Logo Mais Retorno
videogame em alta
Empresa

Ações de empresas de videogame estão em alta nos EUA, segundo Wall Street Journal

Investida da Microsoft sobre a Activision, de US$ 75 bilhões, animou o setor na bolsa de Nova York

Data de publicação:19/01/2022 às 13:10 -
Atualizado 9 meses atrás
Compartilhe:

Empresas de videogames foram destaque na Bolsa de Nova York, após anúncio de acordo fechado de US$ 75 bilhões em que a Microsoft Corp. comprou a fabricante Activision Blizzard Inc. As ações da empresa de videogame subiram e fecharam em alta de 26% no pregão desta terça-feira, a maior alta desde 1995, com visibilidade no S&P 500.

O negócio indica duas tendências na consolidação do mercado de videogames, segundo o Wall Street Journal: o impulso dos dispositivos móveis e a construção do metaverso. Também a Electronic Arts Inc. registrou seu melhor ganho porcentual desde novembro.

videogame em alta

 "Vai começar um grande efeito em cascata em termos de consolidação para outras fabricantes de videogames", disse o analista da Wedbush Securities Dan Ives.

Há um aquecimento nos negócios entre as empresas de videogames, que vêm aumentando nos últimos anos, diante da crescente popularidade dos jogos, principalmente em dispositivos móveis.

Os jogos em celulares representam o ponto de maior e mais rápido crescimento do setor de videogames como um todo. No ano passado, os gastos com jogos em dispositivos móveis somaram US$ 93,2 bilhões, acima dos US$ 87,1 bilhões gastos com jogos em computador e console, combinados.

Metaverso na pauta

Além disso, os videogames também são vistos por analistas e executivos do setor como um caminho para o metaverso, o mundo virtual onde as pessoas podem jogar, trabalhar e fazer compras em diferentes plataformas, por meio de avatares digitais.

O interesse pelo metaverso ganhou força desde que o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou, em outubro, a mudança do nome da empresa para Meta Platforms Inc., com o objetivo de ressaltar sua determinação de capitalizar no emergente mundo da realidade virtual e aumentada.

A compra da Activision pela Microsoft vai acelerar mais negócios no setor, segundo analistas, à medida que grandes empresas de tecnologia buscam ampliar suas ofertas ao consumidor por meio da aquisição de fabricantes e desenvolvedoras de jogos, que ganharam mais adeptos durante a pandemia.

A investida da Microsoft pela Activision, dona das franquias Call of Duty, World of Warcraft e Candy Crush, também deve ajudar a empresa a ganhar maior competitividade nas áreas de streaming e no metaverso, acrescentaram.

 "À medida que mais empresas de tecnologia e mídia reconhecem o alcance e os gastos gerados pelos jogos eletrônicos, assim como seu poder na posição de linha de frente para futuras oportunidades no metaverso, esperamos ver mais fusões e aquisições na área", escreveu Andrew Marok, analista da Raymond James & Associates, em relatório.

A alta das ações

A perspectiva de novos negócios provocou a alta das ações de videogames na terça-feira. A Electronic Arts ganhou US$ 3,47, ou 2,7%, para fechar a US$ 133,91, enquanto as ações da Ubisoft listadas nos EUA ganharam 8,5%, e da Nintendo, 2,2%. A Activision fechou a US$ 82,31, com ganho de US$ 16,92.

 A alta foi registrada apesar da queda dos principais índices de ações dos EUA. O S&P 500 perdeu 1,8% e o Nasdaq Composite caiu 2,6%, prejudicados pela alta no rendimento dos títulos do Tesouro na terça-feira.

Nem todas as ações de empresas de videogames subiram na terça-feira. A Roblox Corp, que abriu o capital em março do ano passado, registrou queda de 42% em suas ações, em relação ao pico observado em novembro, diante de preocupações com uma recente interrupção nos serviços e com seu potencial de crescimento na China. As ações da empresa caíram 2,3% na terça-feira.

 "Outras empresas de jogos eletrônicos estão em alta agora porque o mercado está observando quem será a próxima", disse Ives, da Wedbush.

Investimentos

 No setor de videogames, os investimentos em capital de risco quase dobraram no ano passado, para US$ 11,2 bilhões, de US$ 6,4 bilhões em 2020, enquanto os gastos com fusões e aquisições quase triplicaram, para US$ 26,2 bilhões no ano passado, contra US$ 8,9 bilhões em 2020, como mostram dados da PitchBook.

 Neste ano, o ímpeto com os negócios na área de videogames persiste. Na semana passada, a Take-Two Interactive Software Inc. fechou acordo para comprar a Zynga Inc. por quase US$ 11 bilhões.

Ao adquirir a Activision, a Microsoft dará um passo significativo no segmento dos jogos em celulares. Os jogos Call of Duty: Mobile, Candy Crush Saga e Candy Crush Soda Saga, da Activision, são os campeões na App Store da Apple Inc. e no Google Play da Alphabet Inc., segundo a Sensor Tower Inc. Os jogos para dispositivos móveis da empresa, de forma geral, acumulam aproximadamente 3,7 bilhões de instalações e US$ 16,1 bilhões em gastos por parte dos jogadores no mundo todo desde janeiro de 2014, segundo a empresa de inteligência analítica.

 A Microsoft já tem presença em celulares, com o Minecraft, adquirido em 2014, quando comprou a criadora da franquia de construção com blocos, Mojang AB, por US$ 2,5 bilhões. Desde então a versão para celular do Minecraft já foi baixada mais de 237 milhões de vezes no mundo todo e gerou quase US$ 1,1 bilhão em gastos pelos usuários, segundo a Sensor Tower, tornando-se o principal jogo para celular da Microsoft.

O segundo jogo para celular da Microsoft em termos de número de downloads e receita é o Fallout Shelter, adquirido quando a empresa comprou a ZeniMax Media Inc., dona da desenvolvedora de jogos Bethesda Softworks, por US$ 7,5 bilhões, em 2021.

De forma geral, os gastos com software de jogos cresceram cerca de 23% em 2020, em relação ao ano anterior, segundo estimativas da Newzoo BV. Embora o crescimento tenha se reduzido a cerca de 1,4% no ano passado, os gastos totais ainda somaram quase US$ 180 bilhões, segundo a empresa de inteligência analítica.

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

Inscreva-se em nossa newsletter