Logo Mais Retorno
Fundos de Investimentos

JOGO11: conheça o ETF que reflete o resultado de empresas do mundo dos games

O JOGO11 compreende 26 empresas do mercado gamer e está disponível para investidores na B3

Data de publicação:11/02/2022 às 01:50 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Não é novidade para ninguém que a indústria de games está em franco crescimento. Em época de pandemia ganhou fôlego como entretenimento, mas ela tem ampliado sua utilidade, com aplicações na aprendizagem social e desenvolvimento de habilidades cognitivas. O mercado financeiro não tem ignorado o potencial do setor e criou produtos ligados às empresas ligadas aos games, como os ETFs. O JOGO11 é um deles.

Quer saber mais sobre o assunto? Então, continue a leitura e confira os principais detalhes sobre o JOGO11 e descubra por que a indústria de games atrai cada mais a atenção do mercado financeiro.

jogo11
JOGO 11 segue índice da Nasdaq composto por gigantes do setor de games - Foto: Reprodução

Para se ter uma ideia sobre o crescimento do mundo gamer, estima-se que cerca de 35% de toda população mundial esteja conectada a algum tipo de jogo. Além disso, segundo as projeções financeiras deste mercado, a receita anual deve superar, até o final de 2023, a casa dos US$ 200 bilhões. Nesse contexto, fanáticos ou não pelo setor, os investidores brasileiros já podem contar com mais uma opção de investimento: o ETF JOGO11.

Lançado pela gestora Investo no final de 2021, o ETF tornou-se mais uma opção para aqueles que estão em busca de ativos para diversificar sua carteira. O novo Fundo de Índice, por sua vez, replica o ESPO (VanEck Video Gaming & eSports ETF), um ETF da gestora americana VanEck listado na Nasdaq — e é o segundo do Brasil a investir no mercado de jogos, atrás apenas do ETF HERO.

Quer saber mais sobre este assunto? Então, continue a leitura e confira os principais detalhes sobre o JOGO11 e descubra porque a indústria de games exerce cada mais influência sobre o mercado financeiro!

O que é o JOGO11?

Antes de entender os principais detalhes sobre o JOGO11, é preciso conhecer um pouco mais sobre os ETFs. Sendo assim, cabe mencionar que ETF é uma sigla para Exchange Traded Funds — um tipo de fundo de investimento.

Também chamado de fundo de índice, os ETFs se caracterizam por acompanhar os resultados de determinado indicador do mercado. Por sua vez, o JOGO11 é um ETF temático, ou seja, um fundo de investimento que está atrelado a temas específicos, neste caso, a indústria de games e eSports.

Isso significa que o ativo possibilita uma exposição às empresas, inclusive internacionais, deste mercado. Logo, o JOGO11 é uma opção para investidores que apostam especificamente no desempenho de games, com o objetivo de aproveitar as oportunidade do setor

Como funciona o JOGO11?

O JOGO11 é um ETF que passou a ser negociado na B3, Bolsa de valores brasileira, no dia 15 de dezembro de 2021. Como vimos, o ativo tem a gestão da Investo, e a administração do Banco BNP Paribas. É o primeiro fundo de índice brasileiro com foco diretamente atrelado à indústria de jogos.

Na prática, o JOGO11 reproduz os resultados de um dos principais indicadores do setor, o índice Global Video Gaming And eSports. Dessa forma, o ativo aplica em cotas do ETF ESPO, listado na bolsa norte-americana Nasdaq — que, por sua vez, acompanha os resultados de 26 companhias do setor de games. A soma do patrimônio desses empresas é superior a US% 600 milhões.

Entre as empresas do segmento com participação no ETF, destacam-se companhias como as americanas NVIDIA e Roblox, as japonesas Nintendo, Capcom e Konami, além da francesa Ubisoft. Ou seja, embora listada na bolsa americana, o ETF possui a participação de companhias globais de grande sucesso, o que permite a exposição dos investidores a mercados de forte expressão a nível mundial.

Por que o mercado de games é tão promissor?

A pandemia da covid-19 acabou impulsionando o mercado de jogos. Apenas em 2020 foram mais de US$ 33 bilhões aplicados em transações nas empresas do setor, conforme levantamento realizado pela InvestGames. Tais números reforçam ainda mais a tendência de crescimento deste mercado, e pode ser explicado pelo momento de distanciamento vivido à época e a transformação digital.

Vale lembrar que, em razão das restrições de moblidade adotadas para frear o avanço do número de contaminações pelo vírus, as pessoas mergulharam neste universo de jogos, movimentando todo ecossistema de games que, por sua vez, gerou um maior crescimento do entretenimento digital. Afinal, em meio ao isolamento social, esse tipo de conexão contribuiu também para a socialização à distância.

Números da indústria gamer

Segundo dados levantados pela indústria de games, apenas a China e os Estados Unidos já haviam gerado mais de US$ 75 bilhões em receitas anuais em 2021. Os dois países lideram o ranking do mercado de jogos. Mas o Brasil também ocupa uma posição de destaque nesse segmento.

De acordo com o Google, o volume de capital gerado por desenvolvedores de games no primeiro trimestre de 2020 superou em duas vezes mais a receita registrada no mesmo período do ano anterior. Além disso, cabe destacar que os valores aplicados pelos usuários brasileiros em jogos para celulares apresentaram um crescimento também expressivo.

Sendo assim, considerando ser este um cenário extremamente promissor, a indústria pode, já em 2026, superar uma receita de US$ 260 bilhões. Com isso, os jogos eletrônicos vêm ganhando cada vez mais espaço na “indústria do entretenimento”, uma vez que as produções cinematográficas hollywoodianas vêm sendo ofuscada pela imersão de bilhões de jogadores espalhados pelo mundo.

O que considerar antes de investir no mundo dos games?

Parece claro por que o setor de games vem atraindo cada vez mais o interesse dos investidores nas principais bolsas de valores do mundo. No entanto, antes de chegar à uma conclusão sobre ser este um bom investimento ou não, é importante analisar alguns fatores.

Por um lado, ETFs são oportunidades interessantes porque permite a diversificação de ativos da carteira a partir de um único aporte. E a diversificação tende a reduzir os riscos de um portfólio de investimento.

Mas o ETF envolve também aspectos negativos: ainda que o cenário seja promissor para o segmento, por se tratar de uma aplicação em renda variável, não há nenhuma garantia de que haverá lucro. Mesmo sendo o JOGO11 atrelado a gigantes do setor, uma eventual crise neste mercado pode comprometer fortemente os resultados do ETF.

De todo modo, considerando que o País está sujeito a instabilidades em ano de eleições e cenário de inflação e juros em alta e economia travada, diversificar os investimentos com exposição ao exterior pode ser uma boa saída.

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!