Logo Mais Retorno
inflação
Economia

IPCA-15 de agosto tem queda e expectativas são de baixa para o índice cheio no mês

Desaceleração da inflação deve levar ao fim do ciclo de aperto monetário do Copom

Data de publicação:24/08/2022 às 05:00 -
Atualizado um ano atrás
Compartilhe:

Depois de uma queda de 0,68% no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de julho, o IPCA-15 de agosto, divulgado na manhã desta quarta-feira, 24, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), registrou uma deflação de 0,73%. O indicador, que é medido entre a segunda metade do mês anterior e a primeira metade do mês corrente, é considerado a prévia oficial da inflação brasileira. 

O resultado veio abaixo das expectativas do mercado. Carla Argenta, economista-chefe da CM Capital, disse que as expectativas da corretora eram de uma baixa de 0,80% no IPCA-15 de agosto, enquanto analistas do BTG Pactual previam queda de 0,85%. A surpresa veio, sobretudo, do grupo de Alimentos - os especialistas esperavam arrefecimento nos preços, o que não aconteceu.

Boletim Focus ipca-15
IPCA segue muito acima do teto da meta da inflação para 2022 | Foto: Reprodução

No entanto, a deflação observada neste indicador faz crescer as expectativas de que o IPCA cheio tenha uma nova variação negativa em agosto. O economista-chefe da Acrefi, Nicola Tingas, afirma que outros fatores indicam uma desaceleração gradual da inflação. Entre os principais pontos que podem impactar o índice, Tingas destaca:

  • A sazonalidade favorável de alimentos e preços competitivos;
  • A acomodação gradual do preço de grãos;
  • A taxa de câmbio moderadamente menor;
  • A queda do patamar dos preços de petróleo no exterior.

“Em agosto, o índice deve ter nova deflação próxima de 0,25% no mês e poderá situar-se abaixo de 9,0% no acumulado 12 meses”, comenta o economista. 

Expectativas para além do IPCA-15 de agosto

Caso as perspectivas se concretizem e o IPCA-15 e o índice cheio de agosto recuarem, crescem as expectativas de que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) deva finalizar o seu ciclo de aperto monetário já em sua próxima reunião, prevista para 20 e 21 de setembro. 

“Finalmente, o expressivo aperto monetário promovido pelo Banco Central chegou ao seu pico com Selic de 13,75%; ou de 14,00% no Copom de setembro, para apoiar a “ancoragem de expectativas” de longo prazo de convergência nas metas de inflação.”

Nicola Tingas, economista-chefe da Acrefi 

Em contrapartida, mesmo com a desaceleração da pressão inflacionária e a possibilidade de fim do ciclo de alta da taxa básica de juros nos próximos meses, a escalada dos preços observada no último ano e a Selic alta afetaram, também, as projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) do País.

“Atualmente, o PIB recebe impulso por efeito de elevados gastos públicos, expressivos montantes de auxílios governamentais e crédito público e também crédito privado, mesmo que seletivo. Contexto que levou as projeções de PIB 2022 para 2,0% a 2,5%”, explica Tingas. No entanto, a situação macroeconômica vivida pela população (principalmente a de baixa renda) até aqui afetou os níveis de consumo e, dessa forma, o PIB de 2023 também deve ser “bastante reduzido”, finaliza o economista.

Leia mais

Sobre o autor
Bruna Miato
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

® Mais Retorno. Todos os direitos reservados.

O portal maisretorno.com (o "Portal") é de propriedade da MR Educação & Tecnologia Ltda. (CNPJ/MF nº 28.373.825/0001-70) ("Mais Retorno"). As informações disponibilizadas na ferramenta de fundos da Mais Retorno não configuram um relatório de análise ou qualquer tipo de recomendação e foram obtidas a partir de fontes públicas como a CVM. Rentabilidade passada não representa garantia de resultados futuros e apesar do cuidado na coleta e manuseio das informações, elas não foram conferidas individualmente. As informações são enviadas pelos próprios gestores aos órgãos reguladores e podem haver divergências pontuais e atraso em determinadas atualizações. Alguns cálculos e bases de dados podem não ser perfeitamente aplicáveis a cenários reais, seja por simplificações, arredondamentos ou aproximações, seja por não aplicação de todas as variáveis envolvidas no investimento real como todos os custos, timming e disponibilidade do investimento em diferentes janelas temporais. A Mais Retorno, seus sócios, administradores, representantes legais e funcionários não garantem sua exatidão, atualização, precisão, adequação, integridade ou veracidade, tampouco se responsabilizam pela publicação acidental de dados incorretos.
É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos, ilustrações ou qualquer outro conteúdo deste site por qualquer meio sem a prévia autorização de seu autor/criador ou do administrador, conforme LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
® Mais Retorno / Todos os direitos reservados