Logo Mais Retorno
Empresa

Carrefour reporta lucro líquido ajustado de R$ 766 milhões no 4º trimestre de 2021, queda de 13,5%

Em 2021, o lucro líquido ajustado da rede totalizou R$ 2,4 bilhões, queda de 13% em relação a 2020

Data de publicação:16/02/2022 às 09:06 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O Carrefour reportou lucro líquido ajustado de R$ 766 milhões no 4º trimestre de 2021, queda de 13,5% em relação ao mesmo período de 2020, segundo balanço divulgado ao mercado na noite anterior, após o fechamento do pregão da Bolsa.

O Ebtida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado somou R$ 1,757 bilhão, alta de 1,4% na comparação anual.

Carrefour reporta lucro líquido ajustado de R$ 766 milhões no 4º trimestre de 2021, queda de 13,5%
Carrefour fecha 2021 com um lucro líquido ajustado 13% menor - Foto: Reprodução

Dentre as razões para a queda do lucro líquido, a companhia elenca o "impacto do aumento das despesas financeiras (maior nível de endividamento e taxas de juros)". Em 2021, o lucro líquido ajustado totalizou R$ 2,4 bilhões, queda de 13% em relação a 2020.

Atacarejo e serviços financeiros

Na linha do Ebitda ajustado, a empresa afirma que o resultado se deveu à combinação do bom desempenho das lojas do Atacadão e da continuidade da tendência de recuperação do Banco Carrefour.

"Isso mais do que compensou o desempenho da divisão Varejo, que foi negativamente impactada pelo segmento não alimentar", escreveu a companhia em seu documento de balanço.

 A divisão melhorou a tendência dos trimestres anteriores, com alta de 1,5% no faturamento do segmento alimentar. No entanto, o segmento não alimentício teve queda de 23%. Assim, houve queda de 3,4% nas vendas brutas totais do varejo, o que puxou o resultado consolidado da companhia para baixo.

Vendas no e-commerce decepcionam

Para o diretor presidente financeiro do Grupo Carrefour Brasil, David Murciano, a evolução das vendas do segmento não-alimentar no e-commerce foi "uma decepção".

"Temos de avançar muito mais. No segmento alimentar temos um crescimento muito grande (146,5% de alta no GMV no quarto trimestre, ante o mesmo período de 2020) O não alimentar tem de acompanhar. Ele é parte do ecossistema e é muito importante porque o cliente quer o todo. É também uma oportunidade de entregar os produtos do banco".

David Murciano, diretor presidente financeiro do Carrefour

Murciano deixa claro que o grupo não pretende abandonar a categoria e que vê vantagens em continuar com produtos não alimentares tanto no digital como no comércio físico, na proposta dos hipermercados. / com Agência Estado

Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.