Logo Mais Retorno
Outros

O que esperar da reunião de hoje no Banco Central americano

Retirada de estímulos da economia deve ser feita de forma mas rápida, com final em março de 2022

Data de publicação:15/12/2021 às 07:00 -
Atualizado 6 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A reunião de hoje do Comitê Federal de Mercado Aberto, Fomc, do Federal Reserve, o Banco Central americano, deve monopolizar as atenções dos mercados. As autoridades monetárias, além de atualizar cenários e projeções para juros e inflação, poderão sinalizar aceleração no processo de retirada de estímulos da economia americana. Temas que centralizam as preocupações de investimentos mundo afora.

O Fomc é o equivalente ao nosso Copom, Comitê de Política Monetária do Banco Central, e suas decisões sobre juros e quantidade de dinheiro em circulação na economia americana contam com potencial para respingar pelos quatro cantos do planeta.

Banco Central americano
Prédio do Federal Reserve, em Nova York - Foto: Epicharmus

A equipe de macro research do BTG Pactual digital preparou um estudo com projeções das possíveis decisões ou indicações na condução da política monetária, pelo Federal Reserve nesses próximos meses, que podem sair da reunião de hoje. Os autores do estudo são: Álvaro Frasson, Arthur Mota, Leonardo Paiva e Luiza Paparounis.

Mudança nas projeções do Banco Central americano

Resumidamente, os analistas esperam que o Comitê, o Fomc, mude seu posicionamento e diagnóstico sobre a inflação, com revisão para cima da alta de preços, e perspectiva de duas elevações dos juros americanos em 2022, mas não de imediato, além de uma aceleração do tapering, reduzindo ainda mais a aplicação de recursos na economia americana, já a partir de janeiro.

Eles acreditam que o presidente do FED, Jerome Powell, deve rever o diagnóstico de transitoriedade da inflação americana, abrindo espaço para encerrar o programa de compra de ativos alguns meses antes do já sinalizado.

“Em nosso cenário base, o tapering sairá US$ 15 bi/mês para US$ 30 bi/mês a partir de janeiro, finalizando o processo de forma bastante antecipada”. No caso, o encerramento do programa de compra de ativos seria antecipado de maio para março de 2022.

Equipe de macro research do BTG Pactual Digital

Eles trabalham também com a possibilidade de uma redução mais tímida (de US$ 20 bi/mês) ou até eventualmente com a manutenção do  ritmo atual, embora reconheçam que os recados de participantes do Fomc não apontem para esse último cenário.

Aumento dos juros em 2022

Em relação aos juros, segundo os analistas, o Fomc deve mudar suas projeções, assim como já vem fazendo o mercado. Eles explicam que as expectativas dos investidores são de três altas dos juros americanos em 2022: uma em junho, outra em setembro e uma terceira em dezembro.

No entanto, com a aceleração do tapering, de acordo com eles, o mercado começa a testar cenários com início de alta dos juros em maio, com uma minoria apostando as fichas em março.

Mesmo com as preocupações trazidas pelo surgimento da variante ômicron, para a equipe do BTG Pactual digital, com perspectivas de novos fechamentos na economia, o comitê deve indicar uma política monetária mais apertada, de modo a controlar a inflação.

Inflação em níveis elevados.

Os últimos números divulgados sobre a economia americana ratificam o vigor da alta dos preços. A taxa acumulada em 12 meses da inflação ao consumidor (CPI) já atingiu 6,8%.

Segundo os especialistas, o mercado de trabalho se apresenta robusto, com níveis de desemprego próximo ao de pré-pandemia, e dados do emprego 5 milhões abaixo do que seria o mercado sem ter sido afetado pela pandemia. Além disso, a taxa de abertura de vagas registrada segue elevada, embora boa parcela ainda não tenha sido preenchida, o que tem promovido forte aceleração dos salários.

Além do custo com salário, cabe destacar também a continuidade do repasse dos preços de habitação, assim como a recomposição de itens que sofreram com a quarentena. Temáticas envolvendo choque de oferta, como energia (combustível) e escassez de produtos (problemas nas cadeias produtivas) continuam no radar, mas devem perder peso ao longo do próximo ano.

Sobre o autor
Regina Pitoscia
Editora do Portal Mais Retorno.