Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta segunda-feira, 23 de maio

Investidores repercutem decisão do governo chinês para estimular a economia

Data de publicação:23/05/2022 às 11:54 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Em cenário de otimismo e bom humor global, a Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, opera em alta no pregão desta segunda-feira, 23, apoiada na valorização das ações ligadas ao minério de ferro e ao petróleo.

Às 14h01, o Ibovespa avançava 1,62%, aos 110.241 pontos, e o dólar recuava 1,523%, cotado a R$ 4,799.

Bolsa
Ações da Vale sobem mais de 2%, com o minério de ferro positivo no exterior, e impulsionam alta da Bolsa - Foto: Reprodução

As commodities estão em valorização no mercado internacional e favorecem os papeis de empresas brasileiras que exportam o produto. O minério de ferro fechou com valorização de 0,8% no porto chinês de Qingdao, cotado por US$ 135,73 a tonelada.

A fonte de estímulo veio dos estímulos adotados pelo governo chinês para tentar estimular a economia. A Vale, principal exportadora de minério, sobe mais de 2%; as ações ON de Petrobras e PN também sobem mais de 2%, dando o tom positivo à Bolsa.

Para tentar conter os efeitos de lockdowns sobre a economia e estimular a atividade, a China reduziu 1,5 ponto porcentual a taxa de juros para os empréstimos com prazo até cinco anos, o maior corte desde 2019.

No âmbito doméstico, a equipe do BTG Pactual destaca, na agenda da semana, a votação pela Câmara, nesta terça-feira, 24, do projeto que limita a alíquota de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre energia e combustíveis. E também a divulgação do IPCA-15 de maio.

Sobe e desce da Bolsa

Maiores altas

Irb Brasil (IRBR3)+6,92%
Banco Pan (BPAN4)+4,51%
CSN (CSNA3)+4,28%
EcoRodovias (ECOR3)+4,01%
Banco do Brasil (BBSA3)+3,49%

Maiores baixas

Qualicorp (QUAL3)-5,79%
Banco Inter (BIDI11)-4,18%
CVC (CVCB3)-2,65%
Eneva (ENEV3)-2,49%
SLC Agrícola (SLCE3)-1,96%
Fonte: B3 (dados atualizados às 14h05)

Juros futuros

 Os juros futuros operam com viés de baixa, em sintonia com o dólar. As atenções, véspera da divulgação do IPCA-15, estarão na reunião trimestral de economistas com o Banco Central, que ocorre pela manhã e à tarde com economistas do Rio de Janeiro.

Participam do encontro os seguintes diretores do BC: Fernanda Guardado (Assuntos Internacionais), Diogo Guillen (Política Econômica) e Bruno Serra (Política Monetária).

Às 13h55, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2027 estava em 11,78%, de 11,80% no ajuste anterior.

O DI para janeiro de 2025 marcava 12,03%, de 12,05% no ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro 2023 era negociado a 13,32%.

Mercado internacional

As bolsas operam no positivo, tanto em Nova York quanto na zona do euro, em um movimento de recuperação dos mercados, animados com os estímulos econômicos do governo chinês e pelas declarações do presidente americano Joe Biden, de que deve reconsiderar as tarifas adotadas contra a China pelo governo Trump.

Em viagem pela Ásia desde sexta-feira, 20, onde pretende fortalecer laços com os países aliados da região, Biden disse que os EUA defenderão Taiwan contra qualquer ataque chinês. A declaração sobre a reconsideração de tarifas, de todo modo, foi entendida como um gesto de cooperação internacional.

Nesta segunda-feira, Biden anunciou que 12 países aderiram ao Quadro Econômico Indo-Pacífico (IPEF, na sigla em inglês), um novo pacto comercial que pretende aproximar Washington de economias asiáticas em questões como cadeias de suprimentos, comércio digital, energia limpa e esforços anticorrupção.

Austrália, Índia, Japão, Coreia do Sul e Nova Zelândia estão entre os signatários, assim como Brunei, Indonésia, Malásia, Filipinas, Cingapura, Tailândia e Vietnã. Junto com os Estados Unidos, essas nações representam 40% do PIB global.

Bolsas americanas/principais índices

  • S&P 500: +1,55%
  • Dow Jones: +1,88%
  • Nasdaq 100: +1,15% (dados atualizados às 14h14)

Na Europa, a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, previu que a instituição provavelmente tirará sua taxa de depósitos do terreno negativo até o fim de setembro e poderá elevá-la mais se a inflação se estabilizar em 2% no médio prazo.

 "Baseados na atual perspectiva, nós provavelmente estaremos numa posição de sair de taxas de juros negativas até o fim do terceiro trimestre".

Christine Lagarde, presidente do BCE, em texto publicado no blog da autoridade monetária nesta segunda-feira, 23

Atualmente, a taxa de juros para depósitos do BCE está em -0,50%, o que significa que bancos têm de pagar para deixar recursos estacionados na autoridade monetária. A previsão de Lagarde vem num momento em que a zona do euro lida com inflação recorde, em meio aos impactos da guerra na Ucrânia.

Lagarde disse ainda que o programa de compras de ativos do BCE, conhecido como APP, provavelmente terminará "bem no começo" do terceiro trimestre, permitindo à instituição começar a elevar juros na reunião de política monetária de julho.

Até então, a chefe do BCE não havia sido tão explícita sobre a possível data do primeiro aumento de juros do BCE.

Bolsas europeias/fechamento

  • Stoxx 600 (Europa): +1,05% (435,64 pontos)
  • DAX (Frankfurt): +1,38% (14.175 pontos)
  • FTSE 100 (Londres): + 1,67% (7.513 pontos)
  • CAC 40 (Paris): +1,17% (6.358 pontos)

Bolsas asiáticas fecham em alta modesta

As bolsas asiáticas fecharam com ganhos apenas modestos nesta segunda-feira, à medida que persistem temores com a perspectiva de enfraquecimento da economia global.

O índice acionário japonês Nikkei teve alta mais significativa em Tóquio hoje, de 0,98%, aos 27.001 pontos, mas outros mercados ficaram próximos da estabilidade.

Na China continental, o Xangai Composto encerrou o pregão com ganho marginal de 0,01%, aos 3.146 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto subiu 0,56%, aos 1.994,76 pontos.

Em outras partes da Ásia, o sul-coreano Kospi avançou 0,31% em Seul, aos 2.647 pontos, e o Taiex assegurou ligeira valorização de 0,07% em Taiwan, aos 16.156 pontos.

Exceção, o Hang Seng caiu 1,19% em Hong Kong, aos 20.470 pontos, pressionado por ações de tecnologia.

O clima na Ásia e em outras partes é de cautela, uma vez que a inflação elevada, aumentos de juros, a desaceleração da China em meio ao combate contra a covid-19 e a guerra na Ucrânia pesam na economia global, que pode até enfrentar uma recessão este ano, segundo o Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês).

Na Oceania, a bolsa australiana ficou praticamente estável, com ligeira alta de 0,05% do S&P/ASX 200 em Sydney, aos 7.148 pontos. / com Júlia Zillig e Agência Estado

Sobre o autor
Tom Morooka
Colaborador do Portal Mais Retorno.