Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

No fim do dia, Bolsa inverte o sinal e fecha em queda de 0,35% com a confirmação da primeira morte causada pela ômicron

Dólar fechou em alta de 1,21%, cotado a R$ 5,68

Data de publicação:13/12/2021 às 19:04 -
Atualizado 7 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Apesar do avanço no preço do minério de ferro no exterior, que levou à forte valorização das ações da Vale - a empresa com mais peso na composição do Ibovespa, cerca de 14% -, o que fez o Ibovespa a subir mais de 1% e o manteve no terreno positivo por quase todo o dia, a Bolsa de Valores fechou em queda de 0,35%, aos 107.383 pontos, acompanhando os mercados internacionais.

Após a confirmação feita pelo primeiro-ministro da Inglaterra, Boris Johnson, de que o país registrou a primeira morte pela nova cepa de covid-19, a cautela e aversão ao risco dos investidores com o avanço da pandemia se renovaram. "Infelizmente a ômicron está gerando hospitalizações e, tristemente, pelo menos um paciente morreu com ômicron confirmado", disse Johnson nesta segunda, após alertar para o "maremoto" que o país enfrenta com a doença.

Movimentação da Bolsa de Valores adam capital
Bolsa de Valores caiu nesta segunda-feira, 13

Rafael Ribeiro, analista da Clear Corretora, destaca que "segundo os números, só no domingo mais de 1.200 novos casos da ômicron foram confirmados no Reino Unido, elevando o total detectado para mais de 3.100 - 65% a mais do que os 1.898 acumulados até o dia anterior".

Neste contexto, crescem as incertezas sobre a possibilidade de adoção de novas medidas restritivas de circulação para conter o avanço da doença, o que pode impactar, uma vez mais, toda a economia global. Assim, as bolsas europeias fecharam em baixa neste pregão, bem como os mercados americanos. Os índices S&P 500, Dow Jones e Nasdaq 100 reportaram queda expressiva de 0,91%, 0,89% e 1,53%, respectivamente.

Já o dólar fechou em alta acentuada de 1,21%, cotado a R$ 5,68. A moeda americana é considerada uma moeda segura e, por isso, tende a apresentar valorização em momentos nos quais os investidores apresentam mais cautela com seus investimentos.

LEIA MAIS

Cenário doméstico: projeções macroeconômicas

Nem a melhora nas projeções para a inflação doméstica foi suficiente para segurar a Bolsa de Valores em terreno positivo. Mais cedo, o Banco Central divulgou nova edição do Boletim Focus, com as estimativas de economistas do mercado e, pela primeira vez neste ano, as expectativas para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que reflete a inflação oficial do país foram reduzidas, passando de 10,18% para 10,05% em 2021.

Já para o próximo ano, as projeções para o IPCA se mantiveram inalteradas, em 5,2%. Para 2023, as expectativas são de que a inflação seja de 3,46%, ante 3,50% anteriormente. De acordo com Paula Zogbi, analista de investimentos da Rico, "a mudança de perspectiva vem de uma aparente sinalização de que o IPCA já tenha atingido um pico nesse ciclo de altas, especialmente na comparação anual".

Com essas perspectivas e o avanço das ações da Vale, o Ibovespa chegou a romper a barreira dos 109 mil pontos pela manhã. Porém, a tensão com o avanço da ômicron pesou mais sobre o humor dos investidores.

Nem todas as projeções foram positivas para a economia brasileira no Focus, no entanto. Sobre o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, as expectativas seguem recuando. Para 2021, foram reduzidas de 4,71% para 4,65%. Em 2022, caiu levemente de 0,51% para 0,50%, e em 2023, de 1,95% para 1,90%.

Em relação à Selic, taxa básica de juros, para 2022 os economistas subiram as estimativas para o indicador de 11,25% para 11,50%. Em 2023 foram mantidas em 8,00%.

"Por aqui, seguimos acompanhando também a PEC dos Precatórios, que terá alguns trechos votados pela Câmara nesta semana após sofrerem alteração no Senado. O recesso parlamentar começa no dia 22, então há pouco tempo para resolver a situação das dívidas judiciais do governo ainda neste ano, dado à necessidade de aprovação do Orçamento."

Paula Zogbi

Sobe e desce na B3

Maiores altas da Bolsa de Valores

EmpresaCódigoVariação
HapvidaHAPV33,13%
ValeVALE32,92%
BradesparBRAP42,88%
Notredame IntermedicaGNDI33,01%
UltraparUGPA31,77%
Fonte: B3

Maiores baixas da Bolsa de Valores

EmpresaCódigoVariação
CognaCOGN3-9,31%
Banco PanBPAN4-8,61%
Magazine LuizaMGLU3-5,02%
MéliuzCASH3-5,19%
AmericanasAMER3-4,49%
Fonte: B3
Sobre o autor
Bruna Miato
Repórter na Mais Retorno