Logo Mais Retorno
Economia

Vendas no varejo caem 0,1% em outubro e somam terceiro recuo consecutivo, aponta IBGE

Setores que mais sentiram o impacto da inflação foram o de combustíveis, supermercados e vestuário, na série com ajuste sazonal

Data de publicação:08/12/2021 às 10:26 -
Atualizado 7 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

As vendas no varejo em outubro caíram 0,1% sobre setembro, na série com ajuste sazonal, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) publicados nesta quarta-feira, 8. Esse é o terceiro recuo consecutivo do indicador.

O resultado veio bem abaixo das expectativas dos especialistas, que esperavam uma mediana positiva de 0,6%.
O acumulado em 12 meses foi de 2,6% em outubro, ante 3,9% em setembro, apontando uma redução no ritmo das vendas.

Vendas do varejo caem 0,1% em outubro e acumula terceiro recuo seguido
Varejo registra recuo de 0,1% nas vendas e outubro e contabiliza a terceira queda seguida, segundo IBGE. Impacto da inflação foi mais acentuado, entre as atividades, no setor de supermercados e hipermercados - Foto: Tania Rego/Agência Brasil

Esse resultado foi sentido por cinco das oito atividades pesquisadas. Segundo o IBGE, a inflação continua exercendo impacto nos indicadores, uma vez que a variação de receita nominal de vendas do varejo é positiva, na passagem de setembro para outubro, em 0,7%.

Na série com ajuste sazonal, esse impacto foi mais acentuado em atividades como combustíveis e lubrificantes (-0,3%), hiper e supermercados e tecidos (-0,3%), vestuário e calçados (-0,1%).

Na comparação com outubro de 2020, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram queda de 7,1%. Nesse caso, o resultado também ficou pior do que a mediana das expectativas, que era de -6,0%, com previsões que iam de contrações de 7,5% a 4,1%.

As vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 2,6% no ano.

Varejo ampliado

Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas caíram 0,9% em outubro ante setembro, na série com ajuste sazonal. O resultado ficou menor do que a mediana das estimativas (-0,2%), cujo intervalo ia de queda de 1,5% a alta de 1,5%.

Na comparação com outubro de 2020, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram recuo de 7,1% em outubro de 2021. Nesse confronto, as projeções variavam de uma queda de 8,1% a um recuo de 3,6%, com mediana de -6,1%.

As vendas do comércio varejista ampliado acumularam alta de 6,3% no ano e aumento de 5,7% em 12 meses.

Alta em 17 das 27 unidades da Federação

Na série com ajuste sazonal, de acordo com o instituto, 17 das 27 Unidades da Federação tiveram resultados positivos, com destaque para: Acre (3,0%), Alagoas (2,4%) e Rondônia (2,4%).

Por outro lado, no campo negativo, figuram 10 das 27 Unidades da Federação, com destaque para: Amapá (-2,8%), Roraima (-2,3%) e Rio de Janeiro (-2,2%).

Números do varejo

  • Queda de 0,1% em outubro ante setembro
  • Expectativa do mercado: alta de 0,6% (mediana)
  • Acumulado em 12 meses: 2,6%
  • Maior impacto (série com ajuste sazonal): combustíveis e lubrificantes; super e hipermercados; tecidos, vestuário e calçados
  • Alta nas vendas em 17 das 27 regiões pesquisadas

O que pensa o mercado

De acordo com o economista-chefe da Necton, André Perfeito, o resultado do varejo em outubro sinaliza que o quarto trimestre começou mal e reforça a perspectiva de desaceleração da economia. "A variação no trimestre encerrado em outubro mostra queda de 3,3%, o pior resultado desde março deste ano", destacou Perfeito. /

"Fatalmente, o Banco Central não deve subir a Selic tanto quanto o mercado imagina. Mantemos o cenário de alta da Selic em 150 pontos base hoje e de 11,5% ao final do ciclo".

André Perfeito, economista-chefe da Necton

Com Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!