Logo Mais Retorno
Economia

Focus: projeção para o IPCA de 2022 sobe de 6,59% para 6,86%

Com falas de Campos Neto, do BC, economistas mantiveram as expectativas da Selic em 13,00% ao ano em 2022

Data de publicação:28/03/2022 às 11:37 -
Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A mediana das projeções para o IPCA, índice de inflação oficial do País, de 2022 completou onze semanas em disparada no Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 28, às 10h, se distanciando do teto da meta pelo segundo ano consecutivo. Para 2023 - foco principal de política monetária - os avanços continuam, também se afastando do alvo central (3,25%).

Com o impacto da disparada de preços de commodities provocada pela guerra na Ucrânia, a projeção para o IPCA de 2022 passou de 6,59% para 6,86%, A estimativa estava em 5,60% um mês antes e em 5,03% há 11 semanas. O objetivo a ser perseguido pelo Banco Central este ano é de 3,50%, com tolerância de 2,0% a 5,0%.

Focus: projeção para o IPCA de 2022 sobe de 6,59% para 6,86%
Inflação segue cada vez mais distante do centro da meta de 2022 de 3,5%, com intervalo de 1,5 ponto porcentual - Foto: Envato

Já a expectativa para o IPCA em 2023 subiu de 3,75% para 3,80%, acima do centro da meta de 3,25% (o intervalo de tolerância vai de 1,75% a 4,75% no próximo ano). A mediana era 3,51% há quatro semanas.

Considerando as alterações nos últimos cinco dias úteis, a mediana do IPCA para 2022 saltou de 6,70% para 7,10%. Para 2023, as alterações feitas nos últimos cinco dias úteis elevaram a estimativa de 3,75% para 3,90%.

A mediana geral para 2024 também subiu, de 3,15% para 3,20%, enquanto a projeção para 2025 continuou em 3,00%. Há quatro semanas, as projeções eram de 3,10% e 3,00%, respectivamente. A meta para 2024 é de 3,00%, com margem de 1,5 ponto porcentual (de 1,5% para 4,5%). Para 2025, por sua vez, a meta ainda não foi definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Na reunião deste mês, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC atualizou suas projeções para a inflação, com estimativas de 7,1% em 2022 e 3,4% em 2023.

Diante da volatilidade no mercado de petróleo causado pelo conflito no Leste Europeu, o colegiado ainda criou um cenário alternativo, com maior probabilidade, no qual as previsões estariam em 6,3% e 3,1%, respectivamente. O colegiado elevou a Selic em 1,0 ponto porcentual, para 11,75% ao ano.

Projeções mensais

Os economistas do mercado financeiro ainda elevaram a previsão para o IPCA em março deste ano de alta de 0,99% para 1,06%, segundo o documento do Banco Central. Um mês antes, o porcentual projetado era de 0,55%.

Para abril, a projeção no Focus passou de alta de 0,88% para 0,91%, de 0,54% há quatro semanas. A estimativa para maio passou de deflação de 0,20% para 0,21%. Há um mês, estava em alta de 0,05%.

A inflação suavizada para os próximos 12 meses passou de alta de 5,73% para 5,76% de uma semana para outra - há um mês, estava em 5,22%.

Selic em 13% ao ano

 Após a publicação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central e das falas do presidente da instituição, Roberto Campos Neto, na semana passada, os economistas do mercado financeiro mantiveram a projeção para a alta da taxa básica de juros neste ano. A estimativa continuou em 13,00% ao ano para o fim de 2022. Há um mês, era de 12,25%.

Considerando apenas as 80 respostas nos últimos cinco dias úteis, a expectativa para a Selic no fim deste ano inclusive aumentou de 13,00% para 13,25%.

O Copom indicou a intenção de novamente elevar a Selic em 1 ponto porcentual em maio, de 11,75% para 12,75%. O colegiado pregou "serenidade" neste momento de grande volatilidade dos preços de commodities provocado pela guerra na Ucrânia.

O BC ponderou que, se os choques sobre commodities se mostrarem mais persistentes ou maiores, "o Comitê estará pronto para ajustar o tamanho do ciclo de aperto monetário".

Na última sexta-feira, Campos Neto afirmou que, mantido o cenário atual, o BC deve encerrar o ciclo de aperto monetário na reunião de maio, com mais 1 ponto porcentual de aumento na Selic, para 12,75%. Entretanto, ele reforçou que a autoridade monetária deixou a porta aberta para um novo aumento de juros em junho, devido às incertezas do cenário.

Já a estimativa do Focus para a taxa Selic no fim de 2023 continuou em 9,00%, ante 8,00% há quatro semanas. Para 2024, permaneceu em 7,50%, ante 7,25% de um mês atrás. Já a previsão para o fim de 2025 continuou em 7,00%, repetindo a taxa de quatro semanas atrás.

PIB a 0,50% em 2022

O Boletim Focus apontou ainda a manutenção na previsão da mediana para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de 2022, em 0,50%. Há um mês, a estimativa era de 0,30%.

Considerando apenas as respostas nos últimos cinco dias úteis, a estimativa para o PIB no fim de 2022 passou de 0,53% para 0,56%. Para 2023, a mediana também continuou em 1,30%, de 1,50% há quatro semanas. Para 2024, a estimativa seguiu em 2,00%, mesma projeção de quatro semanas atrás.

O Boletim Focus ainda trouxe a mediana para 2025, que também continuou em 2,00%. Há um mês, a estimativa de crescimento do PIB em 2025 já era de 2,00%. / com Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!