Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Empresas listadas na bolsa: setor Materiais Básicos

Conheça as empresas listadas na bolsa de valores que pertencem ao setor de materiais básicos no Brasil.

Data de publicação:26/05/2022 às 09:00 -
Atualizado 19 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A indústria de materiais básicos é bastante ampla e, desta forma, representativa para a bolsa de valores do Brasil. A variedade também pode confundir um pouco os iniciantes na renda variável — afinal, cada segmento pode estar exposto a um conjunto de condições econômicas distintas.

No artigo de hoje, vamos apresentar a lista de empresas do setor de materiais básicos da B3, assim como compartilhar alguns dos pontos positivos e dos riscos de investir em empresas desse segmento. Vamos lá!

O que é o setor de materiais básicos?

O setor de materiais básicos reúne, em resumo, empresas que trabalham com matérias-primas. Ou seja, o produto dessas companhias está, na maioria dos casos, ligado diretamente ao preço das suas commodities (mercadorias), que podem ser o minério de ferro, o papel, entre outros.

Dentro da cadeia produtiva, essas organizações podem atuar em diferentes níveis da matéria-prima como a descoberta, o tratamento, o desenvolvimento ou o processamento das suas commodities. Por esse motivo, são companhias essenciais para outras atividades econômicas.

Importante mencionar que, embora também seja um negócio com uma commodity, as petrolíferas não são classificadas como materiais básicos. Há um grupo específico para elas que é de "petróleo, gás e biocombustíveis". Em outro artigo, nós fizemos uma análise completa do setor.

Quais são as empresas do setor de materiais básicos?

Conforme adiantamos, existem diferentes tipos de empresas englobadas como pertencentes ao setor de materiais básicos. Assim, para uma melhor organização do segmento, a B3 costuma dividi-las nos seguintes grupos:

  • Embalagens
  • Madeira e Papel
  • Materiais Diversos
  • Mineração
  • Químicos
  • Siderurgia e Metalurgia

Vamos então conhecer quais são as empresas listadas na bolsa de valores em cada um desses grupos do setor de materiais básicos nas quais você pode investir atualmente.

Embalagens

As empresas de embalagens são responsáveis pela produção de recipientes que serão utilizados por outras companhias para vender seus produtos. Os casos mais comuns são de embalagens de papel ou de metal.

  • Irani Papel e Embalagens (RANI3)
  • Metalgráfica Iguaçu (MTIG3 ou MTIG4)

Madeira e Papel

Um dos grupos relevantes dentro de materiais básicos são as companhias de papel e celulose. Elas são responsáveis, principalmente, pela extração da matéria-prima, permitindo que os itens sejam utilizados para outros tipos de negócios — como as próprias embalagens, que vimos anteriormente.

  • Duratex (DXCO3)
  • Eucatex (EUCA3 ou EUCA4)
  • Klabin (KLBN3, KLBN4 ou KLBN11)
  • Suzano (SUZB3)

Materiais Diversos

O famoso grupo de "outros" reúne empresas de materiais básicos que não se enquadram aos demais segmentos criados pela B3. Atualmente, possui apenas a Sansuy, empresa que trabalha com plásticos.

  • Sansuy (SNSY3, SNSY5 ou SNSY6)

Mineração

Uma das maiores empresas da nossa bolsa de valores é do setor de mineração: a Vale. No entanto, ela não é a única mineradora disponível para investirmos. O segmento tem uma forte relação com o preço do minério de ferro e com a China, que é uma das principais compradoras do Brasil.

  • CSN Mineração (CMIN3)
  • Bradespar (BRAP3 ou BRAP4)*
  • Litel Participações (LTEL3B)
  • MMX Mineração (MMXM3)
  • Vale (VALE3)
  • Aura Minerals (AURA33)**

*Bradespar é uma holding que possui uma participação relevante do seu patrimônio investido na Vale, embora tenha feito uma retirada de capital no final de 2021.

**Aura Minerals é uma empresa canadense listada em bolsa internacional. Você pode investir na companhia pela B3 por meio do BDR AURA33.

Químicos

Os materiais químicos correspondem aos negócios que trabalham com produtos químicos, como fertilizantes, soda ou cloro, por exemplo.

  • Braskem (BRKM3, BRKM5 ou BRKM6)
  • Dexxos Participações (DEXP3 ou DEXP4)
  • Elekeiroz (ELEK3 ou ELEK4)
  • Fertilizantes Heringer (FHER3)
  • NutriPlant (NUTR3)
  • Tronox Pigmentos (CRPG3, CRPG5 ou CRPG6)
  • Unipar (UNIP3, UNIP5 ou UNIP6)

Siderurgia e Metalurgia

Por fim, outro segmento bem representativo entre as companhias de materiais básicos são as siderúrgicas e as metalúrgicas. Aqui estão empresas bem conhecidas dos brasileiros como a CSN ou a Gerdau, por exemplo.

  • CSN (CSNA3)
  • Ferbasa (FESA3 ou FESA4)
  • Gerdau (GGBR3 ou GGBR4)
  • Mangels (MGEL3 ou MGEL4)
  • Metalurgia Gerdau (GOAU3 ou GOAU4)
  • Panatlantica (PATI3 ou PATI4)
  • Paranapanema (PMAM3)
  • Tekno (TKNO3 ou TKNO4)
  • Usiminas (USIM3, USIM5 ou USIM6)

Quais são as vantagens do setor de materiais básicos?

O primeiro ponto positivo do setor de materiais básicos em termos de investimentos está na sua importância para a economia global. Praticamente todos os negócios precisam, em algum nível, do trabalho dessas companhias — seja na construção de uma estrutura física, seja no uso de embalagens para vender os seus produtos, por exemplo.

Outro ponto atrativo é a diversidade de segmentos. Como vimos, existem diversos tipos de matérias-primas dentro desses negócios, de modo que é possível diversificar dentro do mesmo setor. Uma queda do minério de ferro, por exemplo, não representa impacto negativo para as produtoras de papel.

Finalmente, há também um aspecto bem interessante que é o fato da maior parte dessas empresas atuarem como exportadoras. Isso traz uma receita dolarizada que beneficia a nossa carteira, naturalmente concentrada em real, que é uma moeda mais fraca.

Quais são os riscos do setor de material básicos?

Por outro lado, existem riscos bem claros envolvidos para as empresas do setor. E o maior deles é a exposição ao preço das suas commodities. Os resultados de Vale, por exemplo, dependem do preço do minério de ferro. Quando está elevado, o lucro tende a crescer junto. E vice-versa.

Além disso, são negócios que precisam lidar diretamente com os avanços tecnológicos e, no longo prazo, podem ter uma necessidade de adaptação — ou até mesmo substituição. É um risco mais hipotético, mas que não podemos descartar.

Afinal, vale a pena investir no setor de materiais básicos?

Como vimos, há uma boa variedade de negócios dentro das empresas de materiais básicos, de modo que uma análise de investimento não deve ser generalizada. É necessário entender caso a caso, assim como as perspectivas de cada grupo de commodities.

No entanto, de um modo geral, recomendamos que os investidores tenham uma carteira diversificada. E, neste ponto, as empresas de materiais básicos podem sim ser uma opção atrativa, em especial aquelas que possuem uma receita exportadora, algo que garante uma exposição geográfica interessante.

Por fim, na sua tomada de decisão, não deixe de ponderar o impacto dos preços das commodities nos resultados financeiros do negócio. Esse fator, afinal, pode alterar de forma considerável os lucros das companhias, algo que deve se refletir no preço das ações.

LEIA MAIS

Sobre o autor
Stéfano Bozza
Formado em Administração pela PUC-SP. Trabalhou em empresas do segmento financeiro (Itaú BBA) e varejo (BRMALLS) até 2016, quando iniciou a jornada de produção de conteúdo para a internet com foco em finanças.