Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Mercado estará atento ao PIB de 2021 e de olho nos avanços da guerra lá fora

Dólar tem testado o suporte de R$ 5, mas pode atingir cotação de quilíbrio a R$ 4,80, segundo analistas

Data de publicação:04/03/2022 às 00:30 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Com cautela. É com essa postura que, de acordo com especialistas, o mercado financeiro tende a tocar os negócios desta sexta-feira, 4, e encerrar a semana encurtada pelo feriado de carnaval. Lá fora, os futuros americanos operam em baixa, assim como as bolsas europeias.

Investidores e gestores continuam ligados a notícias sobre a guerra entre a Rússia e a Ucrânia. Principalmente às negociações diplomáticas entre Rússia e Ucrânia para tentar um cessar-fogo no conflito do Leste Europeu.

Mercado
Falta de definição sobre negociações entre Rússia e Ucrânia deprimiu o mercado - Foto: Reprodução

As últimas informações dão conta de que, após os bombeiros conterem o fogo que se alastrou em parte da usina nuclear de Zaporizhzhia, na Ucrânia - que foi bombardeada por tropas russas no início da madrugada - autoridades do país confirmaram que a força militar de Moscou assumiu o controle do local.

Apesar de cidades estratégicas estarem sob cerco russo e embates continuarem ocorrendo pelo país, o nono dia de conflito começou com uma redução de tensões, após o incidente não ter evoluído para uma catástrofe nuclear.

Segundo reportagem do The New York Times, ao todo, cerca de 20 países - incluindo membros da Otan e da União Europeia - estão enviando armas para a Ucrânia para o combate e armar uma insurgência, caso a guerra chegue a esse ponto. Para Moscou, isso pode ser visto como uma intervenção delicada, o que pode elevar o risco do conflito se espalhar além do território ucraniano.

Futuros/bolsas americanas

  • S&P 500: -0,81%
  • Dow Jones: -0,81%
  • Nasdaq 100: -0,84% (dados atualizados às 7h07)

Bolsas europeias/principais praças financeiras

  • Stoxx 600 (Europa): -2,66%
  • FTSE 100 (Londres): - 2,90%
  • DAX (Frankfurt): - 3,20%
  • CAC 40 (Paris): -3,31% (dados atualizados às 7h07)

Cenário interno: IBGE divulga dados do PIB

A falta de sinais de evolução na tentativa de uma busca de trégua entre a Rússia e a Ucrânia deprimiu o mercado de ações na hora final do pregão na véspera. Após subir 0,63% no melhor momento dos negócios, o Ibovespa da B3 voltou quase à estaca zero. Fechou o pregão em 115.166 pontos, praticamente estável, influenciado também pela queda das bolsas americanas.

O cenário internacional continua como foco principal dos mercados, mas a atenção nesta sexta-feira estará dividida entre dois eventos que poderão influenciar o ânimo dos investidores. Um doméstico e outro externo.

Por aqui, o IBGE divulga os dados do PIB que mostrarão como se comportou a economia brasileira no trimestre final de 2021. Números que, para analistas, tendem a indicar o ritmo com que a atividade chegou ao novo ano, em um cenário de inflação e juros em persistente elevação.

Nos Estados Unidos, o Departamento do Trabalho divulga os dados sobre a taxa de desemprego em fevereiro. Números que podem acirrar as especulações em torno da política monetária americana no mês que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) dá a largada ao processo de elevação dos juros de curto prazo, as taxas do Fed funds, similar à Selic.

Queda do dólar é destaque no mercado

Em meio à tensão geopolítica e ao cenário crescente de incertezas, sobretudo pela adoção de sanções econômicas mais agressivas pelos EUA contra a Rússia, o dólar permanece sem sustentação, em contínua queda no mercado doméstico.

Testando a cada dia o suporte de R$ 5, o dólar fechou cotado por R$ 5,03, com desvalorização de 1,55%. Para alguns analistas, nessa toada o dólar poderia chegar à cotação de equilíbrio estimada ao redor de R$ 4,80, diante da enxurrada de capital estrangeiro que tem aportado no País.

Investidores de fora têm ingressado dólares para a compra de ações, principalmente de empresas exportadoras de commodities, como petróleo e minério de ferro, e também dos grandes bancos.

Não é apenas a bolsa de valores que atrai. Os estrangeiros miram também a renda fixa, que remunera com taxas de juro em torno da Selic de 10,75%, comparados com juros que beiram zero nos principais mercados financeiros globais. O juro do Fed funds, equivalente à Selic, está perto de zero e pode subir para 0,25% ao ano em março, segundo apontou o presidente americano, Joe Biden.

Bolsas asiáticas fecham em queda nesta sexta-feira

As bolsas asiáticas fecharam em baixa generalizada nesta sexta-feira, 4, após o bombardeio da usina nuclear na Ucrânia pela Rússia. / com Júlia Zillig e Agência Estado

Bolsas asiáticas/fechamento

Nikkei (Tóquio): -2,23% (25.985 pontos)
Hang Seng (Hong Kong): -2,50% (21.905 pontos)
Kospi (Seul): - 1,22% (2.713 pontos)
Taiex (Taiwan): -1,10% (17.736 pontos)
Xangai Composto (China continental): -0,96% (3.446 pontos)
Shenzhen Composto (China continental): -1,.28% (2.264 pontos)
S&P/ASX 200 (Sydney): -0,57% (7.110 pontos)

Sobre o autor
Tom Morooka
Colaborador do Portal Mais Retorno.