Logo Mais Retorno

Siga nossas redes

  • Instagram Mais Retorno
  • Youtube Mais Retorno
  • Twitter Mais Retorno
  • Facebook Mais Retorno
  • Tiktok Mais Retorno
  • Linkedin Mais Retorno
Fernando Haddad apresenta novo arcabouço fiscal
Economia

Haddad: Grau de investimento pode levar alguns anos, mas é inevitável

Haddad, aproveitou o anúncio da revisão pela S&P Global da perspectiva do rating BB- do Brasil, de estável para positiva, para voltar a cobrar do Banco Central a redução da Selic, atualmente em 13,75%

Data de publicação:15/06/2023 às 08:00 -
Atualizado 9 meses atrás
Compartilhe:

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta quarta-feira, 14, que o Brasil vai retomar o grau de investimento e que não há cabimento o País ter avaliação pior do que a de outros países latino-americanos, pois a situação local é mais favorável.

"Não tem cabimento esse País não ter grau de investimento pelas riquezas que tem, começando pelo seu povo, que tem mais de US$ 300 bilhões de reservas cambiais, não deve um dólar no exterior, é credor internacional, tem inflação menor que a da Europa e Estados Unidos. Como é que esse País não vai ter grau de investimento? É um processo", disse.

Economia global
Mudança de rating do País de estável para positiva é apenas um processo, diz Haddad - Foto: Reprodução

Para ele, a mudança na perspectiva de rating do Brasil da S&P Global, de estável para positiva, é o início desse processo, que tende a se consolidar com a reforma tributária.

"Com a aprovação da reforma tributária vai vir uma mudança de degrau, vamos subir um degrau. O absurdo é nós não termos. Um País como o Brasil tem de ter. Compare a economia brasileira com a de qualquer país da América Latina. Tem três ou quatro países latino-americanos com grau de investimento em uma situação que eu não desejaria estar. E o Brasil, com tudo que tem, vai deixar de ter?", ponderou.

O ministro disse que o processo de degradação política do País nos últimos dez anos influenciou a avaliação de risco do Brasil. "A crise econômica é consequência dessa deterioração política. Nossa última crise econômica foi nos anos 1980. De lá para cá, é de outra natureza. Não é uma crise econômica. Vivemos por dez anos uma desarmonia entre os Poderes, que resultou nesse embaraço do qual nós estamos saindo", disse.

Haddad reiterou que a questão institucional e a harmonização entre os Poderes fará o País recuperar o grau de investimento. "Pode levar alguns anos? Pode, mas é inevitável se nós trabalharmos juntos", disse.

Só falta o BC

Haddad, aproveitou o anúncio da revisão da perspectiva do rating BB- do Brasil, pela S&P Global, de estável para positiva, para voltar a cobrar do Banco Central a redução da Selic, atualmente em 13,75%. O Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne na próxima semana.

"Penso que a harmonia entre os Poderes tem contribuído para os resultados. Está faltando o BC se somar a esse esforço, mas quero crer que estamos prestes a ver isso acontecer", afirmou Haddad, na portaria do edifício sede do ministério.

Haddad se pronunciou ao lado de seus principais secretários, incluindo o secretário-executivo da Pasta, Gabriel Galípolo, indicado para a Diretoria de Política Monetária do BC.

"Acredito na harmonia entre as políticas fiscal e monetária. Tudo concorre agora para que essa harmonização ocorra mais rapidamente do que previsto. Há seis meses ninguém diria que estaríamos nessa situação. Temos uma oportunidade de ouro", disse o ministro.

Mais uma vez, Haddad comparou o alto nível dos juros brasileiros com os juros dos Estados Unidos e da Europa. "Eles estão muito mais longe da meta de inflação que nós, muito mais. No entanto, as taxas de juros são muito mais modestas", enfatizou. "Todos nós somos contra a inflação. Temos um sistema de metas que foi criado há mais de 20 anos. Ninguém pensa em mudar o regime de metas, podemos aperfeiçoá-lo, mas o seu arcabouço está consolidado", completou.

Ele relatou ainda que 70% da reunião de hoje entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e empresário do Instituto para Desenvolvimento do Varejo foi sobre crédito e juros. Os executivos estiveram nesta semana com o presidente do BC, Roberto Campos Neto, e também o pressionaram pela redução da Selic./A

Leia mais:

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

® Mais Retorno. Todos os direitos reservados.

O portal maisretorno.com (o "Portal") é de propriedade da MR Educação & Tecnologia Ltda. (CNPJ/MF nº 28.373.825/0001-70) ("Mais Retorno"). As informações disponibilizadas na ferramenta de fundos da Mais Retorno não configuram um relatório de análise ou qualquer tipo de recomendação e foram obtidas a partir de fontes públicas como a CVM. Rentabilidade passada não representa garantia de resultados futuros e apesar do cuidado na coleta e manuseio das informações, elas não foram conferidas individualmente. As informações são enviadas pelos próprios gestores aos órgãos reguladores e podem haver divergências pontuais e atraso em determinadas atualizações. Alguns cálculos e bases de dados podem não ser perfeitamente aplicáveis a cenários reais, seja por simplificações, arredondamentos ou aproximações, seja por não aplicação de todas as variáveis envolvidas no investimento real como todos os custos, timming e disponibilidade do investimento em diferentes janelas temporais. A Mais Retorno, seus sócios, administradores, representantes legais e funcionários não garantem sua exatidão, atualização, precisão, adequação, integridade ou veracidade, tampouco se responsabilizam pela publicação acidental de dados incorretos.
É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos, ilustrações ou qualquer outro conteúdo deste site por qualquer meio sem a prévia autorização de seu autor/criador ou do administrador, conforme LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
® Mais Retorno / Todos os direitos reservados