Mercado Financeiro

Para se proteger dos riscos locais, como o fiscal e o político, os brasileiros estão cada vez mais em busca de investir em ativos internacionais. Segundo um levantamento feito pela plataforma Stake, além das big techs – tradicionalmente entre as mais populares no País – em agosto os investidores buscaram empresas da área de saúde, do mercado financeiro e de criptomoedas.

Foto: Michael Holaham/Divulgação
Papéis da indústria farmacêutica Moderna foi um dos mais negociados pelos brasileiros no exterior em agosto, segundo Stake - Foto: Michael Holaham/Divulgação

Uma das companhias que estreiam no ranking, ainda que nas últimas posições, mas que chama a atenção é a farmacêutica Moderna, que é responsável pela fabricação de uma das vacinas contra a covid-19 disponíveis no país.

Apesar de não ter o imunizante disponibilizado para o mercado brasileiro, o que chamou a atenção dos investidores aqui em relação à Moderna foi o crescimento vertiginoso da empresa neste ano – até agora de 140%.  “Essa expansão da farmacêutica foi bem acima do esperado”, afirma a estrategista de ações da XP, Jennie Li.

Segundo ela, a companhia vinha contabilizando prejuízos, porém conseguiu virar o jogo ao ter sua primeira vacina - para a covid-19 – aprovado pelo FDA (a Anvisa americana).

“A Moderna também tem potencial de receber um sinal verde do governo americano para fazer parte da nova leva de imunizações contra a covid. Além disso, a chance de a vacina da covid se tornar regular é grande, o que potencializa ainda mais as ações da empresa”, ressalta Araujo.

Outro fato que reforça o interesse é que a empresa segue na expectativa de ser incluída na nova fase de vacinação, referente à terceira dose, nos Estados Unidos, de acordo com Vinicius Araujo, analista internacional da XP. Por enquanto, somente o imunizante da Pfizer recebeu essa aprovação.

Dados

Outra companhia que foi bastante negociada pelos brasileiros foi a Palantir, startup americana do setor de dados que ficou conhecida por ajudar o governo do país a capturar o líder da Al-Qaeda, Osama Bin Laden.

Listada na bolsa de Nova York desde outubro do ano passado, a empresa, fundada por Alex Karp em 2004, se tornou especialista em soluções para governos.

Com um valor de mercado próximo a US$ 22 bilhões, a empresa despertou o interesse dos brasileiros, segundo analistas, por conta do momento em que os EUA viveram com a retirada de suas tropas do Afeganistão.

Durante o trimestre passado, a empresa recebeu um pedido da National Nuclear Security Administration (NNSA), agência semiautônoma do Departamento de Energia dos Estados Unidos para reforçar a segurança nacional do país por meio de aplicação militar da ciência nuclear.

Em um contrato de cinco anos, a Palantir irá fornecer uma plataforma para gerenciamento de informação e tomada de decisão com base em dados.

Ações meme

Outra presença inusitada no ranking de ações internacionais da Stake é a Robin Hood. A plataforma de ações e criptomoedas com base nos EUA fez seu IPO (abertura de capital) avaliado em US$ 40 bilhões no final de julho e sua volatilidade inicial atraiu muitos investidores.

“Se pudermos fazer uma analogia, o Reddit (fórum de discussão) se tornou o ‘pai’ das ações meme e a Robin Hood, a ‘mãe’. É pelo fórum que os investidores de varejo combinam a compra de ações, e é pela corretora que eles efetivam as aquisições”, avalia o analista internacional da XP.

Araujo destaca que, a exemplo de casos como a AMC – que também marca presença na lista de empresas mais negociadas pelos brasileiros lá fora – e a GameStop, a própria Robin Hood se tornou uma ação meme. “Após o IPO da companhia, que ocorreu no início de agosto, as ações subiram 80% poucos dias depois. E depois caíram”.

Criptomoedas

Em destaque no mundo, as criptomoedas viraram um dos temas preferidos dos investidores por conta dos ganhos expressivos obtidos por quem apostou nesse ativo nos últimos anos.

A empresa americana de mineração de bitcoins Bit Digital ocupou o último lugar na lista, mas já demonstra a busca dos investidores em apostar em um mercado com mais risco.

“O mercado de bitcoin é um ativo que está em alta, apesar da forte volatilidade. Porém, as remunerações foram expressivas, o que está chamando a atenção dos brasileiros na busca por diversificar seus ativos”, analisa Jennie.

As ‘queridinhas’

Segundo Rodrigo Lima, analista de investimentos e editor de conteúdo da Stake, as “queridinhas” dos brasileiros – as big techs – permanecem no topo das ações mais negociadas.

Ele destaca a mudança de posição da Tesla, que após perder algumas posições no ranking do mês passado, voltou a ocupar o topo, “mesmo que seu desempenho deste ano não corresponda ao de 2020”.

“Os investidores continuam confiantes na visão tanto da empresa quanto de Elon Musk. A apresentação do robô humanoide da empresa no final do mês passado pode ter ajudado a contribuir para essa disparada no interesse dos brasileiros pela empresa”, enfatiza Lima.

Pulando para a terceira posição, o analista da Stake destaca que a empresa de tecnologia Nvidia ganhou mais destaque em agosto à medida que a escassez global de semicondutores continua e a mineração de criptomoedas cresce.

Oferecendo um produto de alta demanda e com restrições de oferta, o índice de semicondutores subiu 25% em 2021 e, com ele, a Nvidia valorizou 71% este ano, de acordo com os dados fornecidos por Araujo.

“A procura por produtos da Nvidia pelos mineradores de criptografia é tão grande que a empresa teve que limitar o fornecimento alocado para atividades de criptografia. Esse fato também levou ao aumento do preço das ações”, destacou.

Imagem do autor

Repórter do Portal Mais Retorno.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja mais Ver mais