Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta quinta-feira, 14 de abril

Ações da petroleira caem com condução de José Mauro Coelho à presidência da companhia

Data de publicação:14/04/2022 às 11:31 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Após virar o jogo e fechar em alta na véspera - com três pregões negativos consecutivos na conta - a Bolsa opera em queda nesta quinta-feira, 14, dia de vencimento de opções de ações e véspera de feriado de Sexta-Feira Santa.

O Ibovespa recuava 0,64%, aos 116.034 pontos, às 11h42, e o dólar subia 0,15%, cotado a R$ 4,696.

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta quinta-feira, 14 de abril
Mercado acompanha os desdobramentos da AGO da Petrobras, que elegeu os membros do Conselho e encaminhará José Mauro Coelho á presidência da companhia - Foto: Reprodução

As atenções dos investidores estão diluídas entre o cenário externo e interno. Globalmente, os olhares se voltam para os dados do varejo americano em março, abaixo do esperado, e para a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que optou por manter os juros inalterados, mas sinalizou a retirada de estímulos econômicos em um horizonte não tão distante.

No âmbito do Brasil, os assuntos monitorados estão desde os desdobramentos da votação do Conselho de Administração da Petrobras, que preencheu todas as cadeiras do colegiado e conduzirá José Mauro Coelho à presidência da companhia.

E também o reajuste de 5% concedido aos servidores federais pelo presidente Jair Bolsonaro. O custo para oferecer esse aumento para todo o funcionalismo será de R$ 6,3 bilhões em 2022,  ano em que o presidente tenta a reeleição.

Apesar da decisão, representantes de sindicatos e associações afirmam que o porcentual não repõe as perdas inflacionárias nos últimos anos.

No radar está ainda a apresentação pelo governo do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2023 (PLDO), às 15h, que deve prever uma expectativa de déficit fiscal de R$ 66 bilhões para o próximo ano.

Juros futuros

Os juros futuros começam esta quinta-feira, 14, ao redor da estabilidade, em meio à baixa do petróleo e juros dos Treasuries, mas alta do dólar ante o real num dia de agenda local fraca. O mercado aguarda o leilão de LTN e NTN-F (11h).

Às 9h10 desta quinta, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2027 a 11,70%, de 11,72% no ajuste de quarta-feira. O DI para janeiro de 2025 exibia taxa de 12,02%, de 12,03%, e para janeiro de 2023 marcava 13,055%, de 13,073% no ajuste de ontem.

Sobe e desce da Bolsa

Maiores altas

Cielo (CIEL3)+4,18%
JBS (JBSS3)+3,04%
Bradespar (BRAP4)+1,70%
Usiminas (USIM5)+1,46%
Energias do Brasil (ENBR3)+1,59%

Maiores baixas

Yduqs (YDUQ3)-4,14%
Totvs (TOTS3)-3,04%
Americanas S.A (AMER3)-2,26%
Petz (PETZ3)-2,73%
Qualicorp (QUAL3)-2,26%
Fonte: B3 (dados atualizados às 11h47)

Mercado internacional

Wall Street: mercados mistos

Nos Estados Unidos, as bolsas operam sem direção única nesta quinta-feira, com o mercado digerindo os dados do varejo registrados no mês de março e publicados durante a manhã. Segundo o Departamento do Comércio, as vendas do setor nos EUA subiram 0,5% em março ante fevereiro, somando US$ 665,7 bilhões.

O resultado, com ajustes sazonais, veio um pouco baixo da previsão dos analistas, de avanço de 0,6% no mês. Excluindo-se automóveis, as vendas no setor varejista americano também tiveram expansão de 1,1% no confronto mensal de fevereiro. Neste caso, a projeção era de acréscimo de 0,8%.

Também durante a manhã, o Departamento do Trabalho comunicou que o número de pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos subiu 18 mil na semana passada, a 185 mil.

O resultado ficou acima da expectativa do mercado, que previa 172 mil solicitações. O total de pedidos da semana anterior foi revisado para cima, de 166 mil a 167 mil. 

No ambiente microeconômico, os investidores repercutem os balanços trimestrais referentes aos resultados do primeiro trimestre deste ano publicados antes da abertura do mercado, como o de gigantes financeiros como Wells Fargo, Citi e Morgan Stanley, que apresentaram lucros abaixo do esperado, mas mesmo assim superou as expectativas dos analistas.

O Twitter confirmou que recebeu uma oferta de compra não solicitada de Elon Musk, o bilionário fundador e CEO da Tesla, no valor de US$ 54,20 por ação.

Musk, que recentemente comprou uma fatia de 9% no Twitter, revelou em comunicado nesta quinta-feira, 14, que ofereceu comprar o restante da empresa, descrevendo a proposta como "sua melhor e última oferta". As ações do Twitter sobem mais de 2% no mercado americano.

Bolsas americanas/principais índices

  • S&P 500: -0,60%
  • Dow Jones: +0,32%
  • Nasdaq 100: -1,19% (dados atualizados às 11h10)

Bolsas europeias operam no positivo com decisão monetária do BCE

Na Velha Economia, as bolsas registram alta, com a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) divulgada durante a manhã.

Segundo a autoridade monetária do bloco, as taxas de juros permanecerão inalteradas, mas afirmou que pretende concluir a compra de ativos feitas por meio do programa conhecido como APP no terceiro trimestre de 2022.

O volume de compras irá diminuir de 40 bilhões de euros para 30 bilhões de euros em maio, e depois para 20 bilhões de euros em junho.

Conforme comunicado do BCE, a taxa de refinanciamento permanece em 0%, a de depósitos continua em -0,50% e a de empréstimo segue em 0,25%.

O BCE comentou ainda que a guerra na Ucrânia está afetando a economia na Europa e em outras partes, gerando incertezas e pesando com força na confiança de empresas e consumidores.

Bolsas europeias/principais índices

  • Stoxx 600 (Europa): +0,70%
  • DAX (Frankfurt): +0,54%
  • FTSE 100 (Londres): +0,33%
  • CAC 40 (Paris): +0,93% (dados atualizados às 10h57)

Bolsas asiáticas fecham em alta com China

Na Ásia, os mercados fecharam em grande parte em alta nesta quinta-feira, embalados por expectativas de mais estímulos monetários na China. O governo chinês sinalizou que pretende reduzir taxas de compulsórios bancários para sustentar a segunda maior economia do mundo em meio aos impactos de uma nova onda de covid-19. / com Agência Estado

Fechamento

  • Nikkei (Tóquio):  +1,22% (27.172 pontos)
  • Hang Seng (Hong Kong): +0,67% (21.518 pontos)
  • Kospi (Seul): +0,01% (2.716 pontos)
  • Taiex (Taiwan): -0,32% (17.245 pontos)
  • S&P/ASX 200 (Sydney): +0,59% (7.523 pontos)
Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.