Logo Mais Retorno

Siga nossas redes

  • Instagram Mais Retorno
  • Youtube Mais Retorno
  • Twitter Mais Retorno
  • Facebook Mais Retorno
  • Tiktok Mais Retorno
  • Linkedin Mais Retorno
Bolsa
Renda Variável

B3 lança plataforma para negociação de ativos digitais

Sistema utiliza tecnologia blockchain e vai ampliar a eficiência e a segurança na negociação de ativos digitais

Data de publicação:28/06/2023 às 08:00 -
Atualizado 8 meses atrás
Compartilhe:

A bolsa do Brasil, a B3, lançou esta semana uma plataforma que permite a emissão, o registro e a negociação de ativos tokenizados. O sistema utiliza tecnologia blockchain, o que aumenta a segurança e a eficiência na transferência de ativos digitais.

A iniciativa, que vem para atender a uma demanda crescente do mercado na busca de exposição segura ao setor, já nasce com a primeira tokenização de ativo regulado. Tokens representativos de debêntures foram emitidos por uma instituição financeira no novo ambiente da B3 e transferidas para carteiras digitais de outras instituições financeiras.

capital estrangeiro notas escriturais
Sistema foi iniciado com emissão e tranferência de debêntures para a carteira de outras instituições - Foto: Divulgação

Segundo a Bolsa, a plataforma para ativos digitais reforça a estratégia da B3 de evolução contínua em seu negócio principal, trazendo inovações que beneficiem seus clientes e contribuam para o desenvolvimento do mercado.

“A B3 oferece uma plataforma completa, com tecnologia de ponta e segurança, para facilitar a negociação de ativos tokenizados de forma ágil e transparente, permitindo que todos os tipos de investidores possam ampliar as possibilidades de diversificação de suas carteiras”, afirma Humberto Costa, superintendente de Novos Negócios da B3.

Sobre o primeiro ativo regulado que foi tokenizado, o executivo explica que as debêntures foram digitalizadas e disponibilizadas em uma rede blockchain. Para garantir a solidez à operação, o ativo foi mantido na depositária de renda fixa, seguindo o arcabouço regulatório vigente, e replicado para a nova tecnologia.

O superintendente da B3 ressalta que a companhia já tem outros projetos semelhantes em andamento, que devem ser oferecidos aos clientes em breve. “Outros ativos negociados que passam pela depositária da B3, local onde estão armazenadas as informações de um papel, como titularidade e o histórico, poderão ser tokenizados”, afirma

Entenda mais sobre o blockchain

Blockchain é um sistema de tecnologia que, baseado na distribuição de blocos de informação entre milhares de usuários da internet, armazena transações realizadas online.

Se em Português o blockchain poderia ser traduzido como uma “cadeia de blocos”, na prática o que ele faz é se valer do que conhecemos como registro distribuído.

O registro distribuído é uma espécie de banco de dados formado por vários nós (participantes), interligados em rede de forma independente. O que isso significa é que não há uma autoridade central responsável pela informação direcionada aos nós - eles mesmos o fazem de maneira descentralizada.

Assim, toda vez que uma transação é inserida no sistema, cada nó a processa, avalia e aprova ou rejeita a sua inclusão. Havendo um consenso pela incorporação, o registro é feito e o Livro de Registros é atualizado, sendo distribuído de modo que cada nó mantenha uma cópia idêntica dele.

No caso do blockchain, essa inserção é feita em blocos de transações (e é daí, da cadeia de blocos que se forma na rede, que vem o seu nome).

Como funciona

A lógica por trás do blockchain é muito simples: como um sistema distribuído, ele transforma usuários em servidores e distribui os dados a respeito de cada transação para esses servidores.

É como se houvesse, a todo instante, vários “olhos” voltados para a rede, processando as informações e verificando a sua autenticidade, para então aprová-las. Cada um desses “olhos” registra as atualizações e mantém uma cópia do histórico.

Para visualizar o processo, vamos exemplificar como as operações envolvendo criptomoedas acontecem. Como veremos mais adiante, essa não é a única aplicação possível do blockchain, mas é sim a mais conhecida atualmente.

Se você se dirigir a uma loja que aceite o pagamento por um produto ou serviço via criptomoedas, o que acontecerá é uma transação digital de compra e venda. Você vende uma quantia em criptomoedas para o estabelecimento e recebe em troca o item de consumo.

Na rede, os mineradores (que são esses servidores responsáveis por monitorar as transações) realizam todo o processo de verificação. Essa atividade não é gratuita: a remuneração pela mineração é feita também em criptomoedas.

O trabalho do minerador é, entre outras coisas, checar se você realmente possui na carteira a quantia que está vendendo e se a assinatura (espécie de “impressão digital” de cada bloco) é verídica.

Tudo certo? Ótimo, é hora de votar. Em caso de reprovação da maioria, o bloco ao qual aquela transação pertence é invalidado. Do contrário, é adicionado à cadeia. Assim, o montante transacionado é adicionado à carteira da loja.

O tempo para que todo esse processo seja finalizado varia de criptomoeda para criptomoeda, assim como os critérios para a validação de cada bloco. No caso do bitcoin, por exemplo, ele dura um total de 10 minutos atualmente.

Leia mais:

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

® Mais Retorno. Todos os direitos reservados.

O portal maisretorno.com (o "Portal") é de propriedade da MR Educação & Tecnologia Ltda. (CNPJ/MF nº 28.373.825/0001-70) ("Mais Retorno"). As informações disponibilizadas na ferramenta de fundos da Mais Retorno não configuram um relatório de análise ou qualquer tipo de recomendação e foram obtidas a partir de fontes públicas como a CVM. Rentabilidade passada não representa garantia de resultados futuros e apesar do cuidado na coleta e manuseio das informações, elas não foram conferidas individualmente. As informações são enviadas pelos próprios gestores aos órgãos reguladores e podem haver divergências pontuais e atraso em determinadas atualizações. Alguns cálculos e bases de dados podem não ser perfeitamente aplicáveis a cenários reais, seja por simplificações, arredondamentos ou aproximações, seja por não aplicação de todas as variáveis envolvidas no investimento real como todos os custos, timming e disponibilidade do investimento em diferentes janelas temporais. A Mais Retorno, seus sócios, administradores, representantes legais e funcionários não garantem sua exatidão, atualização, precisão, adequação, integridade ou veracidade, tampouco se responsabilizam pela publicação acidental de dados incorretos.
É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos, ilustrações ou qualquer outro conteúdo deste site por qualquer meio sem a prévia autorização de seu autor/criador ou do administrador, conforme LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
® Mais Retorno / Todos os direitos reservados