Logo Mais Retorno
Fundos de Investimentos

Após um ano passado difícil, Fundo Verde engata dois meses de alta em 2022

Disparada da inflação e perspectiva de conflito geopolítico estavam no radar do gestor como ameaças

Data de publicação:10/03/2022 às 00:30 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Após amargar perdas em 2021, o fundo Verde FIC FIM deu sinais de que começou 2022 com o pé direito. Pelo menos nos primeiros dois meses. Mesmo que março não esteja sendo muito favorável, o rendimento ainda é positivo no ano em 0,24%.

No ano passado, o fundo gerido pela Verde Asset, do renomado Luis Sthulberg, acumulou rentabilidade negativa de 1,13%, mas virou no início de 2022: rendeu 1,49%, em janeiro, e 1,32%, em fevereiro, o que dá um rendimento acumulado de 2,82% no ano.

Fundo Verde
Luis Stuhlberger, gestor do Fundo Verde | Foto: Reprodução Infomoney

Os primeiros dados de março, contudo, emitem sinais de que o fundo voltou a derrapar, deixando para trás o esboço de recuperação. Até o dia 9 deste mês, o fundo acumula queda de 2,51%, uma performance que faz encolher o desempenho positivo do ano para 0,24%.

Estragos do furo do teto no fundo Verde

O fundo Verde tropeçou, ao longo de 2021, na estratégia de carteira exposta predominantemente em ações, tanto nas bolsas de valores doméstica quanto internacionais, mas principalmente na B3.

A derrapagem foi provocada sobretudo pelas incertezas fiscais criadas pelo drible na lei do teto de gastos, com alteração na PEC dos Precatórios que possibilitou o pagamento parcelado de dívidas do governo e desviou boa parte dos recursos para fundos eleitorais.

Vista como uma manobra fura-teto, a preocupação com o respeito ao equilíbrio das contas públicas pressionou a inflação e levou o Banco Central a acelerar a elevação da Selic. Contribuiu para tornar o cenário mais nebuloso na segunda onda de covid com a chegada da ômicron.

Stuhlberger, gestor do fundo Verde, continua vendo um cenário desafiador para os ativos de risco, como declarou em recente evento promovido pelo BTG Pactual. “Uma das ameaças é a inflação e, no curto prazo, é a geopolítica” – referindo-se ao aumento de tensão global que se materializou, no dia seguinte, com a invasão da Ucrânia pela Rússia.

O conflito confirmou as previsões do gestor. A guerra na Europa levou a uma escalada de preços de commodities, como petróleo e minério de ferro, além de alimentos, agravando as expectativas de inflação global. Um fenômeno que coloca os bancos centrais em um dilema entre aumentar os juros, para conter a inflação, e deixar os juros como estão para não impor uma trava maior à atividade. Sob o risco de empurrar a economia para a estagflação – inflação alta com atividade parada.

O Verde FIC FIM tem 205 cotistas e patrimônio líquido de R$ 1,26 bilhão. O valor mínimo de aplicação inicial é R$ 5 mil, exigido também para a permanência. O fundo cobra taxa de administração de 1,50% ao ano.

Em 83 meses de existência, o Verde FIC FIM proporcionou rendimento positivo em 61 meses e negativo em 22. O maior retorno mensal nesse período foi 8,61% e o menor retorno, 11,46% negativo – por 45 vezes o rendimento rodou acima do benchmark, o CDI, e 38 vezes, abaixo.

AnoRendimento
2019 13,33%
2020 3,94%
2021 -1,13%
2022 0,24% (*)
Fonte: Mais Retorno

(*) Até o dia 9 de março

Conheça melhor o Verde FIC FIM

Para que os investidores conheçam melhor um dos fundos multimercado mais badalados do mercado, Vinícius Rocha, especialista da SVN Investimentos, fez uma análise radiográfica da história do fundo Verde FIC FIM, de sua estratégia e dos ativos em carteira.

Confira o rendimento desde o início de 2021:

Mês/AnoRendimento
Janeiro/2021 0,68%
Fevereiro/2021-0,24%
Março/2021 1,47%
Abril/2021 1,20%
Maio/2021 0,58%
Junho/2021-0,21%
Julho/2021-2,16%
Agosto/2021 0,33%
Setembro/2021-0,12%
Outubro/2021-4,39%
Novembro/2021-0,24%
Dezembro/2021 2,14%
Janeiro/2022 1,49%
Fevereiro/2022 1,32%
Março/2022-2,51% (*)
Fonte: Mais Retorno

(*) Até o dia 9

Embora a gestora Verde Asset tenha sido fundada em 2015, lembra Rocha, o fundo Verde existe desde 1997, criado por Luis Stuhlberger, considerado um dos melhores head funding do País. O fundo acumula 18.666,10% de valorização desde sua criação. Pelos cálculos do especialista, quem tivesse investido R$ 10 mil em 1997 teria hoje o equivalente a R$ 1.866.610,00 ou perto de R$ 1,9 milhão.

O Verde FIC FIM é um fundo que aloca no momento 99,91% do portfólio em outro fundo da asset, o Verde Master FIM, que tem patrimônio superior a R$ 20 bilhões e investe em ativos que vão desde renda fixa até câmbio e juros. É o mesmo produto que serve de espelho ou cópia para tantos outros fundos multimercado, de bancos e gestoras independentes, ofertados no mercado com a marca verde.

O desempenho negativo do fundo no ano passado é o segundo em toda sua história. Rocha afirma que a estratégia de grande exposição em ações em 2021 foi malsucedida, dentre outros fatores, pela implosão do teto de gastos do governo com a PEC dos Precatórios. “A gestora não acreditava na quebra desse teto”, afirma o especialista. E tampouco na escalada dos juros na esteira do temor com o possível desarranjo fiscal.

O especialista diz que aparentemente a gestora mudou a estratégia para 2022, com alocação dos recursos em juros de mercados desenvolvidos. “O fundo Verde já acumula um rendimento de 2,82% no ano, com posições tomadas em juros de países desenvolvidos e ações e inflação (títulos indexados ao IPCA) no Brasil.” Esse resultado não leva em conta a variação do fundo em março que, por enquanto é negativa.

Leia mais

Sobre o autor
Tom Morooka
Colaborador do Portal Mais Retorno.