Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta terça-feira, 19 de abril

Com agenda esvaziada, atenções se voltam para guerra na Ucrânia, balanços trimestrais dos EUA e cenário fiscal interno

Data de publicação:19/04/2022 às 10:57 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A Bolsa opera em queda nesta terça-feira, 19, descolando do apetite ao risco de Wall Street e na esteira das praças financeiras europeias. Às 14h50, o Ibovespa caía 1,04%, aos 114.487 pontos, e o dólar subia 0,44%, cotado a R$ 4,669

O dia de baixa no preço do minério de ferro repercute na desvalorização de quase 3% das ações da Vale, que representam mais de 15% na carteira do Ibovespa e ajudam a derrubar o principal índice da B3.

bolsa e dólar
Ações da Vale caem com queda no preço do minério de ferro e expectativa de divulgação da produção da mineradora, às 17h00 - Foto: Reprodução

Com a agenda econômica esvaziada, com a divulgação de poucos indicadores, os investidores voltam suas atenções para o mercado internacional, com os desdobramentos da guerra na Ucrânia, balanços trimestrais das empresas nos EUA e discursos dos dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) sobre a política monetária do país.

Bolsas americanas/principais índices

  • S&P 500: +1,32%
  • Dow Jones: +1,14%
  • Nasdaq 100: +1.90% (dados atualizados às 12h40)

Bolsas europeias/principais índices

  • Stoxx 600 (Europa): -0,85%
  • DAX (Frankfurt):-0,20%
  • FTSE 100 (Londres): -0,06%
  • CAC 40 (Paris): -0,83% (dados atualizados às 11h07)

Brasil; mercado de olho no reajuste aos servidores federais

No ambiente interno, o cenário fiscal ganha destaque, com o governo prometendo reajuste de 5% no salário dos servidores federais.

Enquanto isso, os funcionários do Banco Central seguem em greve e os policiais federais mostraram insatisfação com a proposta feita pelo presidente Jair Bolsonaro, alegando que a proposta não atende à promessa feita pelo chefe do Executivo aos profissionais de segurança pública por uma reestruturação.

Bolsonaro tem forte interesse em agradar aos policiais federais, considerados base eleitoral importante do presidente, pré-candidato à reeleição. Porém, o governo vê o compromisso assumido pelo presidente como arriscado, diante da possibilidade de incendiar ainda mais a mobilização de outras categorias, como servidores do Banco Central e da Receita Federal, também insatisfeitos.

Por determinação da Lei de Responsabilidade Fiscal, qualquer aumento com despesas de pessoal precisa constar da folha de pagamento de julho, antes de 180 dias do fim do mandato presidencial.

Porém, o projeto que dá as bases para o Orçamento de 2023 prevê reserva de R$ 11,7 bilhões para aumento para o funcionalismo, valor insuficiente para bancar os 5% de reajuste definidos pelo presidente.

De acordo com o secretário especial de Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Esteves Colnago, se for oficializado um reajuste linear de 5% para os servidores federais neste ano, o custo em 2023 seria de R$ 12,6 bilhões. Com isso, será necessário aumentar a reserva de R$ 11,7 bilhões.

Juros futuros

Os juros futuros rondam a estabilidade em toda a curva, refletindo a falta de condutores para os negócios. Se por um lado o dólar sobe, assim como os juros dos Treasuries longos, por outro lado, o petróleo em queda de mais de 2% ajuda a aliviar a pressão de alta.

Às 9h30, o contrato de deposito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2027 marcava 11,76%, de 11,77% no ajuste de segunda-feira. O DI para janeiro de 2025 estava estável em 12,05%, e o vencimento para janeiro de 2023 marcava 13,065%, de 13,063% no ajuste anterior.

Sobe e desce da Bolsa

Maiores altas

BrMalls (BRML3)+4,91%
Petrobras (PETR4)+2,41%
Petrobras (PETR3)+1,93%
Marfrig (MRFG3)+1,61%
BRF (BRFS3)+1,25%

Maiores baixas

Carrefour (CRFB3)-3,51%
Weg (WEGE3)-3,45%
Banco Pan (BPAN4)-2,74%
Vale (VALE3)-2,27%
Yduqs (YDUQ3)-2,60%
Fonte: B3 (dados atualizados às 11h)

Exterior: bolsas asiáticas fecham mistas

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta terça-feira, com a de Hong Kong pressionada por ações de tecnologia e a de Tóquio impulsionada pela fraqueza do iene.

Na sexta-feira, 15, autoridades chinesas baniram a transmissão em tempo real de videogames não autorizados, decisão que pesou em ações de empresas de tecnologia como Bilibili (-10,92%), Kuaishou Technology (-2,98%) e Alibaba (-4,19%).

No dia anterior, o banco central chinês (PBoC) anunciou a expansão do apoio financeiro a empresas e indivíduos mais afetados pela atual onda de covid-19. / com Agência Estado

Fechamento

  • Hang Seng (Hong Kong): -2,28% (21.027 pontos)
  • Xangai Composto (China continental): -0,05% (3.194 pontos)
  • Shenzhen Composto (China continental): -0,11% (2.020 pontos)
  • Nikkei (Tóquio): +0,69% (26.985 pontos)
  • Kospi (Seul): +0,95% (2.718 pontos)
  • Taiex (Taiwan): +0,56% (16.993 pontos)
  • S&P/ASX 200 (Sydney): +0,56% (7,565 pontos)
Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.