Logo Mais Retorno
Bolsa
Economia

Fala de Powell de aceleração dos juros fez bolsas americanas caírem, mas não deve retirar investidor da B3, dizem especialistas

Juros americanos poderão subir 50 pontos-base na reunião do Fed em maio

Data de publicação:22/04/2022 às 00:30 -
Atualizado 5 meses atrás
Compartilhe:

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Jerome Powell, em painel do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Washington, nesta quinta-feira, disse que é apropriado que o Fed aja em ritmo "um pouco mais rápido" e reiterou que um aumento de juros de 50 pontos-base será uma opção na reunião de política monetária do BC americano em maio.

A verbalização do que o mercado já vinha precificando fez as bolsas americanas fecharem em queda superior a 1% o pregão de ontem, Nasdaq caiu 2,07%. Embora possa afetar a Bolsa de Valores doméstica, no curto prazo, especialistas não acreditam que a elevação dos juros americanos não deve provocar uma fuga de capital da B3.

Powell
Powell diz que é apropriado promover uma aceleração dos juros nos EUA - Foto: Reprodução

Powell afirmou que a economia americana é menos vulnerável e está mais distante dos efeitos imediatos da guerra na Ucrânia do que a Europa, mas ressaltou que o conflito seguirá pressionando a inflação. Disse também que é absolutamente fundamental reconquistar a estabilidade dos preços e que seu objetivo é reduzir a inflação para a meta de 2% do Fed sem causar uma recessão.

O presidente do Fed tinha a expectativa de que a inflação atingiria o pico mais ou menos no momento atual, o que acabou não se concretizando em meio aos efeitos da guerra na Ucrânia. Mas ressaltou que está aguardando que a inflação mostre "progresso de verdade" no sentido de desacelerar.

Concorrência para a B3

Após vários meses de entrada de recursos internacionais, já são sete pregões com saída. Ainda que em milhões de reais, e não bilhões, as retiradas acendem uma luz amarela. Por ora, contudo, os analistas acreditam em redução moderada destes aportes.

"O Fed não deve atrapalhar o capital externo. Não deve ser um grande problema, só se a economia americana entrar em colapso, o que não está no cenário curto prazo, pelo menos. O Ibovespa pode ir a 130 mil pontos, dependendo do fluxo e das commodities", diz Joaquim Sampaio, portfólio manager e sócio da RPS Capital. "Se os preços das commodities caírem e o gringo parar, o fluxo pode morrer", pondera.

"Desde a comunicação do Fed mais dura, o mercado está num ritmo de realização. A tendência com relação ao câmbio ficou mais leve e o Ibovespa retraiu", afirma Eduardo Carlier, gestor responsável pela estratégia de renda variável da AZ Quest. "Tende a ter uma pausa ingresso de capital externo. Talvez vejamos uma atuação um pouco diferente de um fluxo generalizado para papéis de primeira linha como commodities e bancos, que se viu inicialmente", emenda.

Com perspectiva de enxugamento do balanço patrimonial pelo Fed, é "natural" que ocorra um enxugamento da liquidez, observa o economista Silvio Campos Neto, sócio da Tendências Consultoria. "Claro que aqui tem uma taxa atrativa, mas o risco vai nessa direção. Um nível de 12,75%, expectativa de que a Selic suba 1 ponto em maio, já é bastante atrativa e o Banco Central terá de olhar o outro lado, como a atividade fraca, e não só inflação elevada", diz.

Hoje, devido à persistência inflacionária, já há projeções da Selic na casa de 14% no fim do ciclo de aperto monetário. Ainda, sem previsão de um fim da guerra na Ucrânia, a perspectiva é que os preços das commodities ainda sigam em níveis elevados.

Em termos relativos, o Ibovespa aparece como opção de investimento interessante. "E isso foi o que fez com que o estrangeiro viesse para cá. Tem a percepção de Bolsa barata, mas ele também ganha na valorização do real", diz o gestor da AZ Quest, pontuando que novas altas da Selic podem reforçar o chamado carry trade.

Luiz Roberto Monteiro, operador da mesa institucional da Renascença, acredita que o ingresso de investimento externo continuará, a despeito do aperto monetário esperado não só nos EUA, mas em outras partes do globo, como Europa. "Pode ter a famosa arbitragem, com investidores se beneficiando de Selic a 13% previsão. Por isso, o dólar tem cedido, em meio à atratividade de operações de carry trade."

Recentemente, o Bank of America (BofA) elevou sua projeção para o Índice Bovespa de 125 mil pontos para 135 mil pontos, tendo como principal argumento otimismo com os preços de commodities como petróleo, minério de ferro e celulose.

Um pouco antes, a Guide já havia aumentado a expectativa de 120 mil pontos para 130 mil pontos no término de 2022. Já o Goldman Sachs não descarta que o principal indicador da B3 atinja 131 mil pontos no final do ano, mas opta por manter o preço-alvo em 118 mil pontos.

Apesar da avaliação de que as commodities sustentarão o índice, o banco americano argumenta que o desempenho do Ibovespa parece mais próximo de um "repique tático" em momento de grande volatilidade mundial.

Cenário de incerteza

O próprio presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse recentemente que o País está bem posicionado para um possível efeito da política monetária americana no fluxo. "Nosso cenário não é de reversão desse movimento de entrada, mas estamos em um cenário de muita incerteza", ponderou.

Dados da B3 mostram que a saída dos estrangeiros começou antes da virada do mês. Em 31 de março, os investidores estrangeiros retiraram R$ 7,150 bilhões, após correção na metodologia de publicação de informações do segmento de renda variável.

Com isso, o montante registrado em 2022 foi reduzido de R$ 91,1 bilhões para R$ 64,1 bilhões. No dia 13 de abril, o investidor externo retirou R$ 322,166 milhões, elevando para sete o número de pregões de retirada, com o montante deste mês ficando deficitário em R$ 1,754 bilhão.

Contudo, em seguida, (dias 14 e 18), houve ingresso. Ainda assim, em abril, R$ 101,908 milhões deixaram a B3. No acumulado de 2022, porém, o saldo está positivo em R$ 65,226 bilhões. / com Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

Inscreva-se em nossa newsletter