Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Bolsa reage e sobe1,24% com varejo e bancos, dólar fica estável a R$ 5,14

Papeis do setor varejo, com preços convidativos, estão atraindo investidor estrangeiro

Data de publicação:12/05/2022 às 18:28 -
Atualizado 8 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, descolou do mau humor dos mercados internacionais e fechou em alta de 1,24% aos 105.687 pontos. O dólar fechou com alta residual de 0,08%, cotado a R$ 5,14.

A B3 iniciou as operações de hoje em queda, acompanhando o ritmo das bolsas em Nova York e da Europa. Lá fora, o clima é de preocupação com a inflação disseminada e em persistente alta pelos quatro cantos do mundo. Os bancos centrais de países desenvolvidos, que demoraram a elevar os juros para barrar a alta de preços, terão agora de acelerar o processo.

Bolsa
Foto: Getty Images/iStockphoto

Hoje foi divulgada dados da inflação ao produtor (PPI em inglês) que avançou 0,5% em abril, em linha com o esperado, mas que chega a um acumulado de 11% na base anual. Trata-se de uma desaceleração em relação ao dado anterior de 11,5% em 12 meses, registrados em março, lembra Eduardo Telles, especialista em renda variável da Blue3.

De todo modo, a inflação americana se mostra ainda em níveis elevados, assim com a alta de preços ao consumidor divulgado nesta quarta-feira. Resultados que confirmam a necessidade de novos ajustes das taxas, já sinalizados pelo Federal Reserve. Resta saber se a alta será de 0,50 ou de 0,75 ponto porcentual ao juro básico, o Fed Funds e com que frequência o ajuste será feito.

Dow Jones fechou com queda de 0,33%, S&P 500, de 0,13%, e Nasdaq perto da estabilidade com alta residual de 0,06%.

O Banco Central Europeu (BCE) também vem indicando a mesma providência e deverá elevar os juros na região, em julho. O receio, segundo Telles, é de que os juros venham em medida exagerada de modo a desacelerar o crescimento econômico global ou até provocar uma recessão. Hoje foi divulgado o comportamento do PIB do Reino Unido já indicando resultados fracos.

Esses são os principais temas que estão na pauta dos mercados internacionais. As bolsas da Europa fecharam em queda diante desse quadro, queda no preços das commodities e de um recrudescimento dos conflitos na região após a manifestação da Finlândia de ingressar para a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), e ameaças de reataliação do presidente russo, Vladimir Putin, se isso se concretizar.

Aqui no Brasil, o clima foi favorecido pelos números fortes do setor de serviços, mostrando vigor da economia. O Ibovespa foi turbinado pelos papeis de bancos. Os resultados positivos no balanço do Banco do Brasil, que apresentou um lucro líquido de R$ 6,6 bilhões no 1º tri de 2022, vieram se somar à boa perfomance do setor. Ações do BB fecharam com alta de 2,24%. Bradesco 0,64%, Itaú 1,58%.

Telles ressalta que papeis do varejo que caíram muito nos últimos dias estão chamando a atenção de investidores estrangeiros. Em um movimento de recuperação de preços, Via fechou com alta de 4,63%, Magalu, de 6,87%, e Lojas Renner, de 3,06%.

Na ponta negativa, ficaram as ações de siderúrgicas, castigadas pela redução do consumo de commodities pela China e pelas consequências de corte de tarifas na importação de vergalhões de aço. CSN caiu 5,53%, Usiminas 1,74% e Vale 1,00%.

Sobre o autor
Regina Pitoscia
Editora do Portal Mais Retorno.