Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta sexta-feira, 8 de abril

Investidores ficam temerosos sobre um possível aperto ainda mais contracionista do BC para segurar o IPCA

Data de publicação:08/04/2022 às 11:23 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A Bolsa opera em queda no último dia da semana, descolada do ambiente positivo do mercado internacional. Os investidores repercutem o avanço acima do esperado da inflação de março, o que coloca os investidores em posição de cautela por conta dos efeitos disso na política monetária do Banco Central, que pode se tornar ainda mais contracionista.

Às 15h15, o Ibovespa caía 0,46% nesta sexta-feira, 8, aos 118.310 pontos, e o dólar recuava 0,40%, cotado a R$ 4,722. No âmbito das ações, a queda do principal índice da B3 também recebe a influência da desvalorização dos papeis da Vale, em baixa de mais de 2% com o minério de ferro em dia negativo no exterior.

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta sexta-feira, 8 de abril
Inflação de março acima do esperado traz cautela aos investidores no Brasil - Foto: Reprodução

Durante a manhã, o IBGE divulgou que a inflação de março, medida pelo IPCA, avançou 1,62% no período, ante alta de 1,01% em fevereiro. O resultado veio bem acima da projeção dos especialistas, que estimavam uma variação positiva de 1,3%.

Entre os itens que mais impulsionaram a alta do indicador, que atingiu a maior elevação para o mês desde 1994, quando atingiu 42,5%, estão o aumento dos preços da gasolina e dos alimentos.

O avanço da inflação mensal vem de encontro às estimativas dos economistas de um IPCA mais acentuado em 2022.

Segundo o último Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central, a projeção para o indicador deste ano subiu de 6,59% para 6,86%. O objetivo a ser perseguido pelo BC em 2022 é de 3,50%, com tolerância de 2,0% a 5,0%.

Para a CM Capital, em relatório, o movimento inflacionário de março coloca mais pressão sobre o BC para a condução da política monetária.

“Nos últimos documentos oficiais, a instituição apresentou uma postura mais complacente com a inflação, mas, até mesmo para a perspectiva do Copom, os dados correntes são negativos. Essa expectativa foi absorvida pelo mercado no momento da divulgação do IPCA e os juros operam em alta”

CM Capital, em relatório sobre o IPCA de março

Juros futuros

Os juros futuros sobem na manhã desta sexta-feira, pressionados pela disparada do IPCA de março. A alta dos juros dos Treasuries, por sua vez, ajuda na pressão na ponta longa da curva.

Por volta das 15h, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 subia a 12,94%, de 12,78% na abertura do dia. O DI para janeiro de 2025 subia para 11,74%, de 11,61%. O DI para janeiro de 2027 avançava para 11,44%, de 11,30%.

Sobe e desce da Bolsa

Maiores altas

Eletrobras (ELET3)+5,18%
Marfrig (MRFG3) +4,26%
Eletrobras (ELET6) +3,92%
Eneva (ENEV3)+3,78%
Minerva (BEEF3)+2,86%

Maiores baixas

Via (VIIA3)-7,67%
Americanas S.A (AMER3)-6,07%
Magazine Luiza (MGLU3)-5,95%
Méliuz (CASH3)-4,66%
BrMalls (BRML3)-3,75%
Fonte: B3 (dados atualizados ás 15h20)

Mercado internacional

Nova York sem direção única e Europa fecha em alta

No ambiente internacional, as bolsas americanas operam mistas e as europeias fecharam o pregão desta sexta-feira em alta, mesmo com os investidores cautelosos com a guerra da Rússia. Segundo informações da Bloomberg, tropas russas bombardearam uma estação de trem em Donetsk, com civis à espera de serem evacuados.

Na véspera, a Rússia foi suspensa do órgão de direitos humanos da ONU, após sofrer uma série de novas sanções sob a acusação de ter cometido crimes de guerra na Ucrânia.

Nos Estados Unidos, os investidores acompanham as falas do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Raphael Bostic, e da diretora Michelle Bowman, após a autoridade monetária divulgar a ata da reunião do Fomc (Copom americano) com um tom mais duro sobre a condução da política monetária do país.

Bolsas americanas/principais índices

  • S&P 500: +0,09%
  • Dow Jones: +0,71%
  • Nasdaq 100: -0,87% (dados atualizados às 15h21)

Bolsas europeias/fechamento

  • Stoxx 600 (Europa): +1,31% (460,98 pontos)
  • DAX (Frankfurt): +1,46% (14.283 pontos)
  • FTSE 100 (Londres): +1,56% (7.669 pontos)
  • CAC 40 (Paris): +1,34% (6.548 pontos)

Ásia: bolsas fecham em alta

Na Ásia, os mercados fecharam em alta nesta sexta-feira, acompanhando a acompanhando a modesta recuperação de Wall Street no pregão anterior, apesar de preocupações com a perspectiva de aperto monetário nos EUA e com o andamento da guerra na Ucrânia. / com Agência Estado

Fechamento

  • Nikkei (Tóquio): +0,36% (26.985 pontos)
  • Xangai Composto (China continental): +0,47% (3.251 pontos)
  • Hang Seng (Hong Kong): +0,29% (21.872 pontos)
  • Kospi (Seul): +0,17% (2.700 pontos)
  • Taiex (Taiwan): +0,62% (17.284 pontos)
  • Shenzhen Composto (China continental): -0,32% (2.080 pontos)
  • S&P/ASX 200 (Sydney): +0,47% (7.478 pontos)
Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.