Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Inflação de fevereiro e guerra na Europa dividem a atenção do mercado nesta sexta-feira

Efeitos da guerra não devem aparecer nos números do IPCA de fevereiro

Data de publicação:11/03/2022 às 00:30 -
Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

As últimas notícias sobre a guerra na Ucrânia devem compartilhar a  atenção do mercado financeiro nesta sexta-feira, 11, com a inflação de fevereiro, que o IBGE divulga logo pela manhã. Lá fora, o apetite ao risco segue em curso, com os futuros americanos e as bolsas europeias operando em alta. O preço do barril do petróleo segue na mesma toada.

O IPCA calculado de ponta a ponta no mês não deve refletir ainda nova dinâmica de preços, sob o cenário de conflito na Europa, mas pode dar uma ideia do que poderia vir por aí como impacto de alta de alimentos, commodities e combustíveis.

Inflação de fevereiro e guerra na Europa dividem a atenção do mercado nesta sexta-feira
Inflação e guerra dividem a atenção do mercado nesta sexta-feira -Foto: Pinterest

Especialistas lembram que o índice deste mês reflete a variação de preços apenas até 25 de fevereiro, dia seguinte ao início da guerra na Ucrânia. E foi o conflito militar na Europa que desencadeou a escalada de preços de commodities, como petróleo e minérios, além de alimentos.

Futuros/bolsas americanas

  • S&P 500: +0,45%
  • Dow Jones: +0,37%
  • Nasdaq 100: +0,49% (dados atualizados às 7h29)

Bolsas europeias/principais índices

  • Stoxx 600 (Europa): +1,14%
  • DAX (Frankfurt): +1,59%
  • FTSE 100 (Londres): +1,17%
  • CAC 40 (Paris): +0,96% (dados atualizados às 7h31)

Efeitos da guerra ainda não estão na inflação de fevereiro

São alterações de preços, em escala global, que devem pressionar adicional e pesadamente na inflação, segundo analistas. Mas ainda sem alterar as expectativas para a inflação de fevereiro.

Gustavo Bertotti, head de Renda Variável da Messem Investimentos, prevê os efeitos da recente alta de preços para a inflação de março, com provável impacto na condução da política monetária. Especialmente após o reajuste nos preços de gasolina, diesel e gás de cozinha, definido pela Petrobras no dia anterior.

A expectativa de alta adicional de juros pelo Banco Central pressiona os juros futuros, o que na prática gera impacto nocivo nas condições financeiras do mercado. Principalmente das empresas endividadas ou das que precisam de crédito bancário para tocar ou ampliar os projetos.

O custo de financiamento mais caro impacta negativamente as empresas descapitalizadas que negociam ações na bolsa, sobretudo as de médio e pequeno porte.  Ao contrário das empresas de primeira linha, as chamadas blue chips, líderes do setor em que atuam e com folga financeira.

Um evento no mundo corporativo nesta sexta-feira é a divulgação, após o fechamento do mercado, do balanço da Gol GOLL4. Dados que atraem interesse porque a empresa foi uma das mais atingidas pela crise da covid-19.

Inflação americana pode trazer um pouco de cautela

Bertotti, da Messem Investimentos, prevê um mercado ainda um pouco cauteloso nesta sexta-feira com os dados de inflação preocupantes revelados pelo CPI, índice de preços ao consumidor, divulgados nos EUA. E também cauteloso nesta véspera de fim de semana.

Por lá, na noite anterior, o Senado americano aprovou o pacote de US$ 1,5 trilhão para financiar o governo federal no ano fiscal de 2022. A conclusão se dá após meses de disputa entre democratas e republicanos para enviar ajuda rápida à Ucrânia, que receberá uma verba de US$ 13,6 bilhões.

O projeto também fornece mais de US$ 3 bilhões para a apoio a missões de operações do Comando Europeu, envio de pessoal para a região próxima à Ucrânia e apoio de inteligência. O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que os militares do país não entrarão na Ucrânia, mas que o país enviará tropas, sistemas de defesa aérea e outros equipamentos para a Polônia e outros estados da Otan no Leste Europeu.

Guerra entre Rússia e Ucrânia: tropas russas se espalham por cidades ucranianas

Com a falta de entendimento sobre um cessar-fogo na véspera, a Rússia segue se espalhando por cidades ucranianas. nquanto forças russas continuavam a bombardear a cidade portuária de Mariupol nesta quinta-feira, 10, fotos de satélite mostraram que um enorme comboio que estava nos arredores da capital ucraniana se dividiu e se espalhou em cidades e florestas perto de Kiev, com peças de artilharia movidas para posições de tiro.

Enquanto isso, em Mariupol, a situação é cada vez mais delicada à medida que os civis cercados procuram comida e combustível na cidade. Mais de 1.300 pessoas morreram no cerco de 10 dias à cidade gelada, disse a vice-primeira-ministra Iryna Vereshchuk. Os moradores não têm serviço de aquecimento ou telefone - e muitos não têm eletricidade.

A condenação internacional aos bombardeios em Mariupol aumentou devido a um ataque aéreo no dia anterior que matou três pessoas em uma maternidade. Autoridades ocidentais e ucranianas classificaram o ataque como um crime de guerra.

Bolsas asiáticas fecham em baixa

Os mercados asiáticos fecharam majoritariamente em baixa nesta sexta-feira, 11, em meio às incertezas da guerra na Ucrânia e temores com a persistência da inflação alta nos EUA. / com Júlia Zillig e Agência Estado

Bolsas asiáticas/fechamento

  • Nikkei (Tóquio): -2,05% (25.162 pontos)
  • Hang Seng (Hong Kong): -1,61% (20.553 pontos)
  • Kospi (Seul): -0,71% (2.661 pontos)
  • Taiex (Taiwan): -0,97% (17.264 pontos)
  • Xangai Composto (China continental): +0,41% (3.309 pontos)
  • Shenzhen Composto (China continental): +0,56% (2.173 pontos)
  • S&P/ASX 200 (Sydney): -0,94% (7.063 pontos)
Sobre o autor
Tom Morooka
Colaborador do Portal Mais Retorno.