Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Bolsa engata 6ª alta consecutiva com alívio das tensões entre Rússia e Ucrânia; dólar cai 0,72%

Entrada de capital estrangeiro continua sustentando a Bolsa e deprimindo as cotação do dólar

Data de publicação:15/02/2022 às 18:03 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Os mercados globais respiraram mais aliviados nesta terça-feira com as notícias de retirada das tropas russas da fronteira da Ucrânia. A redução nas tensões entre os dois países levou a uma recuperação das bolsas em todo o mundo. Aqui não foi diferente, a Bolsa subiu e o Índice Bovespa, que mede a variação das 93 ações mais negociadas em pregão, fechou com alta de 0,82% aos 114.828 pontos. O dólar colecionou mais uma queda, de 0,72%, e ficou cotado a R$ 5,18.

Outros fatores também contribuíram para fortalecer o mercado interno de ações: informações de que a PEC dos combustíveis, ou 'PEC Kamicaze', como foi apelidada, por trazer impactos fiscais danosos, por ora, foi deixada de lado na pauta do Congresso e outras propostas para contornar a alta dos preços do diesel e da gasolina poderão ser discutidas; além disso, os números prévios da inflação embora elevados vieram em linha com as expectativas de mercado.

bolsa
Sede da Bolsa de Valores em São Paulo - Foto: B3/Divulgação

A Fundação Getúlio Vargas divulgou, na manhã desta terça-feira, o Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) de fevereiro, que subiu 1,98%, após avanço de 1,79% no mês anterior.

O dado ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro, que esperavam uma alta de 1,63% a 2,14%, com mediana positiva de 1,97%.

Já o resultado acumulado nos 12 meses até fevereiro ficou ligeiramente abaixo da mediana das projeções coletadas – alta de 16,71% - obtida do intervalo de 16,29% a 17,67%.

O especialista em Renda Variável da Blue3, Fabrício da Silva Soares, destaca que o bom desempenho das ações de bancos também contribuiu para o encerramento positivo do mercado. Movimento impulsionado pelos papeis do Banco do Brasil, que fecharam com alta de 4,74%, após a divulgação de seus resultados, com recorde histórico de lucro, em 2021.

No pregão de hoje da Bolsa, o analista da Blue3 chama a atenção para o fato de que a B3 não teve a "cooperação" das commodities. Em dia de forte correção também no preço do minério de ferro, Vale ON fechou com queda de 3,12%, enquanto Petrobras ON e PN caíram, respectivamente, 1,73% e 1,88%. As perdas se mantêm acima de 4% nas cotações do petróleo, em meio à distensão entre Rússia e Ucrânia, segundo ele.

O clima mais leve também fez aumentar o apetite ao risco e o capital estrangeiro continuou entrando na B3, sustentando o movimento de alta e deprimindo as cotações do dólar.

Inflação nos EUA

Já a inflação nos EUA surpreendeu e veio acima das projeções de mercado. De acordo com dados do Departamento do Comércio Americano, a inflação ao produtor subiu 1% em janeiro, o dobro dos 0,50% esperados pelos analistas. No ano, a alta acumulada é de 9,7%, superior ao consenso do mercado de 9,1%.

O núcleo do IPP (inflação ao produtor, na sigla em inglês) avançou 0,8%. Um dado que poderia ter afetado o comportamento das bolsas americanas, uma vez que inflação mais acelerada pode reforçar as medidas de rigidez monetária, com elevação dos juros, prestes a serem adotadas pelo Fed, Federal Reserve, o banco central americano. No entanto, o mercado se mostrou mais disposto a recuperar as perdas do dia anterior provocadas pelos conflitos na região da Ucrânia.

Bolsas americanas

  • Dow Jones + 0,84%
  • S&P500 +1,23
  • Nasdaq +0,90
Sobre o autor
Regina Pitoscia
Editora do Portal Mais Retorno.