Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Bolsa sobe 3,26% na semana com capital estrangeiro, e dólar escorrega 5,36%

Investidores são atraídos pelo preço baixos dos papeis e também pelos juros altos no País

Data de publicação:25/03/2022 às 18:08 -
Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, viveu um dia de muito sobe e desce, mas acabou fechando no azul com alta de 0,02%, aos 119.081. Na semana, o Ibovespa registra uma valorização respeitável de 3,26%

De um lado, depois de sete pregões consecutivos em alta, natural que houvesse um movimento de realização de lucros, com recuo das cotações. E, além disso, a queda nos papéis de Vale do Rio Doce, (-1,73%) mesmo com a alta nos preços do minério de ferro lá fora, também pesavam no mercado. De outro, os atrativos em papeis descontados no mercado continuaram atraindo o investidor estrangeiro.

bolsa
Foto: Reprodução

O dólar vem sentindo o movimento de fluxo expressivo de capital externo e fechou com queda de 1,74% nesta sexta-feira, cotado a R$ 4,75 a menor desde setembro de 2021. Na semana, a moeda americana contabilizou uma queda de 5,36%.

A Bolsa sobe e o dólar se desvaloriza mesmo em meio a dados preocupantes da inflação, o que tende a pressionar o Banco Central a elevar a Selic acima dos 12,75%. Nível já sinalizado pela autoridade monetária, que espera pico da inflação em abril e fim dos ajuste das taxas em maio. Perspectivas que são questionadas por muitos economistas do mercado, segundo especialista em Renda Variável da Blue3, Eduardo Teles.

Número da inflação

Pela manhã, o IBGE divulgou que o IPCA-15 subiu 0,95% em março, 0,04 ponto porcentual abaixo da marca de fevereiro. O resultado mensal veio dentro das estimativas dos analistas, que esperavam uma alta de 0,72% a 1,07%, mas superou a mediana de 0,86%.

A inflação preocupa e segue no radar do mercado, após a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do Banco Central na véspera, que trouxe uma revisão para o IPCA cheio de 7,1% para 2022, bem acima da meta da autoridade monetária de 3,50%, com intervalo de 1,5 ponto porcentual.

Para 2023, a previsão dos economistas do mercado é que a inflação atinja 3,75%, segundo dados do último Boletim Focus, que também coloca o IPCA longe do centro da meta de 3,25%.

A alta no preço das commodities também é outro motivo de preocupação, já que o aumento do preço do barril do petróleo, hoje utilizado como medida para balizar a inflação pelo BC, aumenta a pressão inflacionária.

No exterior

Lá fora, as atenções ficaram voltadas para os desdobramentos do conflito no Leste Europeu, e o mercado acompanhou a visita do presidente americano Joe Biden à Europa, com propostas de aplicar novas sanções à Rússia, e sua expulsão do G20, além de ameaçar responder à altura se houver uso de armas químicas na Ucrânia.

Dow Jones fechou com alta de 0,44%, o S&P 500, com alta de 0,51%, e o Nasdaq com queda de 0,16%.

Maiores altas

AçãoAlta
Cogna19,48%
Yudqs Partic. 9,05%
Azul 6,82%
Cyrela 6,81%
IRB 6,48%
Fonte: B3

Maiores quedas

AçãoBaixa
Klabin6,13%
Suzano6,00%
JBS3,72%
Marfrig3,72%
PetroRio3,37%
Fonte: B3
Sobre o autor
Regina Pitoscia
Editora do Portal Mais Retorno.