Logo Mais Retorno
taxa de desemprego
Economia

Taxa de desemprego cai a 9,3% no 2° trimestre, mas renda média real do trabalhador também recua

Nível de ocupação é o maior para o segundo trimestre de 2022 desde junho de 2015

Data de publicação:29/07/2022 às 10:38 -
Atualizado 6 meses atrás
Compartilhe:

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), realizada e divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, 29, revelou que a taxa de desocupação - popularmente chamada de taxa de desemprego - no Brasil ficou em 9,3% no segundo trimestre de 2022.

O resultado, que veio em linha com as projeções do mercado, representa uma queda, tanto em relação aos dados do trimestre imediatamente anterior - quando a taxa era de 9,8% -, quanto em relação ao mesmo período do ano passado - momento em que a desocupação atingia 14,2% da população brasileira.

taxa de desemprego
Foto: Reprodução

De acordo com o IBGE, apesar do nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar), hoje em 56,8%, ter crescido e ser o maior para o trimestre encerrado em junho desde 2015, a renda média real do trabalhador recuou 5,1% no segundo trimestre deste ano em comparação aos meses de abril a junho de 2021.

O valor da última leitura da Pnad Contínua mostram um rendimento real de R$ 2.652, enquanto no segundo trimestre do último ano era de R$ 2.794.

Dados da Pnad Contínua do 2° trimestre de 2022

IndicadorResultado
Taxa de desocupação9,3%
População desocupada10,1 milhões
Nível de ocupação56,8%
Contingente de pessoas ocupadas98,3 milhões
Rendimento médio realR$ 2.652
Fonte: IBGE

Repercussão e perspectivas para a taxa de desemprego

Segundo Gustavo Sung, economista-chefe da Suno Research, os dados apresentados pela Pnad Contínua nesta sexta-feira mostram que o mercado de trabalho brasileiro segue dando sinais de recuperação. "Mais da metade da população brasileira com idade para trabalhar está ocupada neste momento", pontua o especialista.

Sobre os tipos de vagas que vêm sendo criadas, Sung destaca que boa parte da recuperação dos empregos se deve ao avanço da informalidade. No entanto, analistas do BTG Pactual apontam, também, que no segundo trimestre, a proxy de criação de vagas revela uma maior abertura de vagas no setor formal do que no informal - 512 mil contra 241 mil -, o que "corrobora com a leitura positiva do dado".

O BTG afirma ainda que o avanço no mercado de trabalho está bastante relacionado ao aumento da mobilidade social após a pandemia de covid-19, o que leva a um maior número de contratações, sobretudo no setor de serviços.

"Para o segundo semestre, a perspectiva é de um arrefecimento da atividade diante dos efeitos da elevação dos juros e da alta inflação. Porém, a boa retomada do mercado de trabalho e as medidas fiscais, como a PEC dos Auxílios e redução de tributos, darão um novo fôlego para a atividade econômica no terceiro trimestre."

Gustavo Sung, economista-chefe da Suno Research

A equipe de analistas do BTG compartilha da mesma opinião e ressalta que, entre o terceiro e o quarto trimestre de 2022, o mercado de trabalho deve se estabilizar com a taxa de desemprego próxima de um nível entre 9,5% e 10%.

Leia mais

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

Inscreva-se em nossa newsletter