Economia

Prevendo melhoras nas variáveis da política fiscal brasileira, ainda que o cenário geral esteja ainda muito longe do ideal, o Departamento Econômico da XP Investimentos revisou sua expectativa em relação à dívida pública ao final do ano de 87% para 84,5%, ou 4,3 pontos porcentuais abaixo do nível observado no ano passado.

Foto: Jeff Belmonte
Dívida pública deve ser menor em 2021, segundo XP - Foto: Jeff Belmonte

A casa alterou também as projeções para o déficit público, de 3,2% para 2,6% do PIB. Segundo os economistas Caio Megale e Rachel de Sá, essa revisão é fruto especialmente da melhora na arrecadação. "Agora esperamos R$ 1,724 bilhão no ano", disseram.

Consideraram ainda os economistas o fato de, além de um resultado primário melhor que o esperado, a alta dos preços também contribuir para a redução da relação dívida/PIB.

"Olhando para frente, esperamos que os gastos finalmente se normalizem após a aprovação do Orçamento de 2021, portanto, reduzindo as surpresas mensais positivas. No entanto, os principais fatores observados até agora no lado da receita devem continuar fortalecendo a arrecadação de tributos, principalmente no tocante aos preços ao produtor", disseram Megale e Rachel.

Vale destacar, observaram eles, um importante risco ao cenário positivo esperado para a arrecadação, atrelado à recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de excluir o ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins.

"De acordo com cálculo da Instituição Fiscal Independente (IFI), a perda de arrecadação por meio de compensações tributárias por parte da União pode chegar a R$ 121 bilhões este ano, se consideradas, além das receitas já esperadas para o ano, os potenciais passivos relativos ao período entre 2017 e 2020 encerrados", afirmaram. / com Agência Estado

89,1% em março

No final de abril, o Banco Central divulgou que a dívida pública brasileira fechou março aos R$ 6,721 trilhões, o que representa 89,1% do Produto Interno Bruto (PIB).

O porcentual é menor que os 90,0% de fevereiro. No melhor momento da série, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB. / com Agência Estado

Imagem do autor

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Economia
Economia
Economia
Economia
Veja mais Ver mais