Logo Mais Retorno
Outros

Metaverso é oportunidade para expandir os negócios e vivência nas empresas

Empresas de tecnologia são as mais beneficiadas com o crescimento do mundo virtual

Data de publicação:02/03/2022 às 00:30 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Você sabia que metaverso foi uma das palavras mais buscadas no Google Trends em 2021? Uma das razões, explica Gabriel Figueira, head de Marketing na Zappts, em seu artigo, foi o fato de a big tech Facebook ter atualizado e trocado o nome para Meta.

“A proposta de mudança está ligada à criação de um futuro metaverso, conectando pessoas, produtos e/ou serviços, entretenimento e criadores em um universo digital imersivo”, afirma o especialista em comunicação digital.

metaverso
Empresa fez confraternização de fim de ano pelo metaverso com jogos e danças - Foto: Wikimedia Commons

E o Facebook não é propriamente o pioneiro da tecnologia do metaverso. Outros saíram na frente como Decentraland e The Sandbox, esclarece o diretor. Os dois já existem há alguns anos, e contam com uma capitalização de mercado de mais de 4 bilhões de dólares, cada um.

“Graças aos avanços da web 3.0 e da tecnologia blockchain tais metaversos evoluem muito rápido e diariamente terrenos virtuais são vendidos e festas acontecem em seus ambientes virtuais”, relata Figueira.

Ele afirma que essa tendência tem como objetivo aproximar cada vez mais o mundo físico do online, e deve ajudar a acelerar ainda mais a transformação digital, refletindo diretamente na experiência do usuário. Por ser considerado um espaço de interação no meio online, essa moda  é considerada como uma oportunidade para expandir negócios e trazer novos formatos de trabalho. 

Com isso, as empresas de tecnologia estão entre os principais beneficiados, segundo o especialista, porque  podem propor novas maneiras de utilização do metaverso, desde a promoção de um produto até a integração de rotinas corporativas.  

Empresas de games beneficiadas

Como centro de inovação, o metaverso ajudou a promover o mercado de games, ressalta Figueira. Grandes marcas como Nike, Itaú e Vans já desenvolveram ações com o ambiente virtual com o intuito de atingir um novo nicho, e consequentemente, se posicionar neste novo espaço. 

Ele conta que a Nike criou no ano passado a Nikeland dentro do jogo Roblox - os jogadores conseguem criar os próprios mundos virtuais, além de outros participantes do game poderem interagir com a experiência construída dentro da plataforma.

Além disso, a marca esportiva anunciou a compra da empresa Artifact Studios, que é especialista no desenvolvimento de tênis e artigos digitais. O foco da empresa está em crescer no metaverso e se conectar com pessoas que amam moda e jogos. 

Já o Itaú criou a campanha #2022EmUmaPalavra, com o intuito de ganhar a atenção do público gamer para a empresa. Inserindo a campanha em outdoors da chamada Cidade Alta, do servidor RolePlay da OutPlay, nas cidades de Rio de Janeiro e São Paulo. 

A Vans entrou também no Roblox - como a Nike -, e criou o Vans World, local que é possível realizar compras e personalizar vários estilos de customização de tênis durante o jogo. A empresa também visa aumentar os esforços no mundo digital entre os esportes online e a moda. 

Os desafios da nova realidade virtual

Por mais que o metaverso chame a atenção e conte com perspectivas positivas, alerta o diretor, os desafios nos “bastidores” rodeiam quem deseja implantar o ambiente virtual na rotina corporativa. Ele aponta dois deles. 

Segurança de dados

As empresas se preocupam cada vez mais com segurança dos dados, desta forma, não é à toa que há uma constante revolução na área de T.I. O metaverso exige um novo nível para a proteção das informações de identidade e daquilo que for conquistado no ambiente virtual, as posses. 

Para a confirmação dos dados, possivelmente, as plataformas irão pedir informações além das que estamos acostumados, como data de nascimento ou e-mail, por exemplo.

Tempo e espaço

Quando comparamos a realidade física da virtual, a percepção de tempo e espaço pode ser diferente, visto que a consciência sobre nosso corpo é menor no metaverso, pondera o especialista. A conexão entre tempo e espaço deve demonstrar conforto e consciência enquanto os usuários estão dentro do ambiente virtual. 

Além disso, quanto à experiência que o metaverso pode proporcionar, é possível observar por duas óticas: 

1) Experiência imersiva: onde se tem óculos de realidade virtual que possibilita a imersão no ambiente tridimensional do metaverso, construindo avatares e conectand-se a pessoas em qualquer parte do mundo;

2) Experiência através de telas: seja pelo computador ou smartphone, como é o caso do Gather, que permite um universo onde os usuários possam realizar atividades em conjunto.

Vivência do metaverso na empresa

Na Zappts, empresa de tecnologia com foco no desenvolvimento de software, o metaverso proporcionou uma oportunidade de aproximar ainda mais os colaboradores em uma empresa 100% remota, conta o diretor. 

O primeiro contato com o metaverso foi, então, na construção de um ambiente personalizado para a confraternização no final de 2021.

Na ocasião, mais de 100 colaboradores de 18 estados do Brasil se reuniram em um metaverso para celebrar as conquistas do ano, com jogos, danças e socialização. Agora, a empresa testa a realização de algumas rotinas corporativas como reuniões e dailys neste ambiente.

Mas, de onde surgiu o metaverso?

Na década de 90, o escritor Neal Stephenson criou o termo na sua obra “Snow Crash”, no qual citava o metaverso como um mundo 3D com avatares de pessoas reais, relata o especialista.

Esse foi o ponto de partida para que outros admiradores do metaverso pudessem estudar sobre, um exemplo é a obra Ready Player One, de Enerst Cline, lançada em 2021, que cita que o metaverse seria o substituto da internet que já é tradicionalmente conhecida.  

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!