Logo Mais Retorno
Empresa

Petrobras divulga balanço na quarta-feira; saiba por que o papel é recomendado por bancos para 2022

Alta no preço do petróleo é um dos motivos que levam os analistas do banco a apostar nos papéis da companhia

Data de publicação:21/02/2022 às 00:30 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A Petrobras promete ser um ativo interessante para os investidores em 2022, segundo avaliação do Bank of America (BofA). A empresa divulga seus balanços na 4ª feira, 23, e de acordo com relatório do banco americano sobre a petroleira, entre os pontos principais dessa tese estão a distribuição trimestral de dividendos regulares e o reflexo da alta do preço do petróleo no mercado internacional.

Tanto que o banco manteve sua recomendação de compra dos papéis da companhia, elevando o preço alvo de R$ 40,50 por ação para R$ 46,50.

Petrobras pode trazer bons proventos para o bolso do investidor em 2022, aponta o BofA
Para o BofA, a Petrobras deve começar a pagar dividendos regulares no próximo trimestre - Foto: Arquivo

“Reiteramos nossa recomendação de compra dos papéis da Petrobras, dado o forte cenário do preço do petróleo e a avaliação ainda atraente, apesar do aumento de 42% nas ações nos últimos três meses”, ressalta o BofA.

Outro ponto de atenção mencionado pelos especialistas do banco são a política energética após a eleição presidencial – especialmente sobre o preço da gasolina e do diesel – e a retórica dos candidatos durante a campanha eleitoral.

“A incerteza relacionada à política energética brasileira certamente será mais proeminente durante a campanha que antecede a eleição presidencial de 22 de outubro. O preço da gasolina e do diesel tem sido um alvo fácil para propostas políticas e neste ano não deve ser diferente”

BofA, em relatório sobre a Petrobras

Expectativas sobre os resultados do 4º trimestre de 2021

A Petrobras deve trazer bons números no balanço do 4º trimestre de 2021, acima do trimestre anterior, segundo o banco. Serão conhecidos também os números finais do ano.

“Esperamos um Ebtida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de US$ 12 bilhões, impulsionados pelo aumento de mais de 8% no preço do petróleo tipo Brent na comparação trimestral e pela recuperação dos volumes. Acreditamos, porém, que o aumento do custo de matéria-prima deve trazer algum impacto no resultado”, avalia.

BofA

Outro aspecto destacado pelo BofA é que o real mais fraco também exerça algum efeito negativo no balanço. Porém, o lucro líquido deve ser impactado positivamente com os movimentos de desinvestimento feito pela companhia, incluindo os ganhos na venda da refinaria RLAM.

Dividendos regulares a partir do 2º trimestre

Apesar dos riscos, o BofA aposta que a Petrobras fará uma boa entrega de proventos em 2022, por meio da distribuição de dividendos trimestrais regulares.

“A partir do segundo trimestre de 2022, esperamos que a Petrobras comece a pagar dividendos trimestrais regulares de acordo com sua política de dividendos de 60% do fluxo de caixa”.

Para os analistas do banco, no entanto, a busca de soluções para a questão do preço dos combustíveis – incluindo alterações fiscais, entre outras – podem limitar os riscos.

“Além disso, o FCF expressivo (Fluxo de Caixa de Financiamento, na sigla em inglês) e a distribuição de dividendos deve ajudar a apoiar a boa avaliação da empresa. Mas o risco Brasil deve continuar sendo um desafio em um ambiente de taxas de juros crescentes e tensões geopolíticas”, aponta o BofA.

Por que o BofA aposta nas ações da Petrobras em 2022?

  • Elevação do preço alvo das ações da companhia de R$ 40,50 por ação para R$ 46,50 por ação.
  • Distribuição de dividendos trimestrais regulares a partir do 2º trimestre, segundo sua política de distribuição de 60% dos lucros.
  • Manutenção da recomendação de compra, impulsionada pela forte alta do preço do petróleo e avaliação atratente. Apesar disso, o risco Brasil permanece.
Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.