Empresa

O nome de Roberto Castello Branco, atual presidente da Petrobrás, volta à ser comentado na Vale (VALE3), após um grupo de acionistas decidir incluí-lo numa lista com quatro indicações alternativas para compor o conselho de administração da mineradora.

Roberto Castello Branco é indicado para o conselho da Vale
O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, indicado para o conselho da Vale - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A história é contada pela agência 'Reuters', que explica que, além de Roberto Castello Branco, que está de saída após o presidente Jair Bolsonaro ter dito que nomeará o general da reserva Joaquim Silva e Luna para o comando da petroleira, foram indicados também Marcelo Gasparino da Silva, Mauro Gentile Rodrigues Cunha e Rachel de Oliveira Maia.

“Juntamente com alguns dos nomes oferecidos pela administração, estamos convencidos que serão capazes de energizar o Conselho de Administração da Vale para que ele possa de fato contribuir para superar os desafios que a empresa tem pela frente”, afirmaram, segundo a Reuters, os acionistas, em carta, divulgada na noite de segunda-feira 15.

A Vale já tem convocado uma assembleia de acionistas no dia 30 de abril para deliberações sobre a formação do novo conselho.

Economista, com formação em Chicago, Roberto Castello Branco foi indicado à presidência da Petrobrás em 2019 pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Recentemente, ele foi criticado por Bolsonaro pela política de preços flutuantes adotada pela companhia, política estabelecida na gestão de Pedro Parente, que ocupou a chefia da estatal na primeira parte do governo de Michel Temer - ele foi subsituído por Ivan Monteiro após a greve dos caminhoneiros, em maio de 2018.

Castello Branco já foi diretor e economista-chefe da Vale e já teve passagens pelo Banco Central, quando ocupou a diretoria da instituição.

Conselho aprovou reeleição de presidente

Ontem, no final do dia, empresa comunicou que o conselho de administração aprovou a reeleição do diretor-presidente, Eduardo Bartolomeu, e demais membros que integram a diretoria -executiva da companhia. O mandato dos diretores é de três anos.

As duas alterações na estrutura acontecenram com a promoção do até então diretor jurídico, Alexandre D'Ambrosio, que passa a exercer o cargo de diretor executivo jurídico, e da então diretora de pessoas Marina Barrenne, que também passa a integrar a time de diretores executivos.

Maria Luiza de Oliveira Pinto e Paiva foi eleita para o cargo de diretora executiva de sustentabilidade.

Imagem do autor

Editor-chefe do Portal Mais Retorno.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Visualizar Comentários

Empresa
Economia
Economia
Empresa