Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Bolsa fecha a semana em queda de 5,30% e dólar sobe 3,20% com forte aversão ao risco no exterior e baixa das ações de commodities

O dia foi marcado por vencimento de opções de ações na B3 e temor dos investidores sobre uma possível recessão global

Data de publicação:17/06/2022 às 18:22 -
Atualizado 14 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Em uma semana mais curta, a Bolsa fechou o período em queda de 5,30%, e o dólar em alta de 3,20%. No dia, o Ibovespa concluiu a sessão em queda de 2,90%, aos 99.824 pontos, atingindo a mínima do ano, e a moeda americana subiu 2,35%, cotada a R$ 5,144.

O principal indicador da B3 foi influenciado pela volta do feriado, dia de vencimento de opções de ações e forte aversão ao risco no exterior, com os investidores temendo uma recessão global após o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) adotar um ciclo monetário mais agressivo, ao optar por uma elevação de 0,75 ponto porcentual na taxa de juros.

Bolsa
Investidores seguiram repercutindo a decisão de política monetária mais agressiva do Fed, com receio de uma recessão econômica global, o que deprimiu os mercados - Foto: Reprodução

Nos papeis, a baixa no preço de commodities energéticas como minério de ferro e petróleo impactaram no recuo acentuado dos papeis das gigantes siderúrgicas e petroleiras no pregão. A Vale fechou o dia em queda de 5,22%. Já a Gerdau, CSN e Usiminas encerraram com queda de 6,24%, 6,00% e 7,89%, respectivamente.

A Petrobras também teve um dia de perdas na sessão, refletindo não somente a baixa do preço do petróleo de mais de 5%, mas também o anúncio sobre o reajuste de mais de 5% no preço da gasolina e de mais de 14% no valor do litro do diesel, decisão duramente criticada pelo governo. Com isso, os papeis preferenciais da petroleira recuaram 6,09% no período.

Já os bancos registraram baixa nas ações, porém menos acentuadas do que dos papeis de commodities, ajudando a puxar o Ibovespa para baixo. Itaú, Bradesco e Santander concluíram o pregão desta sexta-feira com desvalorização de 1,26%, 1,54% e 1,35%, nesta ordem.

Outro ponto que ajudou no forte mau humor da Bolsa foi a repercussão do comunicado do Copom da última reunião de quarta-feira, 15, ao elevar a Selic, taxa básica de juros, a 0,50 ponto porcentual, a 13,25% ao ano, e a sinalização de que outras altas de igual ou menor magnitude podem ocorrer.

O dia na Bolsa

Maiores altas

EmpresaTickerVariação
CVCCVCB3+11,19%
QualicorpQUAL3+4,56%
AlpargatasALPA4+4,10%
EnergisaENGI11+3,25%
HapvidaHAPV3+3,19%

Maiores baixas

EmpresaTickerVariação
3R PetroleumRRRP3-9,51%
Gerdau MetalurgiaGOAU4-8,51%
PetroRioPRIO3-8,79%
GerdauGGBR4-7,89%
BraskemBRKM5-7,64%
Fonte: B3

Mercado internacional: EUA e Europa fecham mistas

As bolsas americanas e europeias fecharam a sexta-feira sem direção única, após as sinalizações de um ciclo monetário mais agressivo por parte do Fed e as fortes perdas da véspera.

No dia anterior, os negócios reagiram aos aumentos de juros em EUA, Suíça e Reino Unido, todos em reação à persistente escalada dos preços. Na manhã desta sexta-feira, investidores buscaram oportunidades de compras e apontaram para um esforço de retomada nas principais praças acionárias do globo.

O ímpeto, contudo, foi dificultado pela indicação de que o Fed seguirá resoluto no combate à alta inflacionária.

Tradicional defensor da política monetária relaxada, o presidente da distrital do BC americano em Minneapolis, Neel Kashkari, surpreendeu ao afirmar que não só apoiou o ajuste de 75 pontos-base nos juros na última quarta-feira, como também pode endossar nova elevação nesse ritmo em julho.

A líder da distrital de Kansas City, Esther George, explicou que votou por um aumento menor, de 50 pontos-base, por temores de que uma alta "abrupta" pudesse prejudicar famílias e empresas. De qualquer forma, a dirigente reforçou compromisso com a estabilidade de preços.

O presidente do Fed, Jerome Powell, também defendeu determinação em retornar a inflação de volta à meta de 2%.

Bolsas americanas/fechamento

  • S&P 500: +0,22% (365,86 pontos)
  • Dow Jones: -0,13% (29.888 pontos)
  • Nasdaq 100: +1,24% (11.265 pontos)

Bolsas europeias/fechamento

  • Stoxx 600 (Europa): +0,09% (403,24 pontos)
  • DAX (Frankfurt): +0,67% (13.126 pontos)
  • FTSE (Londres): -0,41% (7.016 pontos)
  • CAC 40 (Paris): -0,06% (5.882 pontos)

Com Agência Estado

Leia mais

Ações da Petrobras despencam mais de 8%; entenda o porquê (maisretorno.com)
Petrobras: Bolsonaro sugere CPI sobre a empresa e seus diretores (maisretorno.com)
Bolsa derrete com temor de recessão no mundo (maisretorno.com)
Fed reforça compromisso de segurar a inflação (maisretorno.com)
Selic a 13,25%: o que é melhor título pré ou pós-fixado (maisretorno.com)

Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.