Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Bolsa sobe 0,20%, em dia de volatilidade, dólar cai 0,64%

Petrobras deram sustentação ao Ibovespa e Natura foi a maior alta do dia

Data de publicação:09/02/2022 às 19:00 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A Bolsa de Valores, a B3, fechou com discreta alta de 0,20% aos 112.461pontos, em dia que foi anunciada a inflação oficial de janeiro, de 0,54%, bem dentro das estimativas do mercado, dia que saiu mais um balanço de banco, do Bradesco, que não agradou o mercado, e de nova alta de Petrobras. O dólar fechou em queda de 0,64%, cotado a R$ 5,227.

Em pregão de perdas e ganhos, o ponto mais negativo para a Bolsa foi a divulgação do balanço do quarto trimestre de 2021 do Bradesco (BBDC4) . Embora o lucro do trimestre tenha sido de R$ 6,6 bilhões, e no ano tenha batido recorde, de R$ 26 bilhões, com alta de 35% em relação a 2020, o mercado não gostou do que viu nas entrelinhas sobre o aumento das provisões feitas para devedores duvidosos, o que reduziu o lucro do banco.

bolsa
Queda nos papéis de bancos afetou os negócios na Bolsa - Foto: Reprodução

Os papeis do banco fecharam com a maior queda do dia, de 8,58%, arrastando as ações de outros bancos: as do Itaú (ITUB4) caíram 3,98%, e as do Santander ( SANB11), 2,13%.

Na ponta positiva, Petrobras deu sustentação ao mercado, registrando uma valorização de 0,38% no encerramento dos negócios, embora a alta tenha sido mais expressiva durante o dia. A maior alta ficou com os papeis da Natura, que subiram 7,1%.

Pela manhã, o IBGE divulgou a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do País, de 0,54% em janeiro, dentro do que esperava o mercado. Porém, no acumulado de 12 meses, a inflação segue acima dos dois dígitos – 10,38% - e no resultado mensal foi a maior alta para o indicador desde 2016, quando registrou 1,27%.

Rachel de Sá, chefe de economia da Rico Investimentos, aponta que os preços seguem subindo de maneira acelerada, como refletido no índice de difusão, em 67% no mês, sinalizando relevante presença da inflação na economia. “O movimento de alta de preços corrói o poder de compra das famílias e aumenta a incerteza na economia como um todo – de consumidores, à investidores e empresários”.

Ela chama a atenção ainda para a defasagem do preço dos combustíveis com influência na retração do IPCA. “Dada a recente alta de preços de petróleo no mercado internacional, os preços de gasolina que vemos hoje na bomba estão hoje defasados em aproximadamente 16% - ou seja, esperamos mais altas em breve.?

A elevação da inflação pode levar o Banco Central a atuar de forma mais incisiva no aumento dos juros, segundo Pietra Guerra, especialista em ações da Clear Corretora. “Isso ficou claro na ata da última reunião do Copom, na qual o BC reforçou a perspectiva de que o aperto monetário, ou seja, o ciclo de alta de juros, deve continuar para fazer frente a essa inflação acelerada e contribuir para a convergência do índice para a meta”.

Para a economista da Rico, a expectativa é de que a Selic ultrapasse o patamar de 11,75% ao ano esperados até então. “Mas vamos aguardar a divulgação de novos dados para calibrar nossa projeção”.

Sobre o autor
Regina Pitoscia
Editora do Portal Mais Retorno.