Logo Mais Retorno
Economia

Câmara aprova projeto que muda cobrança do ICMS sobre combustíveis

Projeto agora segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro

Data de publicação:11/03/2022 às 08:54 -
Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A Câmara dos Deputados encerrou no final da noite anterior a votação do projeto que altera a cobrança do ICMS sobre os combustíveis, após aprovar a maioria das alterações do Senado e retirar o querosene de aviação da incidência única do imposto. A proposta, defendida pela equipe econômica do governo, seguirá para sanção presidencial.

A Câmara deu aval à maioria das alterações feitas pelo Senado na proposta. O projeto do ICMS enfrenta uma artilharia de governadores que não querem abrir mão de arrecadação em ano eleitoral e prometem ir ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a alteração, apesar da alta nos preços anunciada pela Petrobras e das filas que o anúncio provocou nos postos de gasolina.

Câmara aprova projeto que muda cobrança do ICMS sobre combustíveis
Câmara dá sinal verde para projeto que muda a cobrança do ICMS dos combustíveis - Foto: Marcello Casal Jr/Agência Estado

Ao aprovar o texto, a Câmara rejeitou um dispositivo aprovado pelo Senado que acionava um gatilho para correção do imposto cobrado pelos governadores. A medida permitia que Estados ajustassem o ICMS, para baixo ou para cima, conforme a oscilação dos preços, desidratando o modelo instituído pelo projeto.

Com o projeto, o ICMS, principal fonte de arrecadação dos Estados, deverá ser cobrado sobre o litro do combustível, e não mais sobre o preço final do produto. Além disso, o modelo de cobrança deverá ser monofásico, em apenas uma etapa da comercialização, e não em toda a cadeia até o posto de gasolina.

Alíquota única: governadores precisam dar o aval

Os Estados ainda terão de adotar uma alíquota única do ICMS para os combustíveis, mas esse novo modelo dependerá de aprovação do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), dos quais os governos estaduais fazem parte e onde as deliberações só são aprovadas por unanimidade.

Na prática, a mudança só ocorrerá com aval dos governadores. Nesse sentido, o projeto estabelece uma regra de transição. Enquanto os Estados não definirem o novo modelo, cenário mais provável atualmente, a cobrança do ICMS sobre o diesel será congelada até o fim deste ano com base na média de preços cobrados nos últimos cinco anos.

Os governadores queriam estender o congelamento sobre todos os combustíveis com base no valor de novembro de 2021, mas não conseguiram aprovar essa mudança.

Bolsonaro: ICMS é o vilão dos combustíveis

Parlamentares de oposição se mobilizaram contra o projeto, sob a avaliação de que a mudança turbina o discurso do presidente Jair Bolsonaro. O chefe do Planalto aponta o ICMS como o vilão da alta dos combustíveis.

Na hora da votação, no entanto, a oposição votou "sim", sob a avaliação de que um voto contrário seria alvo de críticas por quem defende a redução de impostos.

O projeto também zera a cobrança de PIS e Cofins sobre o diesel e o gás de cozinha até o fim de 2022 sem compensação fiscal, dispensando a regra exigida pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). / com Agência Estado

Leia mais

Câmara aprova proposta que muda cobrança de ICMS sobre combustíveis por 392 a 71 | Mais Retorno
Governo federal e Petrobras discutem sobre subsídio para combustíveis (maisretorno.com)
Combustíveis: não tem congelamento de preços, afirma Guedes (maisretorno.com)
Preços dos combustíveis: congelamento pode gerar impacto de R$ 200 bi (maisretorno.com)

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!