bolsa sobe impulsionada pela Petrobras e exterior: dólar cai (maisretorno.com)
Elon Musk X Twitter: ele promete mais US$ 6,25 bilhões de sua fortuna (maisretorno.com)

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!