Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Bolsa fecha em alta de 2,04% com exterior no azul e impulsionada pela Vale e Petrobras; dólar cai a R$ 5,34

Investidores repercutiram ata do Fed, do BCE, risco fiscal interno e Reino Unido

Data de publicação:07/07/2022 às 17:40 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:

Em uma sessão positiva ao longo de todo o dia, a Bolsa fechou o pregão desta quinta-feira, 7, em alta acentuada de 2,04%, ultrapassando os 100 mil pontos - 100.729 - e o dólar foi na mão contrária, concluindo o dia em queda de 1,42%, cotado a R$ 5,34.

O desempenho do Ibovespa foi fortemente influenciado pela sessão positiva para as ações das gigantes do setor exportador de commodities, como Vale e Petrobras, que refletiram o avanço no preço do minério de ferro e petróleo no mercado internacional. A mineradora subiu 3,24% e a petroleira, 3,00% (ações PN).

Bolsa
Dia positivo para as ações da Vale no pregão ajudaram a impulsionar a forte alta do Ibovespa - Foto: Reprodução

Globalmente, os investidores seguiram repercutindo a ata do Fomc (Copom americano), divulgada na véspera, que sinalizou a necessidade de um ajuste na taxa básica de juros dos Estados Unidos entre 0,5 e 0,75 ponto porcentual na próxima reunião.

No entanto, Cristiane Quartaroli, economista do Banco Ourinvest, afirma que, apesar de anunciar uma alta expressiva – a mais elevada desde 1994 – o Fed não mencionou nada sobre uma possível recessão, o que abriu espaço para a realização de ganhos no mercado de renda variável.

“Notícias ruins vira boas novas. O processo de desaceleração econômica americana acaba animando os mercados pelo desaquecimento que já vem sendo notado em vários setores da economia, com uma queda no ritmo de produção e demanda, o que ajuda a reduzir a pressão sobre a inflação de demanda. Já a inflação de oferta vai depender da finalização da guerra na Ucrânia”.

Davi Lelis, economista e sócio da Valor Investimentos

Brasil: PEC dos Benefícios

Internamente, as atenções foram voltadas para o risco fiscal, com a votação da PEC dos Benefícios sendo iniciada nesta quinta-feira. No entanto, Quartaroli faz um alerta, de que “qualquer movimento nesse sentido pode minar o bom humor do mercado”.

De acordo com Marcus Labarthe, sócio-fundador da GT Capital, a PEC vai trazer custos maiores para o País, mas pode beneficiar o setor de varejo.

“Isso porque benefícios fazem com que pessoas tenham mais dinheiro para consumir. E esse cenário beneficia o setor de varejo. Lembrando que, junto com setor de construção civil, o setor de varejo foi um dos que mais pesou de forma negativa nesse ano. Empresas como  Magazine Luiza e Via Varejo caíram, em média, mais de 80%. Então, é natural que o mercado veja oportunidades”, avalia.

Marcus Labarthe, da GT Capital

O dia na Bolsa

Maiores altas

EmpresaTickerVariação
CVCCVCB3+10,62%
YduqsYDUQ3+8,62%
MRVMRVE3+6,42%
GerdauGGBR4+5,76%
CSNCSNA3+5,36%

Maiores baixas

EmpresaTickerVariação
JBSJBSS3-1,22%
MarfrigMRFG3-0,93%
LocawebLWSA3-0,61%
SuzanoSUZB3-0,57%
DexcoDXCO3+0,41%
Fonte: B3

Mercado internacional: bolsas globais fecham no positivo

Nos Estados Unidos, as bolsas encerraram o dia no positivo, assim como nas principais praças financeiras da zona do euro.

O quadro foi positivo desde o início do dia, com investidores atentos à política do Reino Unido, a indicadores e também à ata da mais recente reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), divulgada durante a manhã.

O premiê do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou sua renúncia, mas seguirá no posto até que o Partido Conservador chegue a um consenso sobre a sucessão. Logo após Johnson se pronunciar, as bolsas europeias aceleraram ganhos.

Na agenda de indicadores, a produção industrial da Alemanha cresceu 0,2% em maio ante abril, menos que a alta de 0,3% projetada pelos analistas. A Oxford Economics acredita que a economia alemã sofrerá contração econômica em abril, com risco crescente de recessão técnica na maior economia do continente.

O BCE, por sua vez, publicou sua ata no começo da manhã. O documento mostrou a preocupação dos dirigentes com a inflação, mas também apontou que uma alta de juros inicial muito agressiva poderia provocar reação excessiva nos mercados.

Para o ING, o BCE deixou a porta aberta para uma alta de 50 pontos-base em julho, mas o Morgan Stanley e o Commerzbank avaliaram que uma elevação de 25 pontos-base neste mês é o mais provável. / com Agência Estado

Fechamento das bolsas americanas

  • S&P 500: +1,46% (388,84 pontos)
  • Dow Jones Industrial Average: +1,12% (31.383 pontos)
  • Nasdaq 100: +2,16% (12.109 pontos)

Fechamento das bolsas europeias

  • Stoxx 600 (Europa): +1,89% (415,02 pontos)
  • FTSE 100 (Inglaterra: +1,14% (7.189 pontos)
  • DAX (Alemanha): +1,97% (12.843 pontos)
  • CAC 40 (França): +1,60% (6.006 pontos)

Leia mais

Economia no segundo semestre de 2022: quais as perspectivas? (maisretorno.com)
Bolsa opera com alta acentuada, acompanhando exterior e commodities (maisretorno.com)
Boris Johnson renuncia ao cargo de primeiro-ministro do Reino Unido (maisretorno.com)
Waller, do Fed, apoia alta de 75 pontos-base nos juros em julho (maisretorno.com)
Produção agrícola em 2022 deve bater recorde, prevê IBGE (maisretorno.com)
Ata do BCE: alta de juros mais forte pode causar reação dos mercados (maisretorno.com)

Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.