Logo Mais Retorno
Fundos de Investimentos

Fundos small caps: só 3 fecharam no azul em 2021; veja o resultado dos demais e as perspectivas para este ano

A bolsa está barata e, segundo analistas, isso pode atrair o investidor estrangeiro

Data de publicação:27/01/2022 às 01:10 -
Atualizado 4 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Apenas três fundos small caps dos que compõem a base de levantamento exclusivo do portal Mais Retorno entregaram retorno positivo aos cotistas no ano passado: dois da gestora Trígono Capital e um da Mapfre. Os demais sucumbiram à onda vendedora que varreu e derrubou o mercado de ações em 2021, principalmente no segundo semestre.

Foram considerados todos os fundos small caps, com pelo menos um ano em operação, com número mínimo de 50 cotistas e patrimônio a partir de R$ 17 milhões. Nessas condições, existem 18 fundos no mercado. Todos eles vão elencados na tabela.

FundoPatrimônio R$
em milhões
Rend. 2021
TRÍGONO FLAGSHIP SMALL CAPS 210,359 43,60%
TRÍGONO FLAGSHIP 60 SMALL CAPS 610,189 42,87%
MAPFRE FIA SMALL 49,549 3,36%
4UM SMALL CAPS 406,869 -0,51%
BRADESCO ESTRATÉGIA SMALL CAPS 163,643 -2,05%
BRADESCO MID SMALL CAPS1.419,483 -9,84%
ITAÚ SMALL CAP VALUATION 923,668 -10,06%
ITAÚ SELEÇÕES AÇÕES 86,517 -10,23%
ITAÚ AÇÕES SMALL CAP 18,940 -11,22%
BRADESCO PRIME SMALL CAP 291,973 -12,06%
SAFRA SMALL CAP PB 65,913 -13,06%
SAFRA SMALL CAP 130,139 -14,00%
BANRISUL AÇÕES 172,417 -14,12%
BNP PARIBAS SMALL CAPS 444,667 -15,00%
TREND SMALL CAPS 30,020 -16,37%
FIA CAIXA SMALL CAPS ATIVO 889,447 -17,13%
BRADESCO H FIA SMALL CAPS 47,275 -17,93%
RIO VERDE SMALL CAPS 22,792 -22,88%
Fonte: Mais Retorno

As small caps, em geral mais resilientes, acompanharam o movimento de forte queda geral do mercado de ações na segunda metade do ano, comenta Larissa Perez, analista de Small Caps, Educação e Saúde da XP.

“O ambiente macroeconômico de aumento de riscos, com inflação e juros em alta, redirecionou grande parte dos recursos da renda variável para a renda fixa”, explica Roger Werner, gestor da Trígono, casa especializada em small caps que posicionou dois fundos no topo do ranking.

O cenário de inflação e juros em persistente elevação, agravado pelas incertezas com riscos fiscais e com o furo do teto de gastos, desencadeou vendas de ações que se espraiaram das blue chips para as small caps.

Por que há otimismo para os fundos small caps

O novo ano começa com uma expectativa relativamente mais positiva para o cenário macro que, de acordo com especialistas, pode levar a uma recuperação das ações e dos fundos small caps. O gestor da Trígono não disfarça o otimismo diante de sinais animadores, “como a perspectiva de que os juros caiam mais rapidamente, após o pico de alta, e os estrangeiros reforcem a compra de ações no mercado doméstico”.

Werner chama atenção ainda para o fato de que a bolsa está barata. Ele explica que os gringos chegam, vão inicialmente para as blue chips e, a partir de um olhar mais seletivo, se deslocam para as small caps, que caíram forte, ficaram baratas e tendem a passar por uma recuperação.

Small Caps
Foto: Freepick

“Quase metade, cerca de 45% das small caps na bolsa de valores estão ligadas ao consumo, varejo, construtoras e tecnologia, setores bastante expostos à elevação dos juros”, analisa. “Setores que também fizeram muitos IPOs (oferta inicial de ações, com abertura de capital) recentemente e estão sofrendo com o cenário macro.”

O gestor da Trígono afirma que a carteira de boa parte dos fundos small caps está ancorada nessas ações. O Índice Small Cap (SMLL), medida de referência de desempenho das ações de empresas de pequeno e médio porte na B3, acumulou desvalorização de 16,20% em 2021. O Ibovespa (Índice Bovespa, principal índice da B3) recuou menos, 11,93%.

Enquanto o SMLL é índice representativo de cerca de 45% das ações small caps de quatro setores, “os fundos da Trígono têm só 7% dos recursos nesses setores”, afirma o gestor. Werner declara sua preferência, quase obcecada, por ações de empresas que tenham receitas em dólar ou negócios dirigidos ao exterior.  “Companhias dissociadas até de instabilidade das eleições presidenciais.” As principais apostas estão nos setores de bens de capital, agronegócio, metalurgia e químico.

Foi assim que, mesmo com a queda de 16,20% do SMLL, o Trígono Flagship Small Caps FIC FIA acumulou rentabilidade de 43,60%, o campeão do ranking de 2021.  O vice foi outro fundo da gestora, uma versão com a mesma carteira do campeão, o Trígono Flagship 60 Small Caps FIC FIA, com retorno de 42,87%, que deverá fechar a captação.

Nova versão do mesmo fundo, o Trígono Flagship 90, já está em campo, recebendo captações. A carteira é a mesma dos demais, o que muda é a numeração, que indica o número de dias que o investidor precisa esperar para a conversão das cotas após o pedido de resgate. “É o tempo que o gestor tem para dar liquidez, vender as ações e entregar o dinheiro, até dois dias depois desse período de conversão.”

Faz companhia aos dois fundos da Trígono, no grupo dos que entregaram retorno positivo em 2021, o Mapfre FIA Small, com rendimento de 3,36%.

As perspectivas para 2022, após o ano desalentador que foi 2021, vão depender muito da estratégia do gestor, da exposição setorial e da dinâmica microeconômica, avalia Larissa Perez, analista de small caps da XP.

E nessa linha de dinâmica micro, em que as empresas respondem mais a condições e valores próprios, descoladas do cenário macro, a analista diz ver atratividade em ações de varejo como Grendene (GRND3) e Vulcabrás (VULC3), além de Kepler Weber (KEPL3), que expõe o investidor ao setor de agronegócio, que, apesar do risco climático, “tem uma dinâmica muito específica, já que o consumo não para”.

Uma estratégia interessante, para a analista, é a “diversificação de carteira em vários setores, um portfólio balanceado – com ações do setor agrícola, industrial e varejo, dentre outros - que consiga reduzir o risco pela menor correlação entre os ativos e várias classes de ativos.

Ela lembra também que o mercado de small caps tem uma liquidez mais baixa, o que dificulta a venda de ações rapidamente. “São papeis menos líquidos, por isso o investidor precisa considerar como investimento de mais longo prazo, pelo menos 12 meses”, recomenda a analista da XP.

A rentabilidade negativa dos 15 fundos small caps, dos 18 que compõem a a lista do ranking,  variou entre uma queda de 0,51%, do 4Um Small Caps FIA, e 22,88%, do Rio Verde Small Caps FIA.

O fundo com maior patrimônio, o Bradesco FIA MID Small Caps, com estoque de R$ 1,419 bilhão, entregou um rendimento negativo de 9,84% no ano passado.

Leia mais

Sobre o autor
Tom Morooka
Colaborador do Portal Mais Retorno.