Logo Mais Retorno
Renda Variável

Carteiras recomendadas de fevereiro: commodities e setor financeiro têm a preferência das casas

Setores recomendados têm um forte peso na composição do Índice Bovespa

Data de publicação:04/02/2022 às 00:30 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Após um mês bastante positivo para o Ibovespa, que acumulou um avanço de 6,98% em janeiro, surpreendendo investidores e analistas, a pergunta que o mercado se faz e se essa tendência altista deve continuar. Tendo em vista que 2022 é ano eleitoral e a percepção é a de que a inflação siga em alta nesses próximos meses, especialistas explicam que o cenário ainda é de cautela e as perspectivas são de bastante volatilidade para a Bolsa de Valores.

Nesse sentido, diversas casas de investimento em fevereiro optaram por manter suas carteiras recomendadas com alocações nos setores com mais peso na composição do Ibovespa: commodities e setor financeiro. Todos esses setores foram bastante descontados no decorrer do último ano e oferecem boas oportunidades aos investidores.

carteiras recomendadas de fevereiro
Minério de ferro está nas cinco carteiras recomendadas para o mês - Foto: Reprodução

"O primeiro pelotão (bancos e commodities) já partiu e agora o mercado poderá buscar novas oportunidades e setores mais depreciados como varejo, construção civil e empresas de menor capitalização. Mas atenção, seja vigilante e busque acompanhar o mercado o quanto puder, afinal, o que é verdade hoje, pode não ser amanhã".

Genial Investimentos

Commodities: destaque para o minério de ferro

Todas as cinco carteiras analisadas para esta reportagem da Mais Retorno têm pelo menos uma alocação entre as empresas brasileiras exportadoras de minério de ferro. Depois de um ciclo de forte baixa no segundo semestre de 2021, com a redução de demanda da China, a commodity voltou a se valorizar nas primeiras semanas de 2022, na esteira do aumento da demanda global, com a retomada da atividade econômica após o pior momento da pandemia de covid-19.

A empresa que mais se destacou entre as recomendações foi a Vale, presente nas carteiras da Genial, Guide, Ativa e Banco Inter. De acordo com a Ativa, "o aumento das taxas internacionais de juros e a sazonalidade comumente ocorrida em janeiro contribuíram para que mais investidores se interessassem pelo case da mineradora, que deverá continuar pagando fortes dividendos em 2022".

"Em nossa visão, a Vale é uma das principais beneficiadas pelo aumento do preço do minério internacional e da alta do dólar em relação ao real, visto que é uma das principais empresas exportadoras do país e está entre as empresas mineradoras mais relevantes do mundo. Além disso, seus produtos possuem um desconto em relação ao minério internacional, e na hipótese de paridade entre esses valores, a empresa conseguiria capitalizar ganhos relativamente maiores que seus concorrentes estrangeiros".

Guide Investimentos, em relatório

Gerdau e Usiminas nas carteiras recomendadas

Além da Vale, também foram destaques nas carteiras de fevereiro as siderúrgicas Gerdau e Usiminas, recomendadas por Guide, Ativa e Banco Inter e pela Toro, respectivamente.

Sobre a Gerdau, o Banco Inter comenta que a companhia deve ter mais um ano forte, com resultados crescentes e boa geração de caixa. "Com exposição a diferentes segmentos da cadeia do aço e também a diferentes geografias, a Gerdau está bem posicionada para aproveitar as oportunidades e sobrepor os desafios que esperamos para o próximo ano", diz a instituição.

Já sobre a Usiminas, a Toro considera que, por por "atuar de forma verticalizada ao longo da cadeia do aço, com atividades nas áreas de mineração, logística, bens de capital, centros de serviços e soluções customizadas para a indústria", a empresa deve se beneficiar do movimento de alta no minério de ferro.

Setor financeiro

De acordo com a Toro Investimentos, as ações do setor financeiro foram impactadas nos últimos dois anos enquanto a Selic, taxa básica de juros, estava nos menores patamares históricos, o que levou a uma redução de spreads. "Uma vez que os juros baixos propiciaram maior oferta de crédito e mais competitividade para o setor, os bancos podem se beneficiar de um ciclo de alta da Selic", explicam os analistas.

"Isso tende a acontecer porque agora o movimento esperado diante de juros maiores é o contrário: crescerá também o nível de risco na concessão de empréstimos e financiamentos, o que implica naturalmente um prêmio maior para remunerar as instituições credoras. Além dos bancos, seguradoras, empresas de cartões de crédito e de meios de pagamento tendem a se beneficiar com o aumento da taxa básica de juros".

Toro Investimentos

Empresas do setor financeiro nas carteiras recomendadas

  • Itaú Unibanco foi recomendado pela Genial, Guide, Banco Inter e Ativa;
  • Bradesco foi recomendado pela Genial;
  • Banco Inter foi recomendado pela Toro;
  • Banco do Brasil foi recomendado pelo Banco Inter;
  • BB Seguridade foi recomendado pelo Banco Inter.
Sobre o autor
Bruna Miato
Repórter na Mais Retorno