Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta segunda-feira, 28 de março

Investidores repercutem as novas projeções econômicas e estão de olho na guerra na Ucrânia e no Fed

Data de publicação:28/03/2022 às 11:03 -
Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Após fechar a semana anterior no positivo, a Bolsa retoma suas atividades nesta segunda-feira, 28, em queda, acompanhando o ritmo dos futuros americanos, que apontam comportamento de cautela ao risco. Às 16h32, o Ibovespa recuava 0,16%, aos 118.887 pontos, e o dólar subia 0,46%, cotado a R$ 4,769.

No cenário das ações, o Ibovespa é puxado para baixo pela desvalorização de mais de 1% dos papéis da Petrobras, que espelham o forte recuo do petróleo no mercado internacional.

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta segunda-feira, 28 de março
Mercado repercute as novas projeções dos economistas para a inflação e Selic divulgadas no Boletim Focus pelo BC - Foto: reprodução

No radar dos investidores, estão vários assuntos. No cenário interno, eles repercutem as novas projeções para os principais indicadores da economia, como inflação deteriorada e Selic em alta - reportadas pelo Boletim Focus, que foi publicado em um novo horário durante a manhã.

No ambiente internacional, as atenções se voltam ao ritmo de aperto da política monetária americana, já que os próprios dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e alguns gigantes do setor financeiro sinalizaram que o ajuste na taxa de juros dos EUA deve ser maior, de 0,50 ponto porcentual, ante 0,25 apontado anteriormente.

A guerra na Ucrânia entra em mais uma semana sem a sinalização de um possível cessar-fogo com a Rússia. E na China, um novo lockdown, por conta da pandemia da covid-19, volta a preocupar os mercados.

Brasil: inflação mais alta em 2022

No ambiente doméstico, o Banco Central divulgou no mesmo horário de abertura dos negócios à vista da Bolsa a edição atualizada do Boletim Focus, que traz as projeções dos economistas para os principais indicadores econômicos brasileiros.

Segundo o documento, as projeções para o IPCA em 2022 seguem apontando uma inflação cada vez mais deteriorada para o período. De 6,59%, na semana anterior, saltou para 6,86%, ante 5,60 nas últimas quatro semanas. Para 2023, subiram de 3,75% para 3,80% e para o ano seguinte, de 3,15% para 3,20%.

A estimativa para 2022 encontra-se muito acima da margem de tolerância da meta de 3,50% (com teto de 5,00%). Para 2023, a meta é de 3,25%, com margem de 1,5 ponto (taxa de 1,75% a 4,75%). Já para 2024, o objetivo é de 3,0%, com tolerância de 1,5% a 4,5%. 

Na semana passada, a autoridade monetária divulgou o Relatório Trimestral de Inflação (RTI), no qual elevou suas estimativas para a inflação para 7,1% e destacou o papel do preço dos combustíveis e alimentos para essa escalada. No caso do primeiro item, como reflexo da recente elevação do preço do petróleo, por conta da guerra na Ucrânia.

Em relação à Selic, taxa básica de juros do País, os especialistas mantiveram as suas estimativas em 13,00% ao ano para 2022, em 9,00% para 2023 e em 7,50% para 2024.

O cenário desenhado pelos economistas difere da postura do próprio presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que, desde a última sexta-feira, 25, vem afirmando que a Selic a 12,75% será suficiente para trazer a inflação de volta à meta, sinalizando que o processo de aperto monetário está próximo do final – com mais um aumento de 1 p.p na taxa de juros em maio.

Juros futuros

As taxas de juros negociadas no mercado futuro recuam em toda a curva nesta segunda-feira. Em dia de queda superior a 5% dos preços do petróleo, continuam a prevalecer no mercado as projeções do BC sobre os ajustes na Selic.

Por volta das 14h10, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2023 tinha taxa de 12,71%, ante 12,76% do ajuste de sexta-feira. O DI de janeiro de 2025 projetava 11,35%, contra 11,39%. E a taxa do DI para janeiro de 2027 era de 11,26%, de 11,32% na abertura.

Sobe e desce da Bolsa

Maiores altas

Marfrig (MRFG3)+4,21%
Minerva (BEEF3) +4,09%
BRF (BRFS3)+2,65%
JBS (JBSS3)+2,12%
Ambev (ABEV3)+2,09%

Maiores baixas

Locaweb (LWSA3)-5,07%
Banco Pan (BPAN4) -4,15%
Eztec (EZTC3)-3,36%
PetroRio (PRIO3) -3,37%
Via (VIIA3)-3,02%
Fonte: B3 (dados atualizados às 14h3')

Mercado internacional: EUA, Europa e Ásia

Wall Street: futuros no negativo

Por lá, os investidores seguem em posição de cautela por conta da postura mais dura do Fed a respeito do aperto monetário. Na agenda do dia, o presidente americano, Joe Biden, deve divulgar o orçamento dos EUA para 2023.

Ao longo da semana, que será movimentada estão previstos a publicação do índice Jolts de vagas em aberto em fevereiro nos EUA na terça-feira, relatório ADP de março dos EUA e PIB (revisão final) na quarta-feira, taxa de desemprego da zona do euro e índice de inflação PCE dos EUA na quinta-feira, e relatório payroll de março na sexta-feira

Bolsas americanas/principais índices

  • S&P 500: -0,08%
  • Dow Jones: -0,47%
  • Nasdaq 100: +0,61% (dados atualizados às 14h37)

Bolsas europeias fecham mistas

  • Stoxx 600 (Europa): +0,14% (454,18 pontos)
  • DAX (Frankfurt): +0,78% (14.417 pontos)
  • FTSE 100 (Londres): -0,14% (7.473 pontos)
  • CAC 40 (Paris): +0,54% (dados atualizados às 14h37)

Bolsas asiáticas fecham sem direção única

Os mercados asiáticos fecharam mistas nesta segunda-feira, à medida que preocupações sobre a pandemia de covid-19, a guerra na Ucrânia e a tendência de aperto monetário nos EUA afetam o apetite por risco.

A falta de direção clara nos negócios asiáticos veio após a cidade chinesa de Xangai anunciar um lockdown escalonado com o intuito de controlar um surto local de covid-19, problema que voltou a assombrar a China nas últimas semanas.

Além disso, as incertezas da guerra russo-ucraniana e sinais de que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) poderá elevar juros em ritmo mais acelerado ao longo do ano ajudam a restringir a demanda por ações na região asiática. / com Agência Estado

Bolsas asiáticas/fechamento principais índices

  • Nikkei (Tóquio): -0,73% (27.943 pontos)
  • Kospi (Seul): -0,02% (2.729 pontos)
  • Taiex (Taiwan): -0,89% (17.520 pontos)
  • Xangai Composto (China continental): +0,07% (3.214 pontos)
  • Shenzhen Composto (China continental): -0,82% (2.096 pontos)
  • Hang Seng (Hong Kong): +1,31% (21.684 pontos)
  • S&P/ASX 200(Sydney): +0,08% (7.412 pontos)
Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.