Logo Mais Retorno
termos

Flattening da curva

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:04/05/2021 às 17:20 -
Atualizado um ano atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O que é flattening da curva?

Flattening da curva é um tipo de efeito que uma curva de juros de um conjunto de títulos de renda fixa pode sofrer, como steepening, que é inclinação, torção, mudança paralela etc. 

Um flattening, ou achatamento, quer dizer que as taxas de longo prazo estão muito próximas, ou até iguais, às das taxas de curto prazo.

Normalmente, esse fenômeno acontece quando o cenário econômico tem o potencial de ser o de inflação ou de recessão

Por outro lado, o flattening também pode ser transitório, como inerente à mudança de uma curva que está normal passar para a posição invertida. 

Além do flattening da curva, como ela pode se comportar?

Primeiramente, descubra como essa curva de rendimento deve se portar em situações normais.

Bom, ela se apresenta como uma curva tradicional. Então, imagine um gráfico, de juros por tempo. A curva partirá de um ponto baixo, longe do vencimento, e sobe até um certo ponto — em que a taxa de juros estabiliza. 

Dessa forma, os títulos com vencimentos de curto prazo geram rendimentos menores do que títulos com vencimentos de longo prazo.

A depender dos acontecimentos socioeconômicos, os outros efeitos que a curva de rendimento dos títulos de renda fixa podem adotar são:

  • Bear steepening: curva de rendimento com maior inclinação, indicando elevação das taxas de juros;
  • Bear flattening: curva de rendimento com menor inclinação, indicando também elevação das taxas de juros;
  • Bull steepening: curva de rendimento com maior inclinação, indicando queda das taxas de juros;
  • Bull flattening: curva de rendimento com menor inclinação, indicando também queda das taxas de juros.

Agora vamos por partes.

Bear (urso) e bull (touro) são célebres ícones do mercado financeiro, em que o urso indica baixa no mercado, pessimismo e preços baixos nos ativos. Enquanto o touro, indica alta do ciclo, com preços altos de ações e boa economia no geral. 

Portanto, para exemplificar, a curva pode ficar inclinada em uma fase de baixa. A inclinação da curva sempre indica ascensão ou queda, como a fase é de baixa, a bear steepening pode sinalizar que o Governo está com dificuldade de financiar seu déficit de longo prazo.

Flattening da curva na baixa

Na bear flattening, a curva está pouco inclinada em um cenário de baixa. Assim, as taxas de juros de longo prazo sobem de forma sutilmente mais lenta que as taxas de curto prazo e isso precede a contração econômica e os períodos de inflação. Esse fenômeno é o contrário da inclinação acentuada da curva de rendimentos.

Flattening da curva na alta

Na bull flattening, o achatamento ocorre de maneira inversa: os juros dos títulos de longo prazo caem um pouco mais rápido que os de curto prazo. Isso significa que o Governo quer estimular a economia, o que é bom para o mercado de ações. Inclusive, títulos em flattening na alta, no geral, trazem retornos financeiros mais elevados aos investidores do que as ações.

Por que o flattening da curva é importante para os investimentos?

A taxa de juros funciona como o menor custo de oportunidade para emprestar dinheiro, isto é, nesse caso, investir em renda fixa. A curva de rendimentos representa o piso dos investimentos e a Selic é o seu principal indicador, que muda a cada 45 dias. Além disso, os fundos DI futuro também são utilizados para a marcação dessa curva. 

Na prática, eventos como flattening da curva ajudam a decidir se os investimentos nos títulos do governo devem ser resgatados. Também informa se a melhor opção é migrar para a renda variável ou, ainda, se vale a pena se expor a investimentos de alto risco quando o retorno deles é igual ou menor ao retorno de um investimento de mesmo prazo em um título federal.  

Sobre o autor
Autor da Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!
Mais sobre