Open Nav

Onde investir em 2020?

Por:
17/12/2019

Os prognósticos para o ano que vem não poderiam ser melhores: inflação baixa e crescimento de pelo menos 2%.

Entretanto, isso não quer dizer que ele será fácil:

  • No Brasil, apesar do programa de reformas (administrativa e tributária), além das novas concessões e privatizações, ainda existe uma enorme capacidade ociosa na economia;
  • No exterior, um contexto nunca enfrentado antes; um menor crescimento global, decorrente das incertezas ligadas às negociações entre EUA e China, em pleno período eleitoral para a escolha do futuro presidente norte-americano.

Diante desse cenário, a primeira coisa a se fazer é abandonar a ideia do “investimento ideal”. Dito isso, fica definitivamente pra trás a mania de “pular” de uma aplicação para a outra, na expectativa de acertar.

Quando considerados as taxas e os impostos que são deixados ao longo do caminho, até o mais abonado dos investidores corre o risco de terminar o ano com menos do que começou, por conta da falta de uma estratégia que sobreviva às baixas taxas de juros.

Para 2020, o que valerá é a proporção (percentual) que cada uma das alternativas para investir, apresentadas na sequência, terá na sua carteira.

Onde investir: Renda fixa

Renda fixa, ilustração.

Ela continua sendo a principal forma de se preservar o capital.

Excluindo-se a reserva de emergência, que pode continuar em Tesouro Selic 2025, pela segurança e liquidez que oferece, alguns fundos “DI” conseguem um retorno adicional se contarem com um percentual entre 30% e 40% de títulos privados de boa qualidade de crédito.

Fundos de crédito privado, por sua vez, também são indicados, dado que as empresas estão trocando dívidas no exterior, mais “caras”, por outras mais acessíveis, emitidas no mercado local. Quanto mais papéis dentro do fundo, desde que com níveis de risco semelhantes, melhor.

Para quem pretende fazer esse trabalho sozinho, valem as mesmas regras do início do ano: alongar os prazos para obter maior remuneração.

Lembrando das características dos papéis de renda fixa:

  • Emissor: quem capta os recursos;
  • Vencimento: data em que eles serão devolvidos;
  • Taxa de juros: é o retorno para o investidor, sendo ele fixo ou variável (CDI ou IPCA)
  • Rating: a nota de crédito. 

E partindo dos menos para os mais arriscados, temos:

Títulos públicos

Os títulos atrelados à inflação (Tesouro IPCA+ 2035 ou Tesouro IPCA+ 2045) ainda são uma opção para quem pode esperar bastante tempo.  Como vantagem, garantem o poder de compra, juntamente com uma taxa anual em torno de 3,35%.

Títulos privados

São os que contemplam os:

Por serem mais arriscados, devem considerar uma rentabilidade a partir de IPCA + 4%.

Especial atenção deve ser dada ao retorno com base no CDI. Se antes se comprava um título que rendia 110% do CDI, agora deve-se procurar por CDI mais uma taxa fixa. O exemplo abaixo ajuda a entender a diferença.

Para uma taxa de 4,50% ao ano:

  • 110% do CDI = 110 X 0,0450 = 4,95% ao ano;
  • CDI + 1% = (1,0450 X 1,010) – 1 = 0,055 = 5,50% ao ano.

A segunda rentabilidade, além de ser maior, por conta da taxa fixa, ainda indica, de forma mais clara, o grau de risco do papel.

Como Investir nos Melhores Fundos

Onde investir: Fundos imobiliários

Um dos setores que mais cresceu em 2019.

Apesar de permitir que qualquer pessoa possa investir em grandes empreendimentos como lajes corporativas e shopping centers, a verdade é que as cotas desses fundos já se valorizaram bastante.

Dito isso, as oportunidades estão em outros nichos:

  • E-commerce: conforme ele avança no país, cresce a necessidade de galpões logísticos em regiões próximas aos grandes centros;
  • Coworking: espaços compartilhados, precisam de uma estrutura permanente para atender às necessidades temporárias de empresas de variados portes;
  • Residenciais: habitações para estudantes e idosos.

Ainda assim, valem os mesmos cuidados. Fundos monoativos (com um único imóvel) sempre terão maior risco de vacância enquanto os que possuem imóveis alugados para uma única empresa sofrem também o risco de inadimplência.

O mercado imobiliário, por ter uma dinâmica distinta do mercado de capitais, pode eventualmente trazer outros ativos para novos fundos imobiliários por conta de 3 elementos que continuarão presentes nos próximos anos:

  • Muitas propriedades de grande porte, ainda pertencentes a patrimônios familiares, serão “monetizadas” (vendidas para os fundos);
  • A maior participação da indústria de fundos, que já encontra liquidez e mercado suficientes para montar novos fundos de fundos;
  • Os próprios fundos de pensão que, por regulamentação, precisam reestruturar as suas carteiras de imóveis.

Onde investir: Multimercados

Multimercados, ilustração.

São os fundos com a maior flexibilidade para ganhar em qualquer contexto, sem dizer que servem como instrumento para a diversificação para a sua carteira na hora de investir. Eles são os únicos que podem investir, ao mesmo tempo, em renda fixa e variável, seja no Brasil ou no exterior.

Entretanto, são bem diferentes entre si, com variados graus de volatilidade (o quanto a cota oscila) e prazos para resgates. Entre as estratégias mais comuns estão:

  • Arbitragem: reduz o risco dos ativos por meio de derivativos, gerando um retorno não correlacionado com o desempenho da economia;
  • Long short: mediante a combinação de posições compradas e vendidas, explora distorções entre ativos semelhantes (como a diferença de preço entre empresa controladora e controlada ou entre ação preferencial e ordinária);
  • Long biased: carteira com foco no longo prazo, se beneficia de algumas operações oportunas de curto prazo.

Onde investir: Renda variável

Renda variável, ilustração

Uma das grandes apostas para 2020, visto que as empresas, com estruturas menores, lucram mais com o crescimento econômico. A redução dos juros também faz a sua parte, diminuindo o endividamento delas.

Se o intuito for buscar o potencial de crescimento da economia brasileira para poder investir, a forma mais simples de se fazer isso é investindo em um ETF do índice Bovespa. Não existe meio mais acessível, barato e diversificado de colocar a renda variável em uma pequena parcela da carteira.

Para ganhos maiores na hora de investir, mesmo que não haja a disponibilidade para se acompanhar diretamente as empresas, existem os fundos de gestão ativa com várias teses de investimento. Os fundos de ações, sozinhos, ficaram com aproximadamente metade das ofertas de ações do ano que está terminando.

Escolher um deles não é difícil. Basta ler os relatórios de gestão (ao invés da tabela de retorno, já que a rentabilidade passada de um fundo não garante o seu desempenho no futuro). É ali onde estão a estratégia e todas as demais informações, inclusive os prazos para os resgates. Muita gente não sabe, mas eles variam de um fundo para outro.

Quem espera por novas operações (follow-on ou IPO) para entrar diretamente na bolsa também encontrará opções, quando considerados os números de 2019. Em um período de 10 meses (janeiro a outubro), nada menos do que R$ 71,3 bilhões foram levantados por meio de ofertas na B3.

Para o próximo ano, os setores mais promissores são:

  • Consumo: empresas de médio porte, dado que as maiores já passaram por esse processo;
  • Estatais: conforme o andamento das privatizações, com destaque para as companhias de saneamento, detidas pelos Estados.

Apesar das perspectivas, o investidor precisará de mais cuidado para não errar a mão: se ele perder na bolsa, vai esperar muito mais tempo para recuperar o prejuízo caso volte aos juros baixos da renda fixa. Se no passado essa espera era de meses, agora a conta é de vários anos.

Onde investir: investimentos internacionais

Investimentos internacionais, ilustração

Recentemente, foi postado um artigo sobre as principais formas de se acessar o mercado internacional.

Elas continuam válidas para o ano que vem e oferecem excelentes alternativas para quem quer aumentar o grau de diversificação da carteira ou deseja investir em setores não representados na B3 (como o farmacêutico, por exemplo).

Adicionalmente, algumas empresas brasileiras têm optado por se listarem em bolsas no exterior. Essa seria a oportunidade para o investidor local participar do crescimento delas.

Onde investir: investimentos alternativos

Investimentos alternativos, ilustração

Compostos pelos fundos de private equity, de incorporação imobiliária, de participações e de empresas com restrições de crédito, eles são, por enquanto, um mercado restrito no Brasil. Para quem deseja se familiarizar com o tema, sugiro esse artigo.

O mesmo pode ser dito sobre as moedas e os ativos virtuais. Como não há uma regulamentação para ambos no país, só são permitidos os que são registrados em jurisdições que contam com um mínimo de segurança para os investidores (como a Suíça, por exemplo).

Conclusão

Toda carteira de investimentos precisa ser revista, pelo menos uma vez por ano, para verificar se ainda:

  • Se encaixa no contexto econômico;
  • Atende às necessidades do investidor.

Uma vez passadas as festas de fim de ano, esse é o melhor momento para se avaliar a necessidade de ajustes.

Como pode-se ver, não existe uma única alternativa. O melhor investimento para 2020 é aquele cujas proporções irá gerar o que todo mundo sempre procura: liquidez, diversificação e rentabilidade.

Para quem tem poucos recursos, os fundos de fundos ou os multimercados de baixa volatilidade permitem investir em grandes casas de gestão, sem a necessidade de altos valores de aporte.

Já para quem vai selecionar os seus próprios fundos, é preciso ter em mente que todos eles contemplarão mais riscos, seja porque:

  1. Existe uma quantidade maior de títulos privados no mercado;
  2. Empresas menos conhecidas emitirão ações;
  3. O cenário externo apresenta o seu próprio contexto de cautela.

Por fim, mesmo que não seja o mais recomendável, ainda existe a possibilidade de se fazer tudo sozinho. Para quem vai se aventurar, algumas dicas finais:

  • Maior atenção aos riscos que uma empresa pode se sujeitar;
  • Maior conhecimento sobre o que pode surgir no mercado imobiliário;
  • Monitoramento mais próximo do pulso da economia.

Não se engane:

“Decisões baseadas em emoções não são decisões.  São instintos.”

House of Cards
Como Investir nos Melhores Fundos

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Leia também:

Sobre o autor

  • Nohad Harati
  • Possui MBA em Finanças e LLM em Direito do Mercado Financeiro (ambos pelo Insper/SP). É gestora de uma carteira proprietária, além de ser responsável por um Family Office.

Deixe seu comentário aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


2 Comentários

  • Avatar Marcos Antonio de Menezes Freitas disse:

    Excelente. Nohad Harati parabéns pela clareza e objetividade das informações. Gostaria muito de uma opinião sua. Tenho 71 anos, possuo um saldo de pouco mais de 123 K na Previdencia do Santander/Zurich (FGB), oriundo do Banco Sudameris onde trabalhei. Recebi uma carta deles, convidando compulsoriamente para resgatar o fundo até 10/01/2020 ou, fazer a portabilidade para outro produto, pois com as mudanças de mercado inviabiliza manter esse investimento. Sei que a remuneração de 6% aa + IPCA não vou encontrar. Mas, será que não há uma proteção para o investidor nestes casos. Sempre fiz resgates esporádicos de acordo com as minhas necessidades. Você acha que está dentro da lei? Por que não fizeram isso antes, pois saí do banco em 2004. Obrigado e um abraço.

    • Nohad Harati Nohad Harati disse:

      Olá Marcos,

      Sacar o montante acumulado é uma opção que está se tornando cada vez mais comum. Não se trata de uma medida ilegal, mas de uma alternativa para se adequar aos novos tempos, onde as pessoas estão vivendo mais e os juros são bem menores.

      Os fundos de previdência, quando não encontram investimentos que remunerem adequadamente as suas reservas, precisam de um mínimo de flexibilidade para que os seus passivos (compromissos com os seus cotistas) não aumentem de forma desproporcional no futuro.

      Para quem recebe os recursos de volta, essa é a chance de decidir o que fazer, inclusive seguindo as dicas, bastante úteis, que são postadas com regularidade aqui no site do Mais Retorno (https://maisretorno.com/blog/todos-artigos).

      Se informe e veja o que se encaixa melhor na sua personalidade e contexto. O mercado financeiro brasileiro nunca ofereceu tantas oportunidades ao investidor. Esse é um excelente momento para se beneficiar disso.

      Eu, juntamente com a equipe do Mais Retorno, lhe desejamos um feliz ano novo!

Deixe seu e-mail e receba conteúdos antes de todo mundo.

100.000 investidores já fizeram isso!