Logo Mais Retorno
Fundos de Investimentos

Hashdex: Ethereum e litecoin ‘salvaram o mês’ da gestora após queda do bitcoin

Novembro foi um mês majoritariamente negativo para os criptoativos

Data de publicação:09/12/2021 às 12:48 -
Atualizado 5 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Em um mês de novembro difícil para o bitcoin, que acumulou baixa de 5,3%, os cinco fundos de investimento da Hashdex, casa que atua com gestão ativa de criptoativos, fecharam o período em queda. O estrago só não foi pior graças aos bons resultados de algumas outcoins, especialmente o ethereum (ETH), o litecoin (LTC) e o bitcoin cash (BCH), que avançaram 9,6%, 10,2% e 3,9% no mês, respectivamente.

O fundo que mais sangrou no mês foi o Bitcoin 100%, em baixa de 8,26%. O menos impactado foi o Hashdex 20, -0,02%. Esse fundo, considerado o veículo de entrada do investidor na plataforma de criptos da gestora carioca, tem 80% de sua alocação em títulos conservadores, que operam como um colchão de proteção para as oscilações do bitcoin (veja o resultado dos fundos na tabela mais abaixo).

Fundos de criptoativos da Hashdex
Em novembro, desempenho dos fundos da Hashdex foi negativo

Para além da valorização (ou, no caso, a desvalorização) do portfólio, a Hashdex ocupou boa parte de sua carta de dezembro falando sobre temas correlatos ao universo de tecnologia, com impactos que dizem serem diretos na valorização atual e futura das moedas virtuais.

Entre eles, o metaverso, esse novo conceito de internet liderado pelo Facebook, que até mudou de nome, para Meta. Segundo a carta, a procura de marcas e investidores por terrenos virtuais movimentou e ainda vai movimentar o uso de criptos. As empresas estão usando o bitcoin para adquirir cotas do metaverso.

Outro assunto destacado pela Hashdex é o NFT, considerado a palavra do ano pelo dicionário Collins.

Nasdaq Crypto Index (NCI) e a (des)valorização do Bitcoin

Em novembro, o Nasdaq Crypto Index (NCI), índice base para os produtos da Hashdex, fechou em baixa de 0,46% em novembro, aos 3.720 pontos. O índice atingiu o seu menor patamar do mês, 3.400 pontos, no último dia 26, quando a notícia sobre o surgimento de uma nova variante de coronavírus, a ômicron, tomaram conta dos mercados globais.

A maior parte das moedas que compõem o NCI também fecharam o mês em baixa.

  • Bitcoin (BTC) caiu 5,3%
  • Stellar Lumens (XML) caiu 7,5%
  • Chainlink (LINK) caiu 11,9%
  • Uniswap (UNI) caiu 15,4%
  • Filecoin (FIL) caiu 14,7%

Ao contrário, o Ethereum (ETH), o Litecoin (LTC) e o Bitcoin Cash (BCH) avançaram 9,6%, 10,2% e 3,9% no mês, respectivamente.

O desempenho do índice ao longo do ano, no entanto, está no azul. De acordo com a Área de Pesquisa da Hashdex, até 30 de novembro, a performance do NCI era positiva em 156,7% ao longo de 2021. Já na comparação anual, de 1° de dezembro de 2020 a 1° de dezembro de 2021, o NCI disparou 272%.

Embora o resultado de novembro tenha sido negativo, a Hashdex comenta que, no primeiro terço do mês, o NCI chegou ao seu maior patamar histórico até aqui, acima de 4.000 pontos. A aprovação do primeiro EFT futuro de Bitcoin nos Estados Unidos nos últimos dias de outubro foi o motor que impulsionou a subida do índice. O Bitcoin, por sua vez, também marcou a sua máxima histórica, de UU$ 69 mil, no último dia 9, para depois voltar a cair.

Rentabilidade dos fundos da Hashdex

Com a rentabilidade negativa do principal índice de referência de criptoativos no mundo, os fundos da Hashdex também foram impactados em novembro. No entanto, o retorno deles no longo prazo tem se mostrado bastante positivo, até o momento. Confira a rentabilidade dos fundos na tabela a seguir.

FundoNo mêsNo anoEm 12 mesesDesde o início
Hashdex 20 NCI-0,02%31,32%39,37%73,90%
Hashdex 40 NCI-0,60%62,75%82,76%209,54%
Hashdex 100 NCI-2,28%165,63%246,91%745,03%
Bitcoin 100%-8,26%112,31%197,03%373,79%
Ouro Bitcoin Risk Parity-0,83%16,45%-16,43%
Fonte: Hashdex

A revolução digital foi o destaque de novembro para a Hashdex

Desde que Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, anunciou, em 28 de outubro, que o conglomerado de mídias sociais agora se chama Meta os olhos de investidores ao redor do mundo se voltaram aos novos sinais de uma revolução digital. Em 2021, além do maior interesse no metaverso, cresceu também a busca por termos específico do universo da tecnologia.

NFT: a palavra do ano

Para quem acompanha o noticiário de tecnologia há algum tempo, o termo NFT não deve ser uma novidade já há algum tempo. Mas em 2021, com a ideia de uma revolução digital cada vez mais próxima, o uso da palavra aumento mais de 11.000% desde o último ano, segundo o dicionário Collins.

A Hashdex destaca, inclusive, que NFT superou outras palavras que refletem a pandemia do coronavírus em andamento, como "trabalho híbrido" e "double-vaxxed" (vacinado com duas doses, na tradução".

"Esse fato demonstra a relevância e o crescimento que o mercado de criptoativos tem conquistado. A ideia de uma revolução digital é tão nítida que também é capturada por outros termos que compõem o top 10 do dicionário, como: 'crypto', abreviação de criptomoeda e 'metaverse', referente a um mundo virtual interativo".

Hashdex Capital

A gestora ressalta ainda que a definição do próprio Collins para NFT é um "certificado digital exclusivo, registrado em um blockchain, que é usado para registrar a propriedade de um ativo, como uma obra de arte ou um colecionável".

Metaverso: a nova corrida especial entre empresas

"Dias depois do anúncio de que o Facebook agora se chama Meta, os irmãos Winklevoss antigos sócios de Mark Zuckerberg e fundadores da Gemini, uma plataforma de investimento em cripto - captaram US$ 400 milhões para desenvolver um metaverso com 'tecnologia que protege os direitos e a dignidade dos indivíduos', segundo Cameron Winklevoss", destaca a carta.

Além disso, a gestora comenta que outros eventos também marcaram a expansão da discussão sobre o metaverso dentro do mercado financeiro nas últimas semanas, como as compras milionária de terrenos virtuais nos metaversos descentralizados da Decentraland e Axie Infinity e, ainda, outras empresas gigantes, como Adidas, Nike, Samsung e Microsoft, anunciando iniciativas dentro dessa tecnologia.

A Hashdex explica que "essa onda de interesse" levou à uma disparada no preço de alguns criptoativos relacionados ao metaverso, sobretudo os ativos Decentraland (MANA), Gala (GALA) e The Sandbox (SAND).

Sobre o autor
Bruna Miato
Repórter na Mais Retorno